13 anos depois, um dos líderes do assalto milionário ao Banco Central é preso

Raimundo Laurindo Barbosa Neto foi detido em Boa Viagem, a 222 quilômetros de Fortaleza.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Arquivo/PCCE
Raimundo Laurindo Barbosa Neto foi julgado pela participação no crime e condenado a 17 anos de prisão em regime fechado.

Um dos líderes do assalto milionário ao Banco Central em Fortaleza, Raimundo Laurindo Barbosa Neto foi preso nesta terça-feira (18), em Boa Viagem, a 222 quilômetros de Fortaleza, 13 anos depois do crime. 

A prisão foi feita pela Polícia Civil, que investiga Raimundo Laurindo por integrar grupo criminoso especializado em roubo a instituições financeiras e a veículos de transportes de valores. Raimundo fez exames de corpo de delito e foi transferido para Fortaleza.

O assalto ao Banco Central aconteceu em agosto de 2005, quando uma quadrilha roubou R$ 164,7 milhões, através de um túnel de 80 metros. Raimundo foi julgado pela participação no crime e condenado a 17 anos de prisão em regime fechado.

A 11ª Vara da Justiça Federal no Ceará expediu, além da condenação de Raimundo, sentença para Antônio Jussivan Alves dos Santos, o Alemão, de 49 anos e dois meses de reclusão, pagamento de multa de R$ 6,5 milhões e perdimento de todos os bens apreendidos.

Na mesma sentença, o juiz federal Danilo Fontenelle Sampaio condenou a uma pena idêntica o réu Marcos Rogério Machado de Morais, mas julgou improcedente a denúncia em relação a Josiel Lopes Cordeiro e Tadeu de Souza Matos.

Outros 15 réus já foram sentenciados pelo maior furto já praticado no Brasil. Os supostos 36 integrantes do núcleo original da quadrilha subtraíram R$ 164.755.150,00 em notas de R$ 50. Foram recuperados em dinheiro, bens móveis e imóveis, cerca de R$ 45 milhões, mais os bens de Alemão, que ainda não foram avaliados.

Seis suspeitos continuam foragidos, e quatro ainda não foram identificados. O assalto ao Banco Central acumula 15 ações penais, somando mais de 150 volumes.

Tags: Brasil
A+ A-