Marcelo acredita no título do Real

Lateral avisa que time tem força para conquistar o Espanhol e diz que a Justiça Desportiva Brasileira é mais rigorosa.

Redação,
Uma das grandes revelações criadas em Xerém nos últimos anos foi o lateral-esquerdo Marcelo, que atualmente está brilhando com a camisa do Real Madrid. Há dois anos na Espanha, Marcelo já está completamente adaptado ao futebol europeu. Sua habilidade e seus cruzamentos perfeitos estão deixando os espanhóis cada dia mais encantados com seu futebol.

De férias no Brasil para as festas de final de ano e seu casamento, que acontecerá no próximo sábado, dia 27 de dezembro, no hotel Copacabana Palace, em uma festa fechada para a família e amigos mais próximos, o jovem jogador, de apenas 20 anos, disse ao site Justicadesportiva.com.br que apesar de não estar sendo convocado para a Seleção Brasileira, seu principal objetivo é estar presente no grupo que disputará a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul.

“Fiz uma boa Olimpíadas, mas o Brasil é o país do futebol e temos grandes jogadores em todas as posições. No momento, o professor Dunga está preferindo outros atletas, mas eu vou continuar lutando, trabalhando no meu clube para buscar meu espaço. Quero disputar a Copa de 2010, tenho um tempinho para garantir minha vaga lá”, disse Marcelo.

Para conseguir chamar a atenção de Dunga, o lateral vai ter que continuar ajudando ao Real Madrid a se recuperar no Campeonato Espanhol. O clube merengue vinha fazendo uma campanha ruim, tanto que os dirigentes trocaram o treinador.

“Trocamos de treinador e estamos em uma grande arrancada. Estávamos muito longe do Barcelona e todos diziam que não íamos chegar. Vencemos o Valência na última rodada e todos já voltaram a creditar na gente. Vamos ser campeões, temos time para isso”, avisou o confiante jogador.

Sobre sua vida em Madrid, Marcelo disse que já se sente bastante adaptado. O atleta contou que se esforçou muito para não sentir a mudança de vida. Inclusive, fez um curso de espanhol para conversar melhor com as pessoas no dia-a-dia e com os jogadores e os árbitros em campo. Porém, em relação aos juízes, o menino de Xerém disse que não adiantou muito, pois os árbitros espanhóis não costumam dialogar com os jogadores.

“Quando cheguei, foi um pouco complicado, mas nada que um cursinho que eu fiz, não resolvesse. Já falo bem, não é uma língua muito difícil. Porém, em campo não muda muito, pois os árbitros não são muito de falar com a gente. No Brasil, eles dão papo, aqui, você fala, fala, mas eles não estão nem aí, nem olham para a gente”, disse o lateral, que apesar dos árbitros serem mais fechados, considera a justiça desportiva brasileira mais rigorosa.

Nunca fui a um Tribunal, graças a Deus nem sei como funciona. Mas já tive amigos que foram e sei como é. Acho o Tribunal do Brasil um pouco rigoroso, mas estão fazendo um bom trabalho. O Luis Fabiano deu uma cotovelada em um jogador aqui e pegou quatro jogos, se fosse no Brasil iam querer dar para ele uns 120 dias de gancho, sei lá”, brincou o jogador. 

Justiça Desportiva
A+ A-