Ali, muito mais do que um legado esportivo

Artur Dantas,

A morte ao 74 anos do que é considerado por alguns o maior boxeador entre todas as categorias do pugilismo não chegou a ser uma surpresa para o mundo. Muhammad Ali “The Greatest" não resistiu às complicações do Mal de Parkinson que o acometia desde 1984. Foram exatos 32 anos de uma luta inglória contra o adversário mais implacável que já passou pela vida do controversa e polêmica de um dos lutadores mais brilhantes de que se tem registro na história do nobre arte. A morte de Muhammad Ali coloca fim ao sofrimento do homem que chocou o mundo por seus feitos desportivos, mas também soube causar muito barulho fora dos ringues. 

Não foram as vitórias marcantes sobre George Foreman, Joe Frazier ou Sonny Liston que fizeram de Ali ser o que era; não foi a forma como ele vencia seus oponentes, como brincava com eles no ringue, como fazia homens fortes caírem em um piscar de olhos com os golpes na velocidade da luz, como se gabava em propagar. 


Muhammad Ali, como muitos sabem, nem sempre foi este que morreu. Ainda criança, Cassius Marcellus Clay Jr, garoto sem muitas perspectivas para um norte-americano negro e pobre de Louisville, no Kentucky, que vivenciou a realidade muito presente da segregação racial que subjulgava homens, mulheres e crianças, começou a praticar boxe aos 12 anos após ter sua bicicleta, que fora dada pelo seu pai, roubada. Ao relatar o caso para um policial, Clay externou a vontade de bater no ladrão quando o encontrasse. O oficial, que também era treinador de boxe, disse que ele precisava aprender a boxear e assumiu os treinamentos do menino que venceu a primeira luta no boxe seis meses depois. 

A carreira de privações começou a despertar o lado mais social de Ali aos 18 anos, quando conquistou a medalha de ouro dos meio-pesados nas Olimpíadas de Roma, em 1960. Recebido com festa na cidade natal, Cassius sentiu pela primeira vez que nem toda fama ou sucesso que fizesse no esporte poderiam superar o racismo. O caso clássico retratado no documentário “Quando éramos reis” (When we were kings), produzido em 1996, mostra o depoimento indignado dele após ser barrado em um "restaurante de brancos”. 


Após a conquista, Clay disse que libertaria o seu povo e foi a um restaurante da cidade, sentou e pediu uma xícara de café com um cachorro quente, o que foi recusado pelo funcionário ao dizer que “não serviam negros” no estabelecimento. Ele brincou dizendo que não comia negros, queria apenas um cachorro-quente. O caso ligou o sinal de alerta do jovem que passou a ser uma espécie de porta-voz dos negros pelo mundo, que ficaria marcado mais forte na década de 70 com o “Rumble In The Jungle”. 


Ainda na década de 60, Clay ostentava muita fama decorrente de sucesso nos ringues. Invicto na carreira, o boxeador teve diante de Sonny Liston, em 1964, o maior desafio da carreira. Aos 22 anos, Liston foi à lona no sétimo de 15 rounds previstos por nocaute técnico. A vitória deu a Cassius os títulos da Confederação Mundial de Boxe e do Conselho Mundial de Boxe. Foi a última luta de Clay com o nome de batismo. Após o combate, ele anunciou a conversão ao islamismo, por intermédio pelo líder Elijah Muhammad, e adotou o nome que ficou conhecido até a morte, Muhammad Ali.

Parte da mudança é explicada pela forma com Ali se sentia em relação ao tratamento que recebeu do próprio povo e da igreja católica. Ele não se sentia representado mais pela religião que adotou quando criança. A mudança de nome veio porque não queria mais usar nome de escravo. Ali se uniu ainda a Malcolm X, líder negro dos Estados Unidos, na luta pela igualdade racial. 

Mas foi em 1967 que Ali teve o maior desafio da carreira longe dos ringues. Convocado para combater no Vietnã, ele se negou, após ter três recursos negados, e recebeu como pena por violação das leis de serviço de seleção a reclusão por cinco anos, o pagamento de multa de US$ 10 mil, além da perda do título dos pesados e ter a licença de lutar revogada. Ele respondeu em liberdade. A recusa em participar da guerra foi explicada pelo entendimento religioso atual e por não concordar com o envolvimento norte-americano no assunto. 

Na época disse o porquê não combateria na guerra. “Não tenho nenhuma desavença com os vietcongues. A minha consciência não me deixa atirar no meu irmão, ou em algumas pessoas mais escuras, ou alguns pobres famintos jogados na lama por causa dos poderosos na América. Matá-los para quê? Eles nunca me chamaram de negro, eles nunca me lincharam, não colocaram cães em cima de mim, não roubaram minha nacionalidade, estupraram minha mãe ou mataram meu pai. Como posso matar essas pessoas pobres? Apenas me coloque na cadeia”.

Apenas em 1970, Ali voltou a lutar novamente após a Suprema Corte dos Estados Unidos ter decidido em seu favor na instância judicial estadual para poder conseguir novamente a licença para lutar. Apesar do tempo afastado, a vitória estava selada. Muhammad conseguiu chamar atenção para as causas da guerra e do racismo no período que esteve afastado, e que chegou a flertar com a aposentadoria. 

