Setor salineiro comemora decisão do presidente Lula

Vice-presidente do Sindicato da Indústria de Extração do Sal (Siersal), Airton Torres, acredita que o pleito agora está resolvido.

Marília Rocha ,
O setor salineiro do Rio Grande do Norte está comemorando as declarações feitas ontem (20) pelo presidente Lula, em visita ao Estado, em defesa da produção potiguar. Agora, o Sindicato da Indústria de Extração do Sal (Siersal) acredita que o setor pode trabalhar sem pensar na concorrência, já que Lula assegurou a renovação do prazo de suspensão por tempo indeterminado da exploração da mina de sal-gema localizada no Espírito Santo.

“O atendimento ao pleito de suspender por prazo indeterminado a exploração de sal no Espírito Santo vai impulsionar a produção do Rio Grande do Norte, que ficaria inviabilizada pela concorrência”, descata o vice-presidente do Siersal, Airton Torres.

Ele lembra que o pleito já estava sendo discutido com o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Segundo de Paula e com a governadora Wilma de Faria, que aproveitou a visita de Lula para cobrar uma posição do Governo Federal.

Airton comemora a decisão de Lula e diz que o setor agora está animado. “Ficamos muito entusiasmados com as declarações do presidente nas emissoras de rádio, ditas graças à atuação da governadora em defesa do Rio Grande do Norte”, confirma.

O segundo pleito solicitado pelo Siersal foi o pedido de coibição da prática desleal de comercio praticada pelas empresas chilenas. “Encaminhado ao presidente Lula para que ele interceda junto ao Ministério da Justiça e ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio na tentativa de coibir o comércio desleal das empresas chilenas, reduzindo de forma assistencial e substituindo o frete marítimo”, conta.

A concorrência desleal citada por Airton Torres diz respeito ao fato de que a empresa exportadora atua também no setor marítimo, trazendo sal para o Brasil com preço bem abaixo do mercado, dificultando a concorrência com o sal potiguar.

O ofício foi encaminhado ao Conselho de Administração de Defesa Econômica (CADE) pelo Siersal com apoio da Federação das Indústrias do RN (Fiern).

Sal no RN
A produção de sal no Rio Grande do Norte é explorada na região oeste e corresponde a 97% da produção nacional, o equivalente a quase 6 milhões de toneladas de sal marinho.

A indústria salineira emprega no Estado mais de 50 mil postos de trabalho, sendo 10 mil diretos e 40 indiretos. O setor passa por um processo de desenvolvimento com a ampliação do Porto Ilha de Areia Branca, beneficiando os produtores do Estado.
A+ A-