“O fim da greve está nas mãos da Prefeitura”, argumenta diretor do Sindsaúde

Agentes de saúde realizam nova reunião, às 11h, para tentar negociar fim da greve que já completou 42 dias.

Redação,
Vlademir Alexandre
Greve dos agentes de saúde se arrasta há 42 dias
Os agentes municipais de saúde e endemias de Natal vão realizar na manhã desta segunda-feira (19) mais uma manifestação, que eles esperam ser a última, da greve que já se arrasta há 42 dias.

Eles saem da sede do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Rio Grande do Norte (Sindsaúde), na avenida Rio Branco, às 9h em direção à Delegacia Regional do Trabalho, no bairro da Ribeira, onde ocorre mais uma rodada de negociação, às 11h, a respeito do retorno do abono de R$ 50 retirado do salário da categoria em setembro.

“Esperamos resolver o problema nessa reunião, isso se a Prefeitura ou a Secretaria enviar alguém que tenha poder de resolver ou decidir alguma coisa, uma vez que nas reuniões anteriores, ninguém tinha poder de resolver nada”, explicou o diretor do Sinsaúde, Moacir Ivanncy.

“O fim da greve dos agentes da Saúde está nas mãos da Prefeitura, nós já mostramos interesse de negociação, mas a Prefeitura não se manifesta com nenhuma proposta viável para a categoria. Discutir a questão dos R$ 50 só em janeiro, é inviável para os agentes de saúde”, acrescentou.

Na última reunião, ocorrida no dia 13 de novembro, os representantes da Prefeitura, orientados pelo intermediador da DRT, resolveram analisar por mais uma semana o caso e afirmaram trazer uma resposta nessa nova reunião.

De acordo com Moacir Ivanncy, a primeira negociação com intermédio da DRT ocorreu no dia 6 de novembro e foi orientado à SMS que o valor de R$ 50, que eles classificam como abono, deveria ser incorporado ao salário, passando assim o agente de saúde, que continua sendo a categoria com o menor salário na prefeitura de Natal, a receber R$ 508,00 a partir de janeiro tendo que ser negociado o pagamento do retroativo referente aos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro.

A SMS se recusou a fazer o acordo e na negociação do sai 13 de novembro ficou de avaliar mais uma vez a reivindicação. “A categoria espera que possa sair da DRT com o fim da greve decretado”, explicou o diretor do Sindsaúde.
A+ A-