Dólar volta a bater em R$ 4 com cenário negativo no Brasil e guerra comercial

Resultado fraco do IBC-BR, a prévia do PIB, no primeiro trimestre preocupa o mercado.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O dólar no mercado à vista registrou nova máxima de R$ 4,0218 (+1,14%) na manhã desta quarta-feira (15), indicando cautela com o cenário negativo no Brasil e no exterior. O dólar futuro para junho registrou máxima aos R$ 4,0280 (+1,12%).

"Hoje há tensão trazida pela guerra comercial entre Estados Unidos e China e desaceleração de indicadores chineses e muita incerteza interna diante da fraca articulação política do governo no Congresso, demora da reforma da Previdência e indicadores de atividade ruins, como o IBC-Br de março, mostrando que o País está perdendo capacidade de produção", avalia o operador José Carlos Amado, da Necton Investimentosl.

Às 10h30, o dólar à vista subia 1,01%, sendo cotado a R$ 4,0168.

Em Nova York, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse nesta manhã que "sabemos o tamanho da crise fiscal e social e não vamos fugir da nossa responsabilidade".  

Investidores devem monitorar durante o dia a temperatura dos protestos em todo o País com adesão de pais, estudantes e professores contra os cortes de 30% nos orçamentos das universidades federais e educação básica. O fraco IBC-Br também reforça o pessimismo do mercado com o PIB do primeiro trimestre, que será divulgado dia 30 de maio, mas fica em segundo plano.

Tags: Bolsa de Valores Dólar Economia
A+ A-