Inter passa pelo Boca e está nas semifinais da Sul-Americana

O Colorado é o único clube do Brasil que segue vivo na competição continental

Redação,
O Internacional está nas semifinais da Copa Sul-Americana. A vaga foi conquistada na noite desta quinta-feira, com uma vitória por 2 a 1 sobre o Boca Juniors, no estádio da Bombonera, em Buenos Aires. O representante brasileiro, no primeiro confronto, em Porto Alegre, vencera o time argentino por 2 a 0, o que o fez entrar em campo já com boa vantagem.

O Inter é o único clube do Brasil que segue vivo na competição continental. Botafogo e Palmeiras, que também haviam avançado até as quartas-de-finais, foram eliminados na noite de quarta, respectivamente por Estudiantes de La Plata e Argentinos Juniors.

"Ganhar na Bombonera é algo especial. Disse aos meus companheiros que seria preciso correr e lutar, porque o Boca é difícil", destacou D'Alessandro, o argentino do Inter.

Na fase semifinal o Colorado terá pela frente oChivas Guadalajara, que empatou de 2 a 2 com o River Plate. Na primeira partida, em Buenos Aires, venceu por 2 a 1.

Como era previsto, o jogo desta noite da Bombonera começou com o Boca em cima do Inter, jogando bolas para a área colorada a todo instante, sob o incentivo de cerca de 30 mil torcedores. Mas a defesa colorada estava bem postada e aliviava com eficiência.

Os contra-ataques do time brasileiro eram puxados por Alex, que tentava lançamentos longos para aproveitar a velocidade de Nilmar, que se mantinha sozinho lá na frente. Mesmo assim o tempo corria de forma favorável ao Inter, pois ao menos chances claras de gol não surgiam para lado algum e a igualdade servia.

Como o Boca não conseguia achar o caminho da rede colorada, a torcida começou a se impacientar e direcionou algumas vaias aos atletas no final do primeiro tempo. Diante dessa pressão, a equipe Argentina retornou para a segunda etapa com mais um atacante, Viatri, no lugar do volante Cardoso, visando tornar-se mais ofensivo.

Mas, ao contrário, foi o Inter quem logo achou o caminho do gol. Aos 2min, Magrão deu a Nilmar na ponta direita, esse cruzou e o próprio Magrão mandou para a rede, de pé direito, fazendo 1 a 0. Imediatamente o treinador do Boca mandou o craque Riquelme, que estava no banco de reservas, para o campo. E no seu primeiro toque na bola o meia argentino empatou o jogo, na cobrança de um pênalti que Edinho cometeu sobre Datolo, aos 11min.

Com o empate a torcida voltou a se agitar nas arquibancadas e a pressão se tornou enorme em cima da defesa do Inter. Entretanto, num contra-ataque aos 26, o time brasileiro voltou a ficar em vantagem, após D'Alessandro ter avançado pela esquerda e ter feito o passe perfeito para a conclusão de Alex.

A partir de então a partida se transformou numa correria enorme, com os atletas do Boca tentando buscar o resultado de forma desorganizada e o os do Inter com amplos espaços para armar jogadas ofensivas. Apesar das novas chances criadas, nem um lado nem outro movimentou mais o placar e o time gaúcho exorcizou um velho fantasma e eliminou o poderoso inimigo dentro de sua casa.

BOCA JUNIORS
García; Barroso, Muñoz, Forlín e Calvo; Cardozo (Viatri), González, Gaitan (Datolo) e Gracián (Riquelme); Mouche e Figueroa
Técnico: Carlos Ischia

INTERNACIONAL
Lauro; Álvaro, Índio, Bolívar e Marcão; Edinho, Guiñazu, Magrão (Rosinei) e D'Alessandro (Gustavo Nery); Alex e Nilmar
Técnico: Tite

Data: 6/11/2008 (quinta-feira)
Local: Estádio La Bombonera, em Buenos Aires
Árbitro: Óscar Ruiz (COL)
Auxiliares: Abraham González (COL) e Rafael Rivas (COL)

Com informações do UOL Esporte
A+ A-