‘Exerci a autocontenção e fui eloquentemente silenciosa’, diz Raquel no adeus

Procuradora-geral afirma que tentou difundir um estilo que considera 'adequado' a todos os seus pares.

Da redação, Estadão Conteúdo,

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse nesta terça-feira (17) que, nos dois anos em que esteve à frente do Ministério Público Federal tentou difundir um estilo de autocontenção que considera ‘adequado’ para todo membro da instituição. O comentário da procuradora foi feito após ela ser questionada sobre o vazamento de mensagens de procuradores da força-tarefa da Lava Jato reveladas pelo site ‘The Intercept Brasil’.

Raquel deixa o comando da PGR nesta terça-feira (17), após uma gestão marcada por crises internas e crescente insatisfação dentro da instituição. “Em todo mandato eu exerci a autocontenção, fui eloquentemente silenciosa em tudo aquilo que exigia talvez uma percepção, parecer, algo fora dos autos”, disse a procuradora.

Em coletiva de imprensa para entregar um balanço de gestão, Raquel Dodge foi questionada sobre o vazamento de mensagens de procuradores, mas observou que não ia comentar o episódio já que esses fatos ‘não estão no momento na minha mesa’.

“Apenas para dizer que, do ponto de vista da chefe do Ministério Público, gestora e presidente do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público, que investiga membros do MP) e Conselho Superior do Ministério Público Federal (órgão máximo de deliberação do MPF), temos que ter cuidado com a palavra, estimular, pelo exemplo, o comportamento de sobriedade. Acho que esta autocontenção enuncia a ética que devemos estimular no MP, porque lidamos com pessoas e é preciso ter cuidado com o que fazemos”, acrescentou.

“O que posso dizer é que eu tentei difundir pelo meu comportamento e autocontenção o estilo que acho adequado para todo membro do MPF”, completou Raquel Dodge.

Tags: Justiça
A+ A-