Renascimento

Após o período longe dos ringues, Ali voltou a competir e conheceu a primeira derrota da carreira como profissional na terceira luta depois da suspensão. O adversário era Joe Frazier, contra quem Ali construiu uma das mais latentes rivalidades do esporte. No que foi considerada a “A Luta do Século”, em 1971, Frazier e Ali duelaram durante 15 rounds, em Nova Iorque, no Madison Square Garden. O resultado: Ali perdeu os dois títulos que ostentava da WBA e WBC.


Quatro meses depois, voltou a ser dono de um cinturão. Derrotou Jimmy Ellis e ficou com o título vago dos pesados da NABF. Ali permaneceu invicto por nove lutas até encontrar Ken Norton, que o venceu por decisão dividida após 12 rounds. Na luta seguinte, também em 1973, ele venceu o mesmo adversário também por decisão dividida dos juízes e recuperou o cinturão da NABF. 

Mas o melhor ainda estava por vir. Três anos após ser derrotado por Frazier, ambos voltaram a se encontrar em Nova Iorque. Aos 32 anos, Ali venceu por decisão unânime depois de 12 rounds, empatando a contagem de vitórias para cada lado. O desdobramento viria viria em 1975, mas antes disso uma outra grande luta estava sendo arquitetada...

África, um capítulo à parte 

A luta por igualdade racial promovida por Ali chamou a atenção do mundo de novo. Dessa vez, longe dos Estados Unidos. Em 1974, a cidade de Kinshasa, no Zaire, atual Congo, recebeu uma das lutas mais aguardadas no boxe. George Foreman, que vinha de uma sequência de 24 nocautes, incluindo os que davastaram Ken Norton e Joe Frazier, e era o dono dos cinturões que já haviam pertencido a Ali, se enfrentariam em um megaevento, promovido por Don King, que envolveu mais do que esporte. Estrelas da música como James Brown, BB King, The Spinners e artistas locais promoveram shows durante três dias. Pela luta, cada um dos lutadores recebeu US$ 5 milhões.

“Quando éramos reis” retrata de forma detalhada como se deu o combate entre os dois e como se processou a rivalidade criada por Ali para tentar desestabilizar o oponente. No embarque dos Estados Unidos para o Zaire, Muhammad apareceu cercado de jornalistas dizendo que aposentaria o campeão dos pesados. E mais, fez uma comparação com um fato político norte-americano, deixando ainda mais clara a sua veia de misturar política com esporte. “Se você ficou surpreso quando Nixon (Richard Nixon, ex-presidente americano que renunciou após o escândalo Watergate, retratado no filme “Todos os Homens do Presidente”) espera até eu chutar o traseiro de Foreman. O mundo ficará atordoado no dia 25 de setembro”.

Na África, o carismático e articulado Ali suou mais uma vez a questão social para trazer a torcida para o seu lado, e incentivou os africanos a usarem a expressão “Ali, bumaye”, que significa “Ali, mate-o”. Muhammad tratou o evento como “a primeira assembleia sobre negros americanos e africanos na história”.

Ao desembarcar no Zaire, Foreman foi recebido com menos empolgação que o adversário. Muito disso explicado por descer do avião com o seu cachorro, um pastor alemão, animaal usados pelos belgas para reprimir os nativos que se insurgiam na época do Congo Belga, território dominado pelos europeus de 1908 até 1960. 

Constrangimentos à parte, Ali continuou usando os microfones para tentar quebrar mentalmente Foreman. “Ele é o touro, eu sou o matador”, “Eu lutei com um jacaré. Briguei com uma baleia. Algemei o trovão e joguei ele na cadeia. Matei uma pedra, hospitalizei um tijolo” e “Ontem a noite eu acertei o interruptor e estava na cama antes do quarto ficar escuro” eram algumas das pérolas do lutador ao dizer que era mais rápido do que George e que Foreman se movimentava como uma múmia. 

Porém, o combate não ocorreu na data programada. Durante uma sessão de sparring, Foreman acabou sendo atingido por uma cotovelada não intencional e teve que, como falou na coletiva, reagendar o combate do dia 25 de setembro para 30 de outubro do mesmo ano. 

Na luta, o que se viu foi uma superioridade de Foreman, então com 25 anos, contra 32 de Ali. A potência dos golpes minaram a resistência e movimentação do ex-campeão que usou o trash talking em cima do ringue para quebrar mentalmente o adversário e o apoio da torcida de 100 mil pessoas que gritavam, a pedido de Ali, “Ali, bumaye”.

Em entrevistas que deu anos após o combate, Foreman disse: “Eu batia com toda a força que tinha, e ele me perguntava ‘vamos, George. É essa toda a sua força?”. No ringue, Ali continuava a falar entre um soco e outro. “Você não bate tão forte quanto eu pensava, George. Você não está fazendo pipocas. É o mais forte que você pode bater?”. E George respondeu em entrevistas que deu depois: “Era o mais forte que eu podia bater e ele não caia”.

A estratégia, por mais equivocada que pudesse parecer, deu certo. Ali nocauteou o cansado Foreman no oitavo round, dos 15 previstos, impondo a primeira derrota da carreira do compatriota, recuperando os cinturões da WBA e WBC.

Frazier parte III

Ali e Joe Frazier encerraram a triologia em janeiro de 1975. Com uma resultado posivito para cada lado, ambos se enfrentaram para a melhor de três. Por nocaute no  14º round, de 15 assaltos, “The Greatest” venceu novamente um dos maiores nomes doboxe mundial no evento realizado nas Filipinas, “Thrilla em Manila”.

