Servidores da Saúde e do Dnit em greve promovem manifestação no Centro

Trabalhadores reivindicam aumento salarial e melhores condições de trabalho.

Marília Rocha,
Marília Rocha
Mobilização marcou passagem do Dia do Servidor Público
Na manhã dessa terça-feira (28), os servidores da saúde e do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes - Dnit fizeram uma manifestação no Centro de Natal para reivindicar melhores condições de trabalho e melhorias salariais.

A paralisação da saúde começou no último dia 20 de outubro e envolve mais de 2 mil pessoas, em várias especialidades. A classe reivindica 23% de reajuste salarial, mudança de nível, pagamento de aposentadoria integral e pagamentos atrasados.

Segundo Sônia Godeiro, diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde, a escolha do dia de hoje para movimentação tem um objetivo. “Hoje é o Dia Nacional do Servidor Público e queremos mostrar a decadência da saúde no nosso estado”, afirma Sônia.

Os grevistas trabalham nas especialidades, clínica geral e ortopedia nos hospitais Giselda Trigueiro, Walfredo Gurgel, Santa Catarina e Tarcísio Maia em Mossoró.

Aproveitando a manifestação da saúde, os 54 servidores do Dnit, que estão em greve desde 6 de outubro, também participaram da mobilização. As reivindicações são aumento na remuneração, equiparando a tabela da Agência Nacional de Transporte Terrestre – ANTT, que desempenham as mesmas funções dos servidores do Dnit. 

A paralisação da saúde começou no último dia 20 de outubro e envolve mais de 2 mil pessoas.
Para Gizélia Rocha, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal, além da questão salarial, os servidores reivindicam melhoria nas condições de trabalho, reestruturação interna do órgão, através da contratação de pessoas e projeção funcional.

“Semana passada, criamos um grupo de trabalho para negociar as questões da greve. Hoje teremos uma assembléia para discutir se vamos voltar ao trabalho amanhã”, afirma Gizélia. A presidente do sindicato lembra que as obras da duplicação da BR estão sendo prejudicadas e apela ao governo para que atenda aos pedidos da categoria.
A+ A-