Corpo de Bombeiros continua buscas na Muzema

Até o momento já são 16 mortos e oito sobreviventes.

Da redação ,
As buscas por corpos e sobreviventes do desabamento de dois prédios no condomínio Figueiras do Itanhangá, na comunidade da Muzema, na zona oeste do Rio de Janeiro, entraram hoje (17) no sexto dia. O Corpo de Bombeiros trabalha com o número de oito pessoas ainda desaparecidas. Até o momento já são 16 mortos e oito sobreviventes. Os últimos corpos resgatados foram encontrados na manhã de ontem (16).

Na tarde de ontem (16), o comandante do Corpo de Bombeiros e secretário da Defesa Civil, coronel Roberto Robadey, esteve no local das buscas e disse que ainda há esperança de encontrar sobreviventes. “É comum termos espaços vitais, que as pessoas ficam às vezes desacordadas, mas conseguem sobreviver por alguns dias”.

Segundo ele, o trabalho é lento por ser manual, justamente pelo risco que o uso de máquinas pesadas traz para os possíveis sobreviventes. Estão sendo empregadas britadeiras, cortadeiras e cães farejadores, que indicam os locais onde possa haver pessoas.

“O nosso protocolo indica não colocar máquinas antes de sete dias, então nós vamos trabalhar manualmente dentro desse protocolo sempre na esperança de encontrar pessoas com vida. As máquinas podem quebrar uma célula dessa de sobrevivência, colapsar aquilo ali e aí tirar toda essa esperança. Pelo menos até sexta-feira (19), a gente pode estender isso aí se houver alguma recomendação das equipes. a gente faz reunião todo dia para decidir o que adotar”.

A equipe completa do Corpo de Bombeiros conta com 11 militares no local, com substituições a cada 12 horas.

Vítimas

De acordo com o último boletim da Secretaria Municipal de Saúde, uma mulher de 35 anos permanece internada no CTI do Hospital Municipal Lourenço Jorge, mas o estado dela evolui de grave para estável. No Hospital Municipal Miguel Couto, continuam internados uma mulher de 44 anos, no CTI com quadro estável, porém delicado, e um menino de 4 anos, também com quadro estável e delicado. Os outros quatro sobreviventes já tiveram alta.

Das vítimas fatais, já foram sepultados Cláudio José de Oliveira Rodrigues, no domingo (14), no Cemitério do Pechincha; Zenilda Bispo Amorim, Ruan Amorim Rodrigues e Maria de Abreu Athayde de Almeida, na segunda-feira (15), no Cemitério de São Francisco Xavier; e Antônia Deivilo Gomes, ontem (16), no Cemitério Jardim da Saudade de Sulacap.

Integrantes da mesma família, os corpos de Hilton Guilherme Sodré Souza, Maria de Nazaré da Sodré e Hilton Berto Rodrigues Souza permanecem no Instituto Médico Legal (IML), aguardando a vinda de um parente do Maranhão para fazer o reconhecimento e liberação. A Concessionária Rio Pax fará os serviços funerários e o translado dos corpos, incluindo a passagem de um parente, para o Maranhão.

Ainda estão no IML os corpos de Raimundo Nonato do Nascimento, Pedro Lucas Paes Leme Barroso, Ana Flávia Pereira, Fábio Augusto Pereira de Araújo, Lauana Vitória Barroso, Divina Patrícia de Andrade Ferreira e Ana Julia Martins Vicente. Há também o corpo de uma vítima menor de idade ainda não identificada.

Tags: Brasil
A+ A-