Chefe da Interpol 'será indiciado por corrupção'

O chefe da polícia da África do Sul e atual presidente da Interpol, Jackie Selebi, está sendo investigado desde 2007.

BBC Brasil,
A Promotoria Pública da África do Sul anunciou nesta sexta-feira (11) que vai processar por corrupção o chefe da polícia do país e atual presidente da Interpol, Jackie Selebi.

Selebi está sendo investigado desde 2007 por alegações de ter recebido pelo menos US$ 170 mil durante um período de cinco anos de um empresário local, condenado por envolvimento com o tráfico de drogas. Selebi nega as acusações.

Nesta sexta-feira, o presidente da Interpol foi a uma corte de Justiça em Pretória para tentar, sem sucesso, bloquear o processo.

A declaração da Promotoria Pública foi feita dois dias depois de a polícia sul-africana ter prendido e indiciado por corrupção o principal investigador responsável por apurar as acusações contra Selebi, Gerrie Nel, que depois foi liberado sob fiança.

Mbeki
Uma declaração juramentada entregue à Justiça pela promotoria cita o "relacionamento corrupto" entre Selebi e o empresário Glen Agliotti.

Agliotti foi condenado a dez anos de prisão em um caso de tráfico de drogas, sentença que foi suspensa depois que o réu fez um acordo com a promotoria.

Agliotti também é acusado de envolvimento na morte de um magnata do setor de mineração em 2005, Brett Kebble.

O principal partido de oposição sul-africano, Aliança Democrática, exigiu a suspensão imediata de Selebi.

Mas as acusações provocam polêmica na África do Sul. Alguns acusam a Procuradoria pública de ter motivações políticas.

O presidente sul-africano, Thabo Mbeki, que seria amigo de Selebi, rejeitou várias vezes os pedidos de demissão do chefe de polícia, afirmando que não vai tomar nenhuma medida até que receba provas das ligações dele com atividades criminosas.
A+ A-