Promotor acusado de homicídio é mantido no cargo

Ele é acusado da morte de Diego Mendes Modanez no litoral paulista em 30 de dezembro de 2004.

Os procuradores do Órgão especial do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) decidiram nesta quarta-feira, por 16 votos a 15, que o promotor Thales Ferri Schoedel permanecerá no cargo. Há cinco meses, em outra decisão, o MP-SP já havia mantido o promotor na função, o que permite a ele foro especial.

O promotor é acusado da morte do jogador de basquete Diego Mendes Modanez, no condomínio fechado Riviera de São Lourenço, no litoral paulista. Na ocasião, Felipe Siqueira Cunha de Souza também foi ferido a tiros, mas sobreviveu. O homicídio aconteceu no dia 30 de dezembro de 2004 depois da realização de uma festa.

Com a decisão, o promotor mantém o salário de cerca de R$ 11 mil e, em princípio, não será submetido a júri popular em Bertioga, local do crime.

À época da morte, o promotor afirmou que as duas vítimas, mais um grupo de rapazes, teriam mexido com a sua namorada. Ele teria se sentido acuado e disparou contra eles. Sua defesa considera o ato como legítima defesa.

Decorridos 12 dias após o crime, o Ministério Público de São Paulo, por meio do procurador geral de Justiça Rodrigo César Rebello Pinho, ofereceu denúncia por homicídio qualificado por motivo fútil, mas a acusação foi desqualificada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo para homicídio simples.

Fonte: Terra
A+ A-