Vicente Lenilson: "Sou muito triste com o RN"

O atletismo estréia dia 22 nos Jogos Pan-americanos.

Ana Paula Oliveira,
Divulgação
Velocista espera conquistar mais um ouro olímpico em Jogos Pan-americanos
Depois de recuperar-se de uma lesão (dores nas costas), problema que o fez não participar do Troféu Brasil de Atletismo, realizado no mês passado, em São Paulo, o velocista Vicente Lenilson conversa com o portal Nominuto.com sobre decepções, adversários, mundiais e medalhas.

Vicente Lenilson é natural de Currais Novos (na região do Seridó potiguar) e iniciou no esporte quase que por acaso, depois de perder um emprego e buscar uma forma de ganhar algum dinheiro. Tentou até o futebol, mas o seu negócio mesmo era a pista de atletismo.

Atualmente, ele mora em Presidente Prudente, no interior de São Paulo, onde treina com a equipe do revezamento 4x100, sob orientação do técnico Jayme Netto. Veja os principais trechos da entrevista exclusiva.
Divulgação
No Minuto – Há pouco mais de um mês você passou por uma lesão nas costas que lhe incomodou. Hoje, você está pronto para o Pan?
Vicente Lenilson – Estou pronto e recuperado para participar desta edição dos jogos pan-americanos. A lesão, juntamente com outras questões, me deixou de fora do Troféu Brasil de Atletismo. Mas estou 100% e treinando muito bem.

NM – Disputar um Pan no Brasil é diferente? Qual o sentimento?
VL – Ainda não sei te dar essa resposta, pois ainda estou em São Paulo. Só chego à vila olímpica, no Rio, dia 20. As competições de atletismo só se iniciam dia 22.

NM – Como está sendo a sua rotina de treinamento?
VL - Estou numa preparação específica visando o Pan, e, neste sábado (14/07) competirei em São Paulo disputando a prova dos 100m.

NM – Você já tem um ouro Pan-americano (conquistado em Santo Domingo, em 2003, na prova de revezamento 4 por 100), qual sua expectativa para disputa no Rio?
VL – A nossa equipe (Basílio Emídio, Sandro Viana, Rafael Ribeiro, José Carlos e Nilson) é muito forte. Acredito que teremos chances de medalhas.

NM – Quais deverão ser os seus principais adversários. Quem são aqueles a serem batidos?
VL – Acredito que os americanos, os atletas de Trinidad e Tobago e das Bahamas. Eles (atletas) possuem um tempo de 10 segundos. Este ano, eu tive a melhor marca do Brasil, um tempo de 10s14.

NM – Após o Pan, descanso ou trabalho?
VL – Trabalho. No próximo mês, eu disputarei (pelos 100m e revezamento) um campeonato mundial em Osaka, no Japão. Será o meu nono campeonato mundial. Orgulho-me de ser o único brasileiro que tem nove campeonatos mundiais. Contudo, sou muito triste com o meu Estado, pois, nunca fui reconhecido no Rio Grande do Norte. Nunca reneguei as minhas origens, sempre em matérias, destaquei a minha cidade natal.

NM – Que mensagem você deixaria para os brasileiros de uma forma geral e para os potiguares e curraisnovenses em particular?
VL- Eu nunca reneguei o meu Estado, sempre faço questão de mencioná-lo em matérias. Porém, sou muito triste com o Rio Grande do Norte por nunca ter sido reconhecido. A mensagem que eu deixo é que tenham confiança na seleção brasileira, pois não iremos decepcionar. E para o RN em específico, aguardem que o Vicente Lenilson está voltando em
setembro.
A+ A-