Investigação sobre óleo mira 23 navios suspeitos e 'embarcação fantasma'

Marinha e Polícia Federal cruzam informações para descobrir a origem do poluente.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Adema/Governo de Sergipe
Mais de 130 pontos do litoral do Nordeste foram atingidos pela mancha; o Rio Grande do Norte é o Estado mais atingido pelo poluente.

As investigações sobre a origem do petróleo que contamina todo o litoral do Nordeste se concentram, na fase atual, em 23 embarcações suspeitas. O trabalho é conduzido pela Marinha e Polícia Federal.

O cruzamento de informações, conforme apurou a reportagem, apontam que, na região investigada, havia embarcações de diversas origens. O trabalho se concentra em cruzar rotas mais usadas no transporte de petróleo e a direção que as toneladas de óleo tomaram até chegar às praias do Brasil.

O material identificado até agora em amostras tem a “assinatura” do petróleo da Venezuela, ou seja, a composição da borra é de origem venezuelana, conforme estudos da Petrobrás e da Marinha.

A hipótese de que o petróleo lançado no mar brasileiro seja fruto de um naufrágio está praticamente descartada pelo governo. Uma das linhas de investigações, segundo uma fonte que participa das apurações, considera, inclusive, o tráfego de “navios fantasmas”, embarcações criminosas de piratas que poderiam atuar no contrabando de petróleo.

O governo continua a tratar do tema com sigilo. Nesta quarta-feira (9), durante audiência na Câmara dos Deputados, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que, “ao que tudo indica, se trata de um navio estrangeiro”.

Questionado sobre o assunto, o ministro afirmou que a pasta tem atuado para conter os danos e recolher o material que chega às praias. Mais de 100 toneladas de borra de petróleo já foram recolhidas. O trabalho é de difícil execução porque o petróleo não avança sobre a lâmina d’água, mas no fundo do mar, até chegar ao litoral.

Tags: investigação litoral do Nordeste manchas de óleo
A+ A-