Comandante dos Bombeiros acredita em mais envolvidos no roubo de combustíveis

Coronel Christia Bezerril disse que relatórios internos de abastecimento apontavam consumo excessivo dos veículos da Corporação no Aeroporto Augusto Severo.

David Freire,
David Freire
Coronel disse que, em média, eram desviados 200 litros de óleo diesel.
As investigações em torno do soldado bombeiro Micael Gutemberg Alves Peregrino, 30, preso na manhã desta quarta-feira (3) sob acusação de roubar combustível de viaturas usadas no combate a incêndio, tiveram início baseadas em relatórios internos de abastecimento do Corpo de Bombeiros que apontavam o consumo excessivo dos veículos de combate.

De acordo com esses documentos, a partir de agosto deste ano começou a se perceber uma diferença no consumo dos veículos. Depois que o soldado foi identificado como a pessoa que retirava o combustível dos veículos, teve início um trabalho conjunto de investigação realizado pelo Serviço de Inteligência da Secretaria Estadual da Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), Polícia Federal, Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros que durou dois meses.

O comandante do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Norte, coronel Cláudio Christian Bezerril, disse que a partir destes documentos verificou-se o excesso nos gastos com os veículos lotados no Aeroporto Internacional Augusto Severo e foi levantada a suspeita de desvio no combustível. “Eram desviados, em média, 200 litros de óleo diesel e o consumo era excessivo”, comentou. “Ele não podia nem alegar que o combustível seria para consumo próprio porque o carro dele é um Kadett”, completou o coronel.

Ele acredita “em mais envolvidos” junto ao soldado. “Isso (roubo do combustível) se estendia há alguns meses. Micael foi o primeiro (a ser detido), mas as investigações da Polícia Federal continuam”, avisou. O oficial informou que Micael tinha uma ficha limpa dentro da Corporação onde entrou na turma de 2002. 

Coronel Christian Bezerril explicou que o acusado foi detido depois que saiu do serviço na manhã desta quarta-feira (3). “Os policiais o seguiram e quando chegaram à Avenida Maria Lacerda (em Nova Parnamirim) o detiveram”, informou. Ele afirmou que um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) será instaurado paralelo ao Inquérito Policial que vai tramitar na Polícia Federal. “Essas investigações vão apurar o fato e a permanência dele na Corporação”, explicou.
A+ A-