Márlon Reis diz que eleitor quer mais equilíbrio, seriedade e honestidade

Um dos articuladores da Ficha Limpa, jurista também falou sobre a aplicação da lei.

Rafael Araújo, Palácio do Planalto / Câmara dos Deputados,
Equipe Nominuto
Em entrevista ao jornal 96, jurista Márlon Reis disse que recentes mudanças não impede aplicação da lei da Ficha Limpa.

O jurista Marlon Reis, um dos articuladores da criação da Lei da Ficha Limpa (lei complementar n° 135, de 4 de junho de 2010), falou nesta segunda-feira (23) sobre a aplicação da lei após a Câmara dos Deputados aprovar em plenário mudanças no texto base.

A lei da Ficha Limpa torna inelegível por oito anos um candidato que tiver o mandato cassado, renunciar para evitar cassação ou for condenado por decisão de um órgão colegiado.

Alterações na lei aprovadas neste mês na Câmara dos Deputados impede que uma condenação em segunda instância após o registro de candidatura barre a posse de um candidato eleito.

Diante disso, Márlon Reis acredita que as recentes alterações na legislação da Ficha Limpa não impede a aplicação da lei, apenas retarda o processo. “Ela não impede a aplicação, só retarda e estabelece um marco um pouco mais a frente. Mesmo assim nós estamos estudando isso para verificar a necessidade de realizar uma campanha para que o presidente vete essas mudanças ou até mesmo que isso seja feito através do Supremo”, comenta.

Ainda de acordo com Márlon Reis, os eleitores hoje querem políticos racionais, equilibrados, que não sejam extremistas e, principalmente, sejam sérios e honestos. “As pessoas não estão dispostas a retrocessos ou de encontrar soluções grosseiras”, explicou o jurista.


Tags: Entrevistas
A+ A-