Mourão inicia agenda em Natal em encontro com empresários alemães e brasileiros

Reunião econômica também conta com a presença da governadora Fátima Bezerra.

Da redação,
Elisa Elsie/Governo do RN
Encontro econômico entre empresários alemães e brasileiros conta com presença do presidente em exercício, Hamilton Mourão e da governadora.

O presidente em exercício, general Hamilton Mourão (PRTB) já iniciou a agenda em Natal na manhã desta segunda-feira (16) com reunião do Encontro Econômico Brasil-Alemanha (EEBA), que está acontecendo no Centro de Convenções de Natal.

O encontro também conta com a presença da governadora Fátima Bezerra (PT), do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, além ao anfitrião, presidente da Fiern, Amaro Sales, entre outras autoridades.

Antes do encontro com empresários, Hamilton Mourão e Fátima Bezerra se reuniram na Escola de Governo, por volta das 7h30.

O evento vai reunir mais de mil empresários brasileiros e alemães para discutir parcerias na relação comercial entre os dois países. O 37° Encontro Empresarial Brasil-Alemanha (EEBA) vai até o dia 17, e é organizado pela CNI e Federação das Indústrias Alemãs (BDI), com apoio da Fiern.

A Alemanha é o quarto maior parceiro comercial do Brasil, atrás da China, dos Estados Unidos e da Argentina. A participação da potência europeia na corrente de comércio do Brasil em 2018 foi de 3,75%. Mais de 54% dos produtos brasileiros exportados para a Alemanha são industrializados, incluindo máquinas mecânicas, automóveis, máquinas elétricas e produtos farmacêuticos. Em relação às importações, 99% das mercadorias que o Brasil compra do país europeu são bens industriais.

Pesquisa da CNI com empresários brasileiros que investem e exportam para a Alemanha mostrou os principais temas que precisam avançar na agenda dos dois países. O levantamento foi entregue ao governo brasileiro para subsidiar a reunião da Comissão Mista de Cooperação Econômica Brasil-Alemanha, que ocorrerá no dia 17 de setembro. 

"Na consulta ficou clara a necessidade de se internalizar rapidamente o acordo comercial Mercosul-União Europeia, que ampliará as oportunidades de acesso a mercados para os dois países, além de melhorar o ambiente de negócios para promover o comércio de bens e serviços e os investimentos bilaterais. O setor produtivo do Brasil entende que o apoio da Alemanha foi essencial para a conclusão do acordo, anunciada em 28 de julho, e avalia que esse mesmo apoio será importante para a aprovação do tratado pelo Parlamento Europeu, o que deve ocorrer ao longo dos próximos dois anos", diz a CNI.

Tags: Economia
A+ A-