José Agripino lamenta a saída de Garibaldi Alves na disputa pelo comando do Senado

Mesmo confirmando apoio ao senador potiguar até o fim, democrata já esperava que Garibaldi não conseguiria manter candidatura.

Andréia Freitas,
Geraldo Magela / Agência Senado
Agripino: "Sempre vou torcer por um potiguar que possa trabalhar pelos interesses do nosso estado”
“Acredito que o Estado foi surpreendido por deixar de ter um filho seu, um conterrâneo, e que estava na disputa com grandes chances de vencer, perder a oportunidade de assumir a Presidência do Senado”. A declaração é do democrata José Agripino, referindo-se à saída do senador Garibaldi Alves filho da disputa pela reeleição ao comando do Congresso, após o ex-presidente José Sarney (PMDB/AP) decidir também pleitear o cargo.

O senador José Agripino (DEM) afirmou que apoiaria Garibaldi até o fim na disputa pela Presidência da Casa, mesmo sendo contrário a alguns democratas que questionavam a candidatura do potiguar alegando que, por razões legais, o parlamentar não poderia concorrer ao cargo, pois significaria uma reeleição dentro da mesma legislatura, o que é vetado pela Constituição Federal.

“Mesmo assim, sei que há pareceres que dão respaldo a candidatura de Garibaldi. Como não há dúvidas em relação a José Sarney (PMDB/AP) alguns democratas preferiam ele. Mas reforço meu apoio a Garibaldi até o fim. Até porque sempre vou torcer por um potiguar que possa trabalhar pelos interesses do nosso estado”, enfatizou José Agripino.

Sobre apoiar o senador José Sarney à Presidência da Casa, com a saída de Garibaldi Alves Filho da disputa, o democrata não mostrou nenhum problema na indicação do Partido. “O que posso afirmar é que entre um candidato do PMDB e do PT, a minha bancada é a favor de um peemedebista”.

Em relação a participação do presidente Lula na decisão do senador José Sarney em concorrer à Presidência, o senador José Agripino demonstrou desconhecer o fato. “Eu não faço a menor idéia da influência do Presidente Lula nessa decisão. Isso diz respeito às relações do Palácio do Planalto com o PMDB, relações sobre as quais eu não tenho o menor acesso”, finalizou o democrata.
A+ A-