Contas de luz, água e telefone trarão avisos para combater a dengue

o número de casos da doença aumentou 45,13% em 2007.

Agência Brasil,
Na tentativa de estancar o avanço da dengue – o número de casos aumentou 45,13% neste ano –, o Ministério da Saúde prepara uma série de ações a serem implementadas antes do verão. E já fechou parceria para enviar dicas de combate ao mosquito transmissor da doença nas contas de água, luz e telefone, além de produtos de limpeza.

O secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Gerson Penna, informou que o objetivo da medida é reforçar a conscientização em torno das formas de contágio. “Esses avisos estarão presentes no dia-a-dia das pessoas, para lembrá-las de cuidados que vão prevenir a doença”, disse. E acrescentou que a medida não trará custos aos cofres públicos.

O governo pretende também regionalizar as campanhas de prevenção à dengue: “Dependendo do clima de cada região, as ações precisam ser tomadas em momentos distintos, antes do início das chuvas”. O secretário citou o Nordeste, onde as chuvas não começam no final do ano, como ocorre no Centro-Sul.

Outra iniciativa do ministério será a distribuição, em parceria com o Conselho Federal de Medicina, de 300 mil CDs a médicos de todo o país, com informações sobre como tratar os pacientes com dengue. “Se a doença não for diagnosticada e tratada precocemente, a dengue pode matar em caso de reincidência”, lembrou.

O Ministério da Saúde também divulgou um estudo sobre o grau de conhecimento da população sobre a doença. A pesquisa revelou que apesar da intensa veiculação de campanhas na mídia, a população não adota medidas individuais para eliminar os focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue.

O levantamento, feito com 2,1 mil pessoas em todo o país, mostrou que 88% dos entrevistados afirmaram tomar cuidados freqüentes para impedir o acúmulo de água parada. No entanto, 37% disseram acreditar que os vizinhos tomam poucas precauções contra a dengue e 55% responderam que a doença não pode ser contida sem a colaboração do vizinho. “As pessoas dizem que se previnem, mas que os vizinhos não fazem o mesmo”, explicou Penna.

Os dados servirão para a revisão da estratégia de publicidade contra a dengue e já estão sendo levados em conta nas ações anunciadas na terça-feira (4). “A intenção é aprimorar a comunicação com a sociedade, porque o combate à dengue exige uma mudança de postura e de cultura”, observou o secretário.
A+ A-