Bolsa tem a maior queda diária desde a greve dos caminhoneiros

Já o dólar teve a maior alta dos últimos 11 pregões e subiu 1,11%, para R$ 3,70.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Germano Lüders
Bolsa de Valores brasileira transitava em terreno negativo desde a abertura dos negócios e terminou o dia terminou o dia aos 94.635,57 pontos.

A notícia de que a Vale teve suspensa sua autorização para operar a barragem de Laranjeiras (MG) ampliou significativamente o sinal de baixa do índice Bovespa nesta quarta-feira (6), com sua maior queda porcentual desde 28 de maio do ano passado, época da greve dos caminhoneiros.

A bolsa brasileira transitava em terreno negativo desde a abertura dos negócios e a abrupta aceleração da queda das ações da Vale à tarde acabou contagiando outros papéis. Com isso, o Ibovespa terminou o dia aos 94.635,57 pontos, em queda de 3,74%, na mínima do dia. Os negócios somaram R$ 17 bilhões.

A reação imediata do mercado com a notícia sobre a suspensão de Laranjeiras acionou o "stop loss" em diversas mesas de negociação.

Ao final dos negócios, as ações ordinárias da Vale, que chegaram a ter os negócios suspensos no pregão, fecharam em queda de 4,88%, na mínima do dia. A ação da mineradora contaminou os papéis do setor siderúrgico, que teve perdas expressivas. CSN ON caiu 5,77% e Gerdau Metalúrgica cedeu 4,94%.

Já o dólar teve a maior alta dos últimos 11 pregões e subiu 1,11%, para R$ 3,70. O real registrou um dos piores desempenhos no mundo ante a moeda americana nesta quarta-feira, que se fortaleceu ante divisas de países desenvolvidos e emergentes em meio a temores de nova paralisação no governo dos Estados Unidos e de desaceleração da economia mundial, após queda inesperada nas encomendas à indústria da Alemanha.

A moeda brasileira só perdeu menos valor ante o dólar que a moeda da Austrália e o rand da África do Sul. Por aqui, preocupações com a tramitação da reforma da Previdência no Congresso fizeram o investidor buscar proteção no dólar.

Desde cedo, o sinal do Ibovespa foi negativo. Assim como na terça-feira, 5, pesaram as dúvidas quanto ao teor e ao prazo de tramitação da reforma da Previdência, em meio às muitas declarações divergentes e à aparente falta de alinhamento de discurso entre integrantes do governo.

Depois de uma tumultuada reunião de líderes na Câmara, o líder do PP na Casa, Arthur Lira (AL), afirmou que, sem alinhamento do governo na Casa, não há clima para se votar qualquer Proposta de Emenda Constitucional (PEC), incluindo a reforma da Previdência.

"Vimos que, apesar de a Bolsa ter subido bastante nos últimos dias, a queda era mais que uma realização de lucros. A percepção é que fica mais complicada a tramitação a partir do zero, com a matéria passando por novo trâmite. Há quem acredite em aprovação da reforma no primeiro semestre, mas creio que essa é uma avaliação bastante otimista, dadas as idas e vindas que devem ocorrer", disse Eduardo Guimarães, especialista em ações da Levante Ideias de Investimento.

"Dúvidas sobre a tramitação da Previdência começaram a entrar no radar do mercado", disse o operador da CM Capital Markets, Thiago Silencio. Para ele, as mesas de câmbio aproveitaram estas dúvidas sobre o andamento da reforma para fazerem um movimento de correção, após o dólar ter caído mais de 5% em janeiro. Ele ressalta que outro fator de inquietação é que toda essa discussão sobre a Previdência ocorre com Jair Bolsonaro internado no hospital e com a previsão de alta adiada.

Muito da força do real neste começo de ano veio da percepção de que as reformas, especialmente a da Previdência, vão avançar, destacam os estrategistas do banco canadense Scotiabank. "Permanecemos cautelosos com a agenda de reformas", afirma, ressaltando que o real pode se desvalorizar ante o dólar pela frente.

O cenário internacional também foi influência negativa ao longo do dia. As bolsas de Nova York oscilaram em baixa ao longo de todo o pregão, interrompendo uma sequência de cinco altas consecutivas, com as atenções focadas no discurso que o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, fará na noite desta quarta-feira.

Tags: Bolsa de Valores dólar Ibovespa mineradora Vale reforma da Previdência
A+ A-