Com surto de coronavírus na Itália, Bolsas na Europa têm queda generalizada

Desdobramentos de epidemia na Itália e na Ásia afetam os mercados; bolsas de Milão e Seul têm quedas de cerca de 4%.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Andreas Solaro/AFP
Na Europa, a Itália se tornou o foco dos temores do coronavírus após um surto da doença no norte do país.

As bolsas europeias operam em forte baixa na manhã desta segunda-feira (24), com perdas que chegam a ultrapassar 4%, em reação aos desdobramentos da epidemia de coronavírus, que teve origem na China, mas começa a se espalhar por outros países. Já as bolsas asiáticas também tiveram quedas fortes.

Na Europa, a Itália se tornou o foco dos temores após um surto da doença no norte do país. O governo italiano já relatou ao menos 219 casos e cinco mortes. Além disso, Roma colocou várias cidades da região sob quarentena e determinou o fechamento de escolas, museus e cinemas. Também fora da China, houve um avanço alarmante no número de casos de coronavírus na Coreia do Sul e no Irã.

Às 9h10 (de Brasília), a Bolsa de Milão tinha o pior desempenho, com um tombo de 4,53%, enquanto a de Londres caía 2,96%, a de Frankfurt recuava 3,41% e a de Paris cedia 3,32%. Já as de Madri e Lisboa tinham perdas de 3,20% e 3,10%, respectivamente.

No câmbio, o euro se enfraquecia a US$ 1,0820, de US$ 1,0852 no fim da tarde de sexta-feira (21), e a libra seguia a mesma direção, cotada a US$ 1,2893, ante US$ 1,2963 na sexta.

Por setor, as companhias aéreas lideravam as perdas na Europa. A EasyJet, por exemplo, tinha queda de 13,7% em Londres, e a Air France-KLM recuava 10,2% em Paris.

Bolsas da Ásia

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta segunda-feira, em meio a crescentes temores com a disseminação do coronavírus, que teve origem na China, mas começa a se espalhar com mais força por outros países, como Coreia do Sul, Itália e Irã. A situação do coronavírus é particularmente preocupante na Coreia do Sul, que hoje divulgou mais um salto no número de casos da doença, de 231, que eleva o total acumulado para 833. Já o número de mortos por coronavírus na Coreia chega a sete. Com o avanço da epidemia, o governo sul-coreano elevou seu alerta para o coronavírus ao maior nível possível.

Na China, foram relatados mais 409 novos casos e 150 mortes. Com a atualização, o total de casos confirmados no país desde o início do surto atingiu 77.150, com 2.592 mortes. O índice acionário Kospi liderou as perdas na Ásia hoje, encerrando o pregão com queda de 3,87% em Seul, a 2.079,04 pontos.

Em outras partes da Ásia, o chinês Xangai Composto recuou 0,28%, a 3.031,23 pontos, o Hang Seng caiu 1,79% em Hong Kong, a 26.820,88 pontos, e o Taiex cedeu 1,30% em Taiwan, a 11.534,87 pontos. No Japão, um feriado local manteve a Bolsa de Tóquio fechada. Exceção, o Shenzhen Composto - que é composto por empresa chinesas de menor valor de mercado - avançou 1,36%, a 1.933,36 pontos.

Como já havia sinalizado na semana passada, a China decidiu hoje adiar a reunião de cúpula anual do Congresso Nacional do Povo, que estava prevista para começar dia 5 de março. Na Oceania, a bolsa australiana registrou hoje sua maior perda do ano em um único pregão. O S&P/ASX 200 caiu 2,25% em Sydney, a 6.978,30 pontos, eliminando num único dia os ganhos acumulados em quase três semanas.

Tags: Coronavírus Economia Itália
A+ A-