Para tanto, Frazier decidiu não ficar como coadjuvante apenas e iniciou os ataques ao explicar como faria para impedir que Ali dançasse no ringue, como gostava de dizer. "“Depois que eu parar seus órgãos, quando esses rins e fígado pararem de funcionar, ele não vai poder se mover tão rápido. Os órgãos em seu corpo têm que estar funcionando. Se você machucá-los, ele não pode fazer o que ele quer fazer.”


E deu certo na maior parte da luta. Até o ponto de Ali dizer no descanso para o décimo round que os golpes desferidos por Frazier, com destaque para os ganchos de esquerda, “era o mais próximo que esteve da morte. Entretanto, Ali passou a trabalhar uma sequência de jabs que foram entrando no olho esquerdo de Joe e dificultaram a esquiva dos golpes de Ali. As combinações de cruzados e diretos se tornaram mais frequentes, forçando o staff de Frazier assinalar a desistência no intervalo do último round. Era o fim. Ali permanecia com os cinturões. 

Um líder político e étnico

Fatos como ocorreram no restaurante, quando foi impedido de comer por ser negro,  suspensão da licença para lutar por se recusar a combater no Vietnã e a luta no Zaire fizeram de Ali um megafone para a questão da segregação racial e para o militarismo norte-americano. Durante o período que esteve afastados dos ringues, Ali assumiu a postura de mártir do movimento negro, claramente inspirado por Martin Luther King. Em 1968, foi capa da revista “Esquire” retratado como São Sebastião crivado de flechas, uma alusão aos críticos no mundo do esporte e os que contestavam a posição religiosa assumida pelo lutador. 

RZxSqGg

O fato é que Muhammad Ali não brilhou apenas no ambiente esportivo, tendo sido considerado o maior atleta do século XX. Desde o início da carreira, com as mais de cem vitórias no cartel amador, ele se mostrava um atleta diferenciado. Inteligente, provocador, divertido e bonito, Ali levou o boxe a um outro nível. Sabia falar e tinha desenvoltura com a câmera, entendia a melhor forma de promover os combates em uma época sem tantas produções artificiais, e usou a prisão e o afastamento do boxe como um fato que, se não alavancou a carreira, deixou como legado que quem tem voz e conteúdo pode fazer a diferença em qualquer instância. 

Ali, que dizia não querer ser líder, assumiu um posicionamento - e pagou por ele - ao declarar frases como “tomei a decisão de ser um negro que não se deixa ser pisado por brancos”. Não era unanimidade nos Estados Unidos justamente por não ter filtro, mas construiu um caminho muito menos difícil para quem luta por igualdade de direitos e para quem entende que cor da pele não define caráter ou sucesso. Ali morre e deixa como principal mensagem o que gostava de fazer no auge da carreira: voar como uma borboleta, picar como uma abelha.



Em nova categoria, Barão é derrotado por Stephens no UFC FN 88

Artur Dantas,

Foto: UFC/Getty Images

O ar de Las Vegas não fez bem para os brasileiros escalados para edição Fight Night 88 do UFC. Na noite deste domingo (29) e madrugada da segunda-feira (30), Thominhas Almeida acabou nocauteado por Cody Garbrandt, enquanto no co-evento principal da noite Renan Barão, ex-campeão dos galos e que estreou nos penas no UFC, foi derrotado por Jeremy Stephens por decisão unânime. Além deles, Vitor Miranda perdeu para Chris Camozzi também na contagem de pontos dos árbitros, enquanto Alberto UDA, estreante no Ultimate, foi nocauteado por Jake Collier. 

Para Almeida a derrota foi ainda mais intragável porque ele estava invicto em 21 combates. Nesta madrugada, porém, com uma atuação apática que pouco lembrou as outras quatro apresentações  - e nocautes - que registrou desde que chegou ao Ultimate, Thominhas sucumbiu ao volume de jogo de Cody ainda no primeiro round após uma sequência de direto de direita e um cruzado com a mesma mão que levou o brasileiro à lona aos 2m52s. 

Com uma apresentação melhor, Renan Barão travou com Jeremy Stephens um confronto de três rounds bem disputados, um dos melhores da noite. Os atletas alternaram bons momentos na luta em pé, com vantagem para o americano especialmente no segundo round, quando baixou o ímpeto do potiguar depois de acertar um forte direto seguido de um uppercut certeiro no queixo. Durante 15 minutos, os dois trocaram golpes e encaixaram bons cruzados ou diretos, com algumas fintas no jab.

Com melhor movimentação e mais precisão no primeiro assalto, Barão impediu o avanço do atleta da casa com chutes nas pernas e boas combinações de jabs e cruzados, respondidas em menor intensidade pelo americano. No segundo e terceiro rounds, porém, Stephens foi mais efetivo e contundente, o que resultou em um ferimento no supercílio esquerdo de Renan ainda na segunda parcial.

Apesar da menor potência nos golpes e menor movimentação, Barão tentou com as quedas a vitória no terceiro round, mas a defesa de take downs de Lil’ Heaten reduziu as chances do potiguar de impor o jogo de solo. Apenas na metade da última parcial, Barão teve sucesso em levar a luta para o chão com segurança, tentou estabilizar mas Stephens fez bem a defesa e conseguiu voltar em pé. Por triplo 29-28, Jeremy ficou com a vitória. 

