Vitória do PMDB no Congresso o aproximou mais do PT, diz Fátima Bezerra

Em entrevista ao Jornal 96, a deputada federal também avaliou o primeiro mês da gestão de Micarla de Sousa: "Cadê o plano de governo?".

Luana Ferreira,
Fotos: Gabriela Duarte
Fátima Bezerra: PMDB pode indicar candidato a vice-preseidente em 2010.
A vitória do PMDB nas presidências do Senado e Câmara Federal fortaleceu ainda mais os laços políticos entre PMDB e PT, disse hoje (9) a deputada federal Fátima Bezerra (PT), em entrevista ao jornalista Diógenes Dantas, no Jornal 96, da 96 FM.

Para a parlamentar, com o senador José Sarney (PMDB) e o deputado Michel Temer (PMDB) ocupando os maiores postos do Congresso Nacional, os dois partidos caminham juntos para uma aliança nas eleições presidenciais, em 2010.

“Espero que o PMDB continue conosco, já que tem sido muito prestigiado pelo presidente Lula”, afirmou a entrevistada, lembrando que o partido está no comando de seis Ministérios.

Para Fátima Bezerra, o cenário de 2010 já está desenhado: de um lado, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), que representaria o “retrocesso político-administrativo”; de outro, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, “para fazer o Brasil avançar cada vez mais”. “O PMDB poderá inclusive indicar o candidato à vice-presidente da nossa chapa”.

Micarla de Sousa
A ex-candidata a prefeita de Natal também criticou o primeiro mês da administração de Micarla de Sousa (PV). “Qual o projeto que a prefeitura tem para a cidade? Cadê o choque de gestão?”, questionou, para depois cobrar a fundamentação, as metas e o calendário do plano de governo da pevista.

Sobre as contas da prefeitura, que segundo Micarla de Sousa estão R$ 180 milhões negativos e para o ex-prefeito Carlos Eduardo há em caixa R$ 10 milhões, a deputada federal falou em “inexperiência e precipitação”. “Os dados (de Carlos Eduardo) são irrefutáveis e respaldados pelo Diário Oficial”.

DEM e 2010

Se para o plano nacional o cenário já está desenhado, as eleições locais ainda são de indefinição. Fátima Bezerra falou na possível candidatura de Henrique Alves, Carlos Eduardo ou alguém do PT, e disse que a prioridade era de discussão de plano de governo e não a "fulanização".

 

Sobre a possibilidade de PMDB e PT estarem juntos para governo do Estado, a entrevistada voltou a afirmar que depende da companhia do partido verde: "Não dá pra se comprometer com o governo Lula e, ao mesmo tempo, ficar ao lado do DEM no Rio Grande do Norte", reclamou, a respeito da aproximação cada vez maior entre os senadores Garibaldi Alves (PMDB) e Rosalba Ciarlini, pré-candidata ao governo.

 

Para Fátima Bezerra, PT e DEM são como óleo e água: não se misturam jamais.

Entrevista
Confira abaixo a entrevista completa concedida ao Jornal 96 desta segunda-feira (9).

A+ A-