Comissão da CMN define calendário de visitas a comunidades em áreas de risco

Parlamentares visitarão a comunidade do Jacó, na zona leste, e a rua Santa Luzia, em Igapó, na ZN.

Da redação, CMN,
Marcelo Barroso
Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Proteção das Mulheres, dos Idosos, Trabalhos e Minorias realizou reunião hoje.

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Proteção das Mulheres, dos Idosos, Trabalhos e Minorias realizou reunião, nesta sexta-feira (15), definindo cronograma de visitas a comunidades em áreas de risco de Natal. 

“Nós definimos um calendário com visitas a comunidades em áreas de risco onde iremos compreender, acompanhar e monitorar o que o Ministério Público colocou para a Prefeitura cumprir, proporcionando segurança para a população que é removida dessas áreas”, afirmou a vereadora Divaneide Basílio (PT), presidente da Comissão. 

A parlamentar confirmou que as visitas ocorrerão nos dias 22 de março, na comunidade do Jacó, zona leste de Natal, e no dia 5 de abril será a vez da rua Santa Luzia, Igapó, zona norte.

“Além das visitas nós vamos realizar, no dia 12 de abril uma audiência com a presença de moradores, do grupo de georiscos, do grupo Mutyrum, da UFRN, com o objetivo de aprimorar nosso entendimento sobre essas áreas de segurança da cidade, e com isso, faremos encaminhamentos mais contundentes”, explicou Divaneide. 

O vereador Maurício Gurgel (PSOL), destacou que “é muito importante discutir essa pauta sobre as áreas de risco principalmente pelo momento no qual a cidade está passando, momento de fortes chuvas, com várias áreas de potencial de risco”, disse o vereador. Maurício acrescentou que a Comissão vai dialogar, desenvolver ações preventivas e fiscalizar a atuação do Poder Público.

O vereador Ary Gomes (PDT) também comentou o trabalho desenvolvido pela Comissão junto à população. “A Comissão de Direitos Humanos vai desenvolver um trabalho sempre junto à população, mostrando os seus direitos e fazendo cumprir as leis que já existem”, afirmou Ary.

Josué Oliveira, morador da comunidade de Jacó, mostrou otimismo com as ações propostas pela Comissão. “A Comissão vai acompanhar nossa situação e nos ajudar a conhecer nossos direitos”, disse Josué.

Tags: áreas de risco CMN visitas a comunidades
A+ A-