Ainda no card principal, Chris Camozzi dominou o ex-TUF Brasil Vitor Miranda durante três rounds, inclusive se sobressaindo na parte em pé, especialidade do brasileiro. No primeiro assalto, Miranda buscou pressionar o oponente, tentando confundir o adversário ao alternar chutes altos e na perna com socos. Restando menos de dois minutos, Vitor grampeou a perna de Camozzi e levou a luta para o chão, mas a tentativa de chave de pé no brasileiro dificultou alguma ação mais efetiva. 

No segundo round, a vantagem para Camozzi ficou mais clara. Com apenas um minuto e 30 segundos ele já estava por cima do brasileiro depois de acertar um chute que tirou a base da perna da frente. O americano ficou por cima batendo no ground and pound, incluindo cotoveladas, que abriram um corte no supercílio esquerdo. O assalto acabou com Chris na meia guarda batendo no brasileiro. 

Na última parcial, a melhor do brasileiro, a luta só foi iniciada após avaliação médica do corte do catarinense. Depois da liberação, ambos fizeram um combate parelho em cima, antes de Miranda ser colocado para baixo ao ser esquivado de um cruzado, cinturado e colocado para baixo. A luta voltou em pé após iniciativa do “Lex Luthor”. Ambos trocaram socos e chutes, mas o cansaço de ambos, com destaque para o do brasileiro, impediu que Miranda conectasse mais golpes para buscar abalar o oponente, vencedor por decisão unânime. 

No card preliminar, o estreante Alberto “UDA” Emiliano começou bem a luta contra Jake Collier. No início da luta, no clinch do muay thai, ele acertou uma joelhada que fraturou o nariz do adversário. Recuperado do susto, o americano resistiu às investidas do atleta de Santa Catarina, que mostrou recuperação no final do primeiro assalto. Na parcial seguinte, um chute rodado na barriga fez UDA desabar, forçando o árbitro central a interromper a luta em 1 minuto e 6 segundos. Assim como Thominhas, a derrota foi a primeira da carreira do lutador de 31 anos em 10 combates. 

UFC Fight Night 88

Data: 29/05/2015

Local: Mandalay Bay, Las Vegas, Nevada (EUA)

Card prinicipal

Cody Garbradt derrotou Thominhas Almeida por nocaute (socos) - Round 1, 2:53;

Jeremy Stephens derrotou Renan Barão por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28) - Round 3, 5:00;

Rick Story derrotou Tarec Saffiedine decisão unânime (29-28, 29-28, 30-27) - Round 3, 5:00;

Chris Camozzi derrotou Vitor Miranda decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27) - Round 3, 5:00;

Lorenz Larkin derrotou  Jorge Masvidal decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28) - Round 3, 5:00;

Paul Felder derrotou Josh Burkman decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28) - Round 3, 5:00;

Card preliminar

Sara McMann derrotou Jessica Eye decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27) - Round 3, 5:00;

Abel Trujillo derrotou Jordan Rinaldi decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28) - Round 3, 5:00;

Jake Collier derrotou Alberto Uda nocaute técnico (socos) - Round 2, 1:06;

Erik Koch derrotou Shane Campbell finalização (mata-leão) - Round 2, 3:02;

Bryan Caraway derrotou Aljamain Sterling decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28) - Round 3, 5:00;

Adam Milstead derrotou Chris De La Rocha nocaute técnico (socos)- Round 2, 4:01;



Assista pesagem do UFC FN 88 no Gladius; Barão luta contra Stephens em nova categoria

Artur Dantas,

Logo mais às 20h, o UFC transmite a pesagem da edição Fight Night 88: Almeida vs Garbrandt, que ocorre em Las Vegas neste domingo (29). O card principal terá o retorno do potiguar da Kimura Nova União Renan Barão que não luta desde julho de 2015 quando foi nocauteado pela segunda por TJ Dillashaw. 

Amanhã, Barão fará sua estreia internacional pelos penas, categoria que atuava no Brasil antes de seguir carreira internacional iniciada no WEC. O adversário é o perigoso Jeremy Stephens. 

Veja abaixo a pesagem.



Jornalista crava Mayyweather vs McGregor para 17 de setembro

Artur Dantas,

A tão falada luta de boxe entre Floyd Mayweather e Conor Mcgregor pode estar mais perto de acontecer. Nesta terça-feira (24), o jornalista Colin Cowherd afirmou no seu podcast que o confronto entre os dois ocorrerá no dia 17 de setembro, em Las vegas.

Na semana passada, Dana White, McGregor e Lorenzo Fertitta foram fotografados após um almoço, mas o conteúdo da conversa não foi revelado.

“Agora eu acredito que isso (a confirmação da luta) vai estourar aqui dentro de duas semanas. Eu já reservei dois quartos para 17 e 18 de setembro. Recebi uma ligação e então foi dito isso no final de semana passado”, disse.

De acordo com Cowherd, a luta seria transmitida pela CBS por um motivo simples. “ Mayweather não foi tão bem remunerado no último pay-per-view – 500 mil pessoas. Ele tentou conseguir de 2 a  três milhões. Então acho é a uma luta mais rentável para a CBS e Mayweather. A CBS tem trabalhado com Mayweather por anos. É por isso que suas lutas estão na Showtime, porque a CBS é proprietária da Showtime. Então Les Moonves [presidente e CEO da CBS] e o pessoal da CBS decidiram. Isso vai fazer muito dinheiro para as pessoas”, encerrou, dizendo que as negociações envolvem também UFC e FOX. 



