'Queremos uma garotada que comece a não se interessar por política', diz Bolsonaro

Na posse do novo ministro da Educação, presidente indicou que prefere alunos que aprendam 'coisas que possam levá-los ao espaço no futuro'.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Fátima Meira/Futura Press
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de posse do ministro da Educação, Abraham Weintraub, no Palácio do Planalto.

Na posse do novo ministro da Educação, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) indicou como um dos objetivos da pasta desestimular o interesse de crianças e adolescentes por política nas escolas. "Queremos uma garotada que comece a não se interessar por política, como é atualmente dentro das escolas, mas comece a aprender coisas que possam levá-las ao espaço no futuro", disse. O projeto Escola Sem Partido foi uma das bandeiras de Bolsonaro na campanha eleitoral.

Em seu discurso, o presidente defendeu que é preciso buscar a "inflexão" na área da educação, e também melhorar os índices educacionais até 2022, quando termina o seu mandato. Ele citou como foco o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), prova feita de três em três anos. A última avaliação ocorreu no final de 2016 e o Brasil teve queda nas áreas avaliadas. O País ficou na 63ª posição em ciências, na 59ª em leitura e na 66ª colocação em matemática.

"Queremos uma garotada que não esteja ocupando os últimos lugares no Pisa. Queremos que não mais 70% dessa garotada não saiba fazer uma regra de três simples, não saiba interpretar textos, não saiba perguntas básicas de ciências. Nós queremos uma garotada que comece a não se interessar por política, como é atualmente dentro das escolas, mas comece realmente a aprender coisas que possam levar, quem sabe, ao espaço no futuro", declarou o presidente.



Bolsonaro relembrou que conheceu o novo ministro da Educação, Abraham Weintraub, em 2017, quando o economista organizou uma viagem à Ásia para que ele, seus filhos e o então deputado Onyx Lorenzoni (DEM/RS) conhecessem o sistema de educação em países como Japão e Coreia do Sul. O presidente destacou os países como expoentes da pesquisa, ciência, tecnologia e inovação. Desde então, Weintraub atuou na campanha de Bolsonaro e, após a posse, assumiu a secretaria-executiva da Casa Civil, chefiada por Onyx.

O presidente também reforçou discurso feito pela manhã no qual disse que o governo "pensa no social" e que a educação é importante para melhorar a vida das pessoas. "Tanto é que estamos concedendo 13º salário para os beneficiários do Bolsa Família", disse, sobre anúncio que será feito oficialmente esta semana. "O que tira um homem e uma mulher de uma situação crítica financeira é o conhecimento. Por isso este ministério é importante, como os demais."

Bolsonaro deixou claro que "deu carta branca" para Weintraub formar sua equipe e indicar os cargos de primeiro escalão e que espera que esse novo time "jogue para a frente". Disse, ainda, que escolheu o nome de Weintraub entre "uma dezena de bons currículos" porque ele "não tinha deficiência" e era o melhor entre os pré-requisitos estabelecidos. "No nosso governo, os nossos ministros são uma corrente que tem que puxar o Brasil para frente."

Ele também afirmou que espera, assim como a sociedade, que o ministério consiga que os jovens sejam melhores do que seus pais e avós. "Sei que não lhe faltará empenho, dedicação, patriotismo e entrega para atingir objetivos", afirmou ao ministro da Educação.

Tags: Educação Governo Bolsonaro
A+ A-