Embraer perde quase R$ 3 bi após anúncio de acordo com a Boeing

Incertezas sobre o negócio com a Boeing pesaram sobre a ação da companhia brasileira.

Da redação, Estadão Conteúdo,

A decepção com o valor de mercado atribuído à Embraer  no acordo com a Boeing e incertezas sobre o negócio pesaram sobre a ação da companhia brasileira, que fecharam nesta quinta-feira (5), em queda livre de 14,29%, cotadas a R$ 23,10. Com isso, a empresa perdeu o equivalente a R$ 2,85 bilhões em valor de mercado em um dia.

Os investidores não sabem ao certo o que será feito com os recursos que a Embraer vai receber – a empresa sinalizou que pretende tanto pagar dividendos quanto investir, mas não deu mais detalhes –, nem o que será dos resultados financeiros após a concretização do negócio, considerando as dificuldades que vinham sendo enfrentadas nos segmentos que restaram para a companhia brasileira e o fato de possuírem margens menores.

O analista do Santander, Pedro Bruno, escreveu em breve comentário a clientes que a notícia já estava embutida no preço da ação, que por sinal registrou ganhos ao longo de toda a semana. "Apesar de enxergarmos a joint venture como assertiva para a Embraer, acreditamos que esse cenário já foi embutido no preço da ação em larga extensão. Portanto, não somos compradores do papel neste momento", comentou Pedro Bruno.

O papel até mesmo acentuou as perdas durante a teleconferência com analistas e investidores, por causa da falta de detalhes sobre o acordo. Um gestor disse que a companhia não mencionou valores, por exemplo, ao tentar endereçar as dúvidas do mercado.

Pelo acordo, o valor atribuído ao novo negócio de aviação comercial é de US$ 4,75 bilhões, cifra próxima do atual valor de mercado de toda a Embraer, notaram profissionais do mercado consultados.

Como na joint venture anunciada nesta manhã a Embraer terá 20% e a Boeing, 80%, esta irá pagar à fabricante brasileira US$ 3,8 bilhões. Há uma dúvida no mercado neste momento sobre o destino desses recursos. Mais cedo, profissionais comentavam ainda uma incerteza a respeito do impacto fiscal sobre o montante que a companhia receberá.

O presidente executivo Financeiro e de Relações com Investidores da Embraer, Nelson Salgado, disse em teleconferência que espera um imposto de cerca de 20% sobre ganho de capital. "Esperamos empregar o restante do dinheiro com pagamento de dividendos especiais a acionistas e um potencial programa de buy-back; desalavancagem da Embraer; investimentos com maiores retornos e novos tecnologias e melhorias nos produtos das áreas de Aviação Executiva e Defesa", disse.

O executivo não respondeu perguntas na teleconferência, sobre qual é o tamanho da dívida referente à aviação comercial que migrará para a futura joint venture.

Pregão

A Bolsa terminou o dia em leve queda de 0,25%, aos 74.553,06 pontos. Apesar da forte queda da Embraer, o índice Ibovespa pegou carona no bom dia de algumas blue chips (ações mais negociadas). 

O mesmo movimento aconteceu com os papéis da Petrobras. A estatal, no entanto, é penalizada pela desvalorização do petróleo nos mercados futuros de Londres e de Nova York.

No mercado de câmbio, o dólar fechou em alta de 0,44%, comercializado a R$ 3,93. Segundo o operador da corretora Fair Hideaki Iha, a virada reflete fluxo financeiro negativo neste momento.  "Está tendo uma saída forte de investidor estrangeiro do País", afirma Jefferson Rugik, diretor da Correparti.

Pesa ainda, tanto no dólar quanto na Bolsa, a agenda forte de amanhã com dados de emprego nos Estados Unidos e inflação no Brasil.

Tags: Boeing Bolsa de Valores Embraer
A+ A-