"Adoraria chutar a bunda de GSP", diz Sonnen

Artur Dantas,

Foto: Getty Images

Sonnen ficou famoso no MMA mais por seus méritos em falar do que pelas suas conquistas em combates. Porém, suspenso até julho deste ano por falhar em testes antidoping em 2014, o “American Gangster” voltou a aprontar das suas. Em entrevista ao MMA Hour, ele voltou a falar e se colocou à disposição para enfrentar ninguém menos que Georges St.Pierre, ex-campeão meio-médio do UFC. 

“Eu adoraria chutar a bunda de Georges. Essa é uma história real. Eu recebi uma ligação do Kenny Florian e ele perguntou se eu queria me exercitar. Eu estava em Los Angeles e disse que sim. E ele me disse que Georges estava na cidade e perguntou se eu queria me exercitar com ele. Então, fomos para este ginásio. Eu acho que poderia ter feito melhor, mas fiquei em segundo lugar e isso me deixou maluco. Eu realmente acho que poderia ter feito melhor. Fiquei perto dos resultados dele, foi legal. Ele venceu mas eu poderia ter me saído melhor contra ele. Eu estou enlouquecido com isso desde então. Pensei ‘cara, eu poderia ter pego ele, eu poderia ter feito melhor'”, disse. 

E continuou: “Ele sabia que teve o melhor de mim. Então, no final do treino, ele tentou me elogiar e disse ‘obrigado por não usar o seu tamanho. Se você tivesse usado, teria me destruído’, que na verdade era ele tentando dizer ‘ei, cara, eu bati você’. E eu sei o que ele quis dizer e sei que ele tentou soar agradável. Todo mundo iria assistir isso (a luta com GSP). Eu não estou tentando fazer uma campanha publicitária para uma luta com ele. Só estou dizendo essa luta venderia muito. Esses caras (lutadores) do UFC estão fazendo um bom trabalho, mas eles não vendem. Estou sendo legal, esses caras são horríveis, é muito difícil. É algo como ‘o que vocês estão fazendo aqui?’. Vocês são terríveis”, encerrou.

No momento, GSP está afastado das artes marciais desde novembro de 2013, quando defendeu o cinturão até 77 quilos pela 10ª vez após vencer Johny Hendricks por decisão dividida. Existe uma conversa entre o canadense e o UFC para que o retorno do ex-campeão ocorra na edição 200, no próximo dia 9 de julho. 



BJ Penn é retirado do UFC 199 por violação de antidoping

Artur Dantas,

Foto: Josh Hedges/UFC

BJ Penn retornaria ao UFC após dois anos de pausa no próximo dia 4 de junho. Entretanto, o havaiano de 37 anos, que flerta com a aposentadoria desde 2011, está suspenso do combate da edição contra Cole Miller por potencial violação da polícia antidoping da Agência Norte-Americana, USADA.

O motivo é que o lutador, de acordo com o comunicado do Ultimate, declarou que usou soro intravenoso fora do período de competição, que excedeu os 50 ml permitidos em um recorte de até seis horas. 

Em entrevista ao site BJPenn.com, o lutador disse que desconhecia a proibição do soro e disse que vai trabalhar para elucidar o quanto antes o caso. O UFC ainda busca adversário para Miller.

“Informo a Usada voluntariamente que, durante um período fora de competição, precisei da administração de soro intravenoso por um médico. As regras para o uso de soro intravenoso mudaram desde a minha última luta pelo UFC, eu não sabia dessa mudança e voluntariamente informei a USADA. Eu não fazia ideia de que o soro intravenoso estava banido 365 dias por ano. Em nenhum momento da minha carreira nas artes marciais mistas eu fiz uso de doping e antecipo que todos os resultados dos testes feitos pela USADA voltarão limpos. Vou trabalhar com o UFC para esclarecer isso e voltar a lutar o quanto antes”, declarou. 

Penn, que foi campeão dos meio-médios e dos leves do UFC, não vem em grande fase. A última vitória dele no MMA ocorreu em 2010 quando nocauteou Matt Hughes. Depois disso, empatou com Jon Fitch, e acumula derrotas seguidas para Nick Diaz, Rory MacDonald e Frankie Edgar, esta última em julho de 2014, quando anunciou mais uma vez que estaria pendurando as luvas. 



Em vídeo, Fabrício Werdum diz que estava “avoado”

Artur Dantas,

Um vídeo divulgado pelo UFC mostra um pouco dos bastidores da conquista do cinturão dos pesado por Stipe Miocic e a consciência de Fabrício Werdum após a derrota. No caminho para o vestiário, ladeado pelo técnico Rafael Cordeiro, “Vai Cavalo” admitiu que estava “meio cheguinho” e “avoado” no começo do combate.

Cordeiro diz que Werdum começou “bem pra car****, mas tava muito agressivo”. Em outro corte, Werdum mostra lucidez e diz: “tomei no queixo mesmo. Apagou legal”, e é consolado pelo técnico. “Essa foi apenas uma luta. Você vai voltar mais forte”.

Já no vestiário, Werdum diz que vai reconquistar o cinturão ao ser apoiado pelo ex-UFC e lutador aposentado Renato Babalu Sobral, e por Cris Cyborg, que na mesma noite nocauteou Leslie Smith na estreia pelo UFC.





