Procuradoria denuncia 26 por 'rombo bilionário' em fundos de pensão

MPF em Brasília leva à Justiça três novas acusações formais no âmbito da Operação Greenfield.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Arquivo/MPF
Fraudes nos fundos de pensão teriam ocorrido, segundo a Procuradoria-Geral da República, entre 2009 e 2014.

Os procuradores da força-tarefa Greenfield denunciaram 26 investigados por suposto ‘rombo bilionário‘ contra previdência complementar Funcef, Petros e Postalis. Nesta segunda (7) os procuradores levaram à Justiça três acusações penais contra o grupo por supostas fraudes – nos três casos, os crimes teriam sido viabilizados por meio de aportes no Fundo de Investimentos e Participações (FIP) Multiner, segundo os procuradores.

“Os acusados responderão, na medida de suas participações, por gestão fraudulenta, temerária ou por desvio de recursos em proveito próprio ou de terceiros”, assinala o Ministério Público Federal.

Além das penas de prisão, os procuradores reivindicam o pagamento de R$ 3,1 bilhões como forma de reparação de danos moral e social causados, bem como para a devolução dos produtos dos crimes. O montante equivale ao triplo dos prejuízos causados.

As fraudes teriam ocorrido, segundo a Procuradoria, entre 2009 e 2014.

“Diretores dos fundos de pensão, em parceria com executivos do Multiner e com empresas de consultoria, agiram para aprovar aportes milionários no Multiner, mesmo em um cenário de desequilíbrio e incapacidade financeira da empresa”, sustenta o Ministério Público Federal.

A denúncia aponta que ‘os artifícios para engendrar tais operações envolveram a superavaliação da empresa, o uso de laudos falsos e a minimização dos riscos envolvidos nos financiamentos realizados’.

As investigações revelaram que ‘as consultorias contratadas para fazer a valoração do Multiner e para orientar quanto à decisão pelos aportes eram empresas especializadas em design de interiores e em suporte técnico de serviços de TI’.

“Ou seja, sob o pretexto de consultar empresas de ‘notória especialização’, foram contratadas instituições sem qualquer expertise que pudesse fundamentar investimentos milionários com recursos de terceiros”, acentua a Procuradoria.

As denúncias esclarecem também ‘a complexidade envolvida nos negócios’ e as ‘necessárias condutas de diligência, cuidado e segurança que deveriam ter sido observadas nas aprovações dos investimentos’.

“O FIP Multiner englobava, ao menos no papel, dezenas de usinas hidrelétricas, o que, por si só, denotaria a necessidade de conhecimento relevante a fim de endossar as aplicações”, ressalta a Procuradoria. “No entanto, invariavelmente a atitude dos diretores dos fundos foi de negligência e de omissão, em prejuízo dos pensionistas ou investidores.”

“Todo o processo que culminou com os atos de gestão fraudulenta aqui já narrados, geraram o enriquecimento indevido da holding Muttiner S/A, e, consequentemente, de seus controladores, em prejuízo aos fundos de pensão”, diz a Procuradoria.

Segundo as denúncias à Justiça, ‘100% dos investimentos realizados pelos cotistas no FIP foram perdidos’.

Tags: fraudes em fundos de pensão MPF Operação Greenfield
A+ A-