‘Nunca ninguém disse que seria fácil enfrentar poderosos’, diz Deltan da Lava Jato

Coordenador da força-tarefa em Curitiba disse se sentir frustrado com as reações à investigação.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Ueslei Marcelino/Reuters
Conselho Nacional do Ministério Público pode discutir eventual afastamento do procurador Deltan Dallagnol.
Acuado pela divulgação em série de diálogos que lhe são atribuídos e pela ameaça de perder o posto de comandante da força-tarefa da Lava Jato, o procurador da República Deltan Dallagnol, disse, em postagem no Twitter neste sábado (10), que se sente frustrado com as reações à força-tarefa, mas tem esperança de que a sociedade brasileira evite retrocessos. O procurador indicou que o sistema de corrupção no país foi dobrado, mas não quebrado, e afirmou: “Nunca ninguém disse que seria fácil enfrentar poderosos”.

Nesta terça-feira (13), o Conselho Nacional do Ministério Público pode discutir eventual afastamento de Deltan. O procurador tem sido alvo frequente de reclamações perante o colegiado.

“Existe um oportunismo de buscar identificar qualquer brecha para atacar a operação, distorcer fatos e atacar os personagens que acabaram tendo protagonismo na Lava Jato”, apontou o procurador em postagem no Twitter.

Na sexta-feira (9), Deltan comparou a reação à Lava Jato ao movimento que colocou em xeque a Mãos Limpas – missão similar que a Itália viveu nos anos 1990 e acabou esvaziada por forças políticas.

Deltan ‘esquerdista’

Em meio às reações contra a Lava Jato, o nome do procurador foi citado por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro no Facebook. Neste domingo (11), o perfil oficial de Bolsonaro respondeu a comentários que solicitavam a indicação do chefe da força-tarefa da Lava Jato ao cargo de Procurador Geral da República compartilhando um post da página ‘Bolsonaro Opressor 2.0’ que chamava Deltan Dallagnol de ‘esquerdista estilo PSOL’.

Tags: Deltan Dallagnol
A+ A-