Defensor do Brexit, Boris Johnson é escolhido para ser o novo primeiro-ministro britânico

Político promete cumprir o prazo de 31 de outubro para deixar a União Europeia mesmo que sem acordo ou um período de transição.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Frank Augstein/AP
Boris Johnson discursa depois de ser anunciado como novo líder do Partido Conservador britânico.

Boris Johnson, ex-prefeito de Londres e ex-chanceler britânico, foi escolhido pelos membros do Partido Conservador como seu novo líder e, consequentemente, o próximo primeiro-ministro do Reino Unido.

Johnson, de 55 anos, conquistou 92.153 votos contra 46.656 do atual ministro de Relações Exteriores do país, Jeremy Hunt, e receberá da rainha Elizabeth II a responsabilidade de formar um governo cuja principal tarefa será concluir a retirada do país da União Europeia (UE), o Brexit. O Comitê 1922, responsável pela disputa interna do partido, informou que votaram 87,4% dos seus filiados.

Em um breve discurso após o anúncio do resultado na manhã desta terça-feira, 23, o novo líder dos Tories disse ser factível que o Reino Unido mantenha uma parceria estreita com a UE ao mesmo tempo em que cumpre o seu desejo por um "autogoverno democrático".

Ele também afirmou que o Brexit, sua promessa central de campanha, será uma realidade em 31 de outubro "com ou sem acordo". "(Isso seria possível) com um espírito de 'podemos fazer'", acrescentou  momentos depois de ser oficializado como o substituto da atual premiê Theresa May.

Além disso, agradeceu aos membros da sua legenda pela extraordinária "honra" que lhe conferiram. "Sei que haverá gente por aí que questionará o julgamento da decisão de vocês", acrescentou Johnson, que foi criticado pelos setores conservadores que estão a favor de um Brexit suave.

Alguns membros do governo de May já anteciparam sua intenção de não servir sob o mandato de Johnson, entre eles o pró-europeu titular de Economia, Philip Hammond; o ministro da Justiça, David Gauke, e o responsável por Cooperação Internacional, Rory Stewart.

Apoio de Trump

Poucos minutos após a oficialização de Johnson como líder conservador, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o parabenizou pela vitória. "Parabéns a Boris Johnson por se tornar o novo primeiro-ministro do Reino Unido. Ele será ótimo!", tuitou Trump.

O líder americano já havia manifestado em outras ocasiões seu apoio a Johnson. Na semana passada, Trump previu que o político britânico vai "consertar o desastre" que, de acordo com Trump, May causou ao tentar liderar a saída de seu país da UE.

"Ele é um sujeito diferente, mas dizem que eu também sou. Nós nos damos bem. Acho que teremos um relacionamento muito bom", disse Trump aos repórteres.

Reação da UE

O negociador da União Europeia (UE) para o Brexit, Michel Barnier, expressou nesta terça sua disposição de trabalhar para uma saída ordenada do Reino Unido com Boris Johnson.

"Estamos ansiosos para trabalhar construtivamente com o primeiro-ministro Boris Johnson quando ele tomar posse, e para facilitar a ratificação do Acordo de Retirada e alcançar um Brexit ordenado", declarou Barnier, logo após a nomeação do ex-chanceler britânico.

Barnier afirmou também que os 27 sócies do Reino Unido na UE estão dispostos a renegociar a declaração política que acompanha o acordo de separação e que cria as bases sobre a futura relação de ambas as partes.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, também felicitou o líder Torie por meio de sua porta-voz Natasha Bertaud, que garantiu que o titular do órgão até 1º de novembro "quer trabalhar com o primeir-ministro da melhor forma possível".

Tags: Boris Johnson Mundo Reino Unido
A+ A-