Hemoderivados: produtos farmacêuticos para uso clínico

Os principais hemoderivados de grande uso são os fatores VIII e IX da coagulação.

Gabriela Duarte,
O que são hemoderivados?

Os hemoderivados são produtos farmacêuticos para uso clínico, produzidos por processos industriais físicos e químicos, que têm o plasma humano como matéria prima. Os principais hemoderivados de grande uso são os fatores VIII e IX da coagulação, que servem principalmente para os hemofílicos A e B, respectivamente. Além desses, as imunoglobulinas e a albumina, aplicadas em grande variedade de situações.



O plasma humano é uma matéria nobre, de elevado custo de obtenção, e os processos de logística de armazenamento, transporte e de obtenção, inativação de microorganismos e de purificação são também de elevadíssimo custo.

Os hemoderivados são usados no tratamento de pacientes portadores de diversas doenças graves como câncer, hemofilia, AIDS, doenças infecciosas, dentre outras.



O que é hemofilia?


A hemofilia é uma alteração genética e hereditária no sangue, caracterizada por um defeito na coagulação.

O sangue é feito por várias substâncias, onde cada uma tem uma função. Algumas delas são as proteínas, chamadas fatores da coagulação, que ajudam a estancar as hemorragias. Esses fatores são numerados, em algarismos romanos (I a XIII) e trabalham como uma equipe, onde cada um tem seu momento de ação, passando instruções ao seguinte.

A pessoa que tem hemofilia não possui um dos fatores em quantidade ou qualidade suficiente para exercer suas funções. Por isso, o sangue do hemofílico demora mais para formar um coágulo e, quando este se forma, não é capaz de fazer o sangue parar de escorrer pelo local da lesão.

Existem dois tipos de hemofilia: Hemofilia A, que é a mais comum e representa 80% dos casos. Ela ocorre pela deficiência do Fator VIII (FVIII); e a Hemofilia B - que ocorre pela deficiência do Fator IX (FIX). Há pessoas com deficiência de outros fatores, o que é mais raro.

Quais são os sintomas da hemofilia?

Os sintomas da hemofilia são os sangramentos, principalmente dentro das juntas e dos músculos. As pessoas com hemofilia grave têm hemorragias espontâneas, ou seja, repentinas e sem causa aparente. As simples atividades normais da vida diária, como caminhar e correr, podem produzir hemorragias.

As hemorragias espontâneas geralmente acontecem nas partes do corpo onde há muita atividade e esforço, principalmente nas juntas (articulações). Essas lesões são chamadas de “hemartroses”. Os joelhos e tornozelos são frequentemente atingidos por hemorragias porque suportam grande parte do peso do corpo. Outras juntas (articulações) podem também ser atingidas, como cotovelo, quadril e ombro.

Outros locais que podem apresentar sangramento espontâneo são a pele, os músculos e as mucosas (revestimento que cobre os orifícios naturais, como a boca). Manchas roxas na pele são chamadas equimoses. Se ocorrerem no tecido subcutâneo (camada de gordura abaixo da pele) e nos músculos, gerando coleções de sangue, são chamados hematomas.

Alguns hematomas são de alto risco, pois podem levar a problemas graves, como na língua, pescoço, antebraço, panturrilha e no músculo íleo-psoas. Já os sintomas dos sangramentos nos músculos e juntas são dor, inchaço e parada do movimento no local atingido (braço ou perna, por exemplo).

Os sangramentos, após extração dentária, são também importantes e devem ser prevenidos e acompanhados por profissionais experientes em hemofilia.

É importante lembrar que quando uma pessoa com hemofilia se machuca, não sangra mais rápido do que uma outra sem hemofilia, apenas fica sangrando durante um tempo maior e pode recomeçar a sangrar vários dias depois. Em geral, os cortes ou hematomas superficiais não causam maiores problemas.

Para obter mais informações acesse: www.saude.gov.br
A+ A-