Perguntas sobre dados da Amazônia devem ser feitas ao Salles, diz Bolsonaro

Segundo Inpe, desflorestamento subiu quase 30% em 1 ano, o maior desde 2008

Da redação, Estadão Conteúdo,
Arquivo/Agência Brasil
Falta de fiscalização do extrativismo vegetal é uma das causas do desmatamento na Amazônia, que teve um aumento de 29,5%

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) se negou a comentar nesta terça-feira (19) o aumento de 29,5% do desmatamento na Amazônia, maior taxa desde 2008. Bolsonaro disse que perguntas sobre estes dados não devem ser feitas a ele, mas ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Bolsonaro afirmou que tratou sobre o desmatamento com Salles, porém não poderia apresentar ações planejadas pelo governo, pois o assunto seria reservado. Salles deve se encontrar na quarta-feira, 20, com governadores da Amazônia Legal para tratar da crise ambiental na região.

"É lógico que eu converso com ele (Salles). Não vou falar para você. Foi reservada a conversa. Eu não posso conversar reservadamente com o ministro e abrir para vocês aqui. Seria antiético da minha parte", disse o presidente.

Questionado se é um tema "reservado" o combate ao desmatamento, Bolsonaro respondeu: "Nós não queremos publicidade de nada que fazemos, queremos solução".

Em esforço para se descolar das repercussões sobre os dados da Amazônia, Bolsonaro afirmou que o "recorde" de desmate foi registrado durante a gestão de Marina Silva no Meio Ambiente (2003-2008), no governo governo do ex-presidente Lula (PT). "Vocês viram o desmatamento quando a Dilma foi ministra? A Dilma não, a Marina Silva, quando foi ministra, vocês viram? Foi recorde o desmatamento, então, não pergunte para mim, não".

O presidente participou nesta terça (19) de cerimônia de hasteamento da bandeira nacional devido ao Dia da Bandeira.

devastação-H

O desmatamento da Amazônia começou a ser monitorado oficialmente pelo Inpe com o Prodes em 1988, quando a destruição da floresta começou a ser criticada internacionalmente. A taxa do desmatamento caiu no período, mas voltou a subir no começo do anos 2000, alcançando um novo pico em 2004, segundo ano do governo Luiz Inácio Lula da Silva: 27,8 mil km².

A então ministra Marina Silva iniciou uma série de ações para combater o desmatamento, fortalecendo principalmente a fiscalização e a criação de novas unidades de conservação. Foi com ela, também, que o Deter começou a fornecer os alertas, ajudando o Ibama, e o Fundo Amazônia começou a operar, em 2008.

A estratégia funcionou. Em 2012, o Prodes registrou a menor taxa de sua história - 4,6 mil km². O País parecia no caminho para conseguir alcançar uma meta estabelecida em 2009 de chegar a 2020 com um desmatamento de 3,9 mil km². A partir do ano seguinte, porém, com um novo Código Floresta em vigor, menos rígido do que o anterior, a taxa de desmatamento começou a flutuar na Amazônia em uma tendência de alta.

Tags: desmatamento na Amazônia Jair Bolsonaro
A+ A-