Brock Lesnar aparece no site oficial do UFC entre os pesados

Artur Dantas,

A novela envolvendo o retorno de Brock Lesnar ao UFC ganhou mais um novo capítulo> Neste sábado (21), o polêmico ex-campeão dos pesados do Ultimate, que atualmente é contratado do WWE, evento de telecatch americano, voltou a figurar entre os lutadores da organização. Lesnar, inclusive, aparece na mesma página atualizada onde Stipe Miocic é mencionado como atual campeão.

Lesnar fez a última luta pelo UFC em dezembro de 2011, quando foi nocauteado por Alistair Overeem, após ser também superado pela via rápida por Cain Velasquez em outubro de 2010. Brock fez carreira meteórica no UFC após fazer apenas uma luta no MMA. No Ultimate, Lesnar nocauteou Frank Mir, Heath Herring, Randy Couture e ter finalizado Shane Carwin. 

A conferir. 



UFC confirma Rockhold vs Bisping pelo título dos médios

Artur Dantas,

O presidente do UFC, Dana White, confirmou que o desafiante ao cinturão de Luke Rockhold será Michael Bisping. Por meio do Twitter, nesta quarta-feira (18), o mandatário apontou ainda o motivo para Ronaldo Jacaré, que nocauteou Vitor Belfort no UFC 198, estar fora: porque se submeterá a uma cirurgia no joelho (menisco).  A luta original seria a revanche entre Rockhold e Chris Weidman, que perdeu o cinturão para o compatriota em dezembro do ano passado, mas uma hérnia de disco afastou o homem que bateu Anderson Silva duas vezes.  A luta será no dia 4 de junho, no UFC 199, em Los Angeles.

Ontem, com o anúncio da saída de Weidman, Michal Bisping e o cubano Yoel Romero pediram o combate pelas redes sociais. O blog Por Dentro da Arena apurou na terça-feira (17) que Ronaldo Jacaré não estaria apto para o combate por ter apresentado um problema no joelho e, que, após a luta com Belfort, foi visto com dificuldades de andar no caminho para o vestiário. 



Miocic cala Arena da Baixada após nocautear Werdum; Jacaré supera Belfort por nocaute

Artur Dantas,
Divulgação
Diante de 45 mil torcedores, o lutador americano de raiz croata nocauteou o “Vai Cavalo” no primeiro round.

A festa estava pronta na Arena da Baixada para a primeira defesa de Fabrício Werdum, mas Stipe Miocic veio disposto acabar com a brincadeira. Diante de 45 mil torcedores, o lutador americano de raiz croata não só nocauteou o “Vai Cavalo” no primeiro round, como também tirou o cinturão dos pesados dos domínios do gaúcho. No co-evento principal do evento, Ronaldo Jacaré também nocauteou Vitor Belfort no combate que o credenciou a uma disputa de título dos médios, hoje nas mãos de Luke Rockhold. O UFC 198 foi realizado em Curitiba, Paraná neste sábado (14) e madrugada do domingo (15).

No terceiro combate do card principal, Cris Cyborg fez a estreia no UFC depois de uma novela envolvendo a negociação para firmar um contrato com a organização, e fez bonito. Diante de Leslie Smith, a curitibana brilhou e anotou o 13º nocaute em 16 lutas no MMA. 

Antes disso, Maurício Shogun Rua travou um duelo difícil contra Corey Anderson, conseguiu dois knock downs no final do primeiro e segundo rounds, mas foi dominado com quedas pelo norte-americano. Apesar disso, saiu com a vitória por decisão dividida após três assaltos.

Também na contagem dos árbitro ficou o combate entre Warlley Alves e Bryan Barberena. Só que dessa vez, a melhor ficou com o lutador de fora por decisão unânime. Foi a primeira derrota em 11 combates no MMA do mineiro vencedor dos médios do TUF Brasil 3.

Mas se os brasileiros oscilaram bons e maus resultados card de cima, no preliminar a história foi bem diferente. Os lutadores da casa reinaram nos seis combates envolvendo atletas de fora e apenas um confronto ocorreu entre compatriotas: Serginho Moraes vs Luan Chagas. A luta terminou empatada após o finalista do TUF Brasil 1 ter sofrido com o jogo do estreante no primeiro round. 

Brilharam no card de baixo Demian Maia, que anulou Matt Brown novamente com um jogo de chão sem reparos, Thiago Marreta e Rogério Minotouro, aplicando um nocaute sobre Nate Marquadt e Patrick Cummins, respectivamente, John Lineker e Francisco Massaranduba, vencendo por  pontos, e Renato Moicano superando  Zubaira Tukhugov por decisão dividida. 

Confira abaixo os relatos das lutas.

Werdum é parado por Miocic e perde cinturão dos pesados

Stipe Miocic tinha uma missão difícil na luta principal da noite. Diante de 45 mil torcedores, o croata-americano teria que parar Fabrício Werdum, que tomou o cinturão de Cain Velasquez no ano passado. E precisou de apenas 2m47s para isso. 

Trocando chutes com o Vai Cavalo desde o início da luta, Miocic achou nas mãos rápidas o caminho para superar o gaúcho. Com alguns jabs, Stipe mostrou que buscaria o jogo de boxe quando defendeu o single leg com pouco mais de dois minutos de luta. Na trocação, Werdum teve um bom momento quando conectou dois bons socos no adversário, mas decidiu partir pra cima para encurralar Miocic na grade. O americano recuou e acertou um direto no queixo de Fabrício, que já caiu apagado. 

Jacaré passeia e nocauteia Belfort no primeiro round

Ronaldo Jacaré não deu espaço para Vitor Belfort no co-evento principal do UFC 198. O combate que valia a chance de lutar pelo cinturão dos médios do Ultimate, hoje nas mãos de Luke Rockhold, revelou o próximo contender. A luta começou com Jacaré buscando abafar o compatriota até conseguiu encurtar a distância e levar o confronto para o chão. Belfort defendeu bem a primeira, mas na segunda oportunidade, Jacaré conseguiu estabilizar a posição em cima e desferiu uma cotovelada que resultou em um corte no nariz, com sangramento abundante que atrapalhou a visão do carioca. 

O árbitro Osiris Maia interrompeu o combate para avaliação médica e, após a intervenção, o combate voltou na mesma posição. Ronaldo continuou o massacre com diversos socos, montou no adversário e conectou mais alguns golpes até a interrupção do combate. 

Após a vitória, Jacaré comentou: “Tô muito feliz. Sabia que ia fazer um grande trabalho porque todas as vezes que Deus me dá uma dificuldade eu me supero, e dessa vez não foi diferente”.

Sobre a possibilidade de lutar contra Rockhold, caso ele defenda com êxito o cinturão contra Chris Weidman, Jacaré afirmou: “Eu mereço a oportunidade de lutar pelo cinturão. Não tô pedindo. Eu conquistei. Primeiro, eu vou acabar com o Luke quando eu pegar ele”, garantiu. 

Cris Cyborg atropela Leslie Smith no estreia no UFC

Muito se especulou sobre a contratação de Cyborg pelo UFC, mas na edição 198, contra Leslie Smith, a espera acabou. Em peso combinado até 63 quilos, fez um combate digno das últimas apresentações pelo extinto Strikeforce e mais recente no Invicta, evento que detinha o cinturão até 66 quilos. O combate foi um monólogo. Cyborg não deu chances a Smith. Trabalhou o boxe, combinado com chutes, para extirpar qualquer chance da adversária. Com dois cruzados seguidos, Cris desenhou o final da luta. Smith caiu e foi durante golpeada no chão até a intervenção do árbitro central em apenas 1m21s do assalto inicial. 

Em entrevista, Cyborg declarou: "Estou realizando um sonho, obrigado a todos que vieram aqui. Tem muitos aqui que vieram na minha primeira luta. Quero agradecer a Deus e a Leslie por fazer parte disso”.

Demian Maia frustra Brown e pede disputa de cinturão 

Demian Maia travou um monólogo contra Matt Brown na luta que fechou o card preliminar. Ao longo de três rounds, o lutador multicampeão no jiu-jitu não tomou conhecimento do oponente. No primeiro round, aos 40 segundos, Brown já havia sucumbido ao solo do brasileiro na segunda tentativa e ficou com o brasileiro mochilado até o final do round, ora buscando a finalização, ora golpeando o rosto do adversário. 

No round seguinte, a mesma situação. Maia derrubou Brown aos 30 segundos e ficou nas costas dele até o final. Na terceira parcial, já sentindo o desgaste, Maia telegrafou as quedas e permitiu que Matt defendesse as entradas. O brasileiro chegou a colocar a guarda em uma das tentativas e acabou sofrendo dois golpes limpos no rosto, mas se recuperou e acabou na mesma situação dos rounds anteriores. A diferença é que Brown, no final do round, não conseguiu esconder o pescoço e acabou sendo finalizado por mata-leão aos 4m31s. 

Após o combate, Demian, que chegou a 11ª finalização da carreira, declarou: “Estou preparado para lutar pelo título. Eu vou pedir uma coisa para o Brasil, Estados Unidos, Europa… todo mundo da comunidade do jiu-jtsu brasileiro, peça para eu lutar pelo título pelas redes sociais. Esse é o meu sonho. Essa foi a minha quinta vitória consecutiva nesse peso. Ganhei oito lutas nessa peso e preciso da ajuda de vocês”, falou.

Thiago Marreta nocauteia Nate Marquadt no primeiro round 

Thiago Marreta teve diante de Nate Marquadt tecnicamente o seu oponente mais difícil até aqui  no UFC. Mas, na prática, o norte-americano não foi páreo para o jogo de muay thai afiado do brasileiro. Com muitos chutes, alguns devidamente revidados, e trabalhando alguns socos. Um deles, um cruzado de esquerda, fez “The Great” cair e o carioca aproveitou para ficar por cima, mas por pouco tempo. Em pé, no clinch, Marquadt se livrou do brasileiro com uma cotovelada que ficou na guarda. 

Em seguida, Marteta acertou um bom chute de esquerda, seguido de diversos socos encerrados por um cruzado de esquerda, que fez o gringo despencar aos 3m39s. Foi a quarta vitória seguida de Thiago na categoria dos médios.

Thiago pediu ainda citou três nomes que poderiam ser os próximos adversários no UFC. “Tem nomes como Michael Bisping, Derek Brunson e o que derrotou o Rafael Natal, Robert Whittaker. Deixem de me ignorar. Estou chegando”. 

Massaranduba faz combate intenso e vence Yancy Medeiros 

Francisco Massaranduba Trinaldo e Yancy Medeiros fizeram a melhor luta do card preliminar.  Durante três rounds, brasileiro e havaiano revezaram bons momentos na luta em pé, com golpes entrando limpo de ambos os lados. No início do combate, Massara conseguiu a queda, mas não manteve muito tempo o oponente no chão e ficou atentos  às tentativas de queda do brasileiro. 

O brasiliense permaneceu mais ativo, buscando quedas e acertando bons chutes e socos do adversário. Na metade do assalto, a luta ganhou em produção após os dois desistirem do jogo mais agarrado em pé. No final da parcial, Massaranduba acertou muitos direitos e cruzados de esquerda, além de uma joelhada. 

No segundo round, a luta permaneceu movimentada, mas com Trinaldo mostrando sinais de desgaste por causa da dinâmica dos cinco minutos anteriores. “The Kid” aguentou bem os overhands na curta distância. Yancy aceitou o jogo de solo, defendeu um triângulo de Massaranduba e, ao levantar, sofreu um chute no rosto. O havaiano trabalhou muito bem também os chutes rodados, mas foi um cruzado de direita no final do round que fez Massaranduba cair e resistir até o sinal indicando o final de combate. 

Na última parcial, Yancy parecia mais inteiro, mas Massaranduba “caiu pra dentro”. Insistiu nos cruzados de esquerda e overhands de direita, que fez Medeiros sentir, cair e levantar. Após nova investida de Trinaldo, Yancy caiu novamente, ficando na posição norte-sul com vantagem para o brasileiro que ficou na posição dos 100 quilos desferindo socos no rosto. A luta voltou em pé e os dois protagonizaram uma verdadeira batalha, com troca de golpes de um lado e do outro, com nova queda para a conta de Massaranduba após Yancy cambalear em cima se apoiando na grade. Yancy raspou, ficou na meia guarda soltando socos curtos na costela quando restavam poucos segundos para o final, mas sem muito tempo para trabalhar. Resultado para o brasileiro por decisão unânime com contagem de 29-26, 30-27, 30-26.

Jonh Lineker derrota Rob Font com apresentação sólida

Na segunda luta desde que migrou dos moscas para os galos, Lineker mostrou que a diferença de altura e envergadura não são um problema tão grande quando se sabe como trabalhar o boxe. Contra Rob Font ele mostrou isso. 

Ao logo de três round, o paranaguaense alternou muito bem os golpes no rosto, linha de cintura e chutes para minar a movimentação do oponente. 

Mais agressivo no combate e com bom domínio do centro do octógono, “Mãos de Pedra” não conseguiu o esperado nocaute, mas minou durante 15 minutos as valências do norte-americano de 1,72m contra 1,57m do paranaense. 

Fintando os jabs e cruzados de esquerda com eficientes cruzados e diretos de direita, Lineker encurralou Rob ao longo de três rounds. 

Restando 1m41s para o final da primeira parcial, Lineker acertou um bom chute na perna da frente do adversário que o fez cair. No final do round, o brasileiro conseguiu ir para o chão, mas a luta voltou em pé com vantagem na trocação para o atleta da casa. 

O segundo round seguiu mais ou menos a mesma dinâmica, com as combinações de socos de Lineker e a variação entre o rosto e a linha de cintura, com um breve momento de vantagem no chão para Font. 

A vantagem para Lineker ficou clara mesmo no último round. Andando para trás após sentir as investidas, Font acabou se jogando no chão para impedir o ímpeto de John que ficou batendo por cima, mas permitiu que a luta voltasse em pé após um breve castigo em Font. Depois, Lineker conectou um direto, sentido por Rob, e a luta se desenrolou no chão mais uma vez, com Font se levantando novamente. Já nos instantes finais, o brasileiro colocou outro bom soco, Font caiu e se defendeu da guilhotina. Lineker ficou com a vitória por decisão unânime com 30-27, 29-28, 30-26.

Rogério Minotouro faz luta estratégica e nocauteia Cummins

Rogério Minotouro Nogueira entrou no octógono do UFC pressionado por duas derrotas seguida, para Anthony Johnson, por nocaute, e para Maurício Shogun, por decisão unânime. Diante do wrestler Patrick Cummins, no entanto, foi diferente. 

No primeiro minuto de combate, os dois lutadores se estudaram, e a vantagem ficou com o norte-americano, que trabalhou muito bem a distância com chutes nas pernas do brasileiros. 

Minotouro evitou bem as tentativas de queda do oponente e seguiu bem a estratégia para acertar a distância e trabalhar o boxe. 

A balança pendeu para o lado do baiano a partir da metade do round quando Lil Nog conseguiu conectar bons socos que fizeram o adversário andar para trás. Na curta distância, Nogueira ainda conseguiu clinchar o pescoço de Cummins e desferir uma joelhada no corpo. 

Mas foi no final do assalto que Minotouro se firmou. Restando pouco mais de 40 segundos, ele fintou um jab de esquerda e acertou um cruzado de direita fortíssimo, abalando Patrick que se apoio com as costas na grade, recebeu mais socos contundentes, caiu e travou a perna do lutador da Team Nogueira. Cummins se levantou e foi acertado por mais socos até a intervenção do árbitro central Leon Roberts aos 4m52s. 

Serginho sofre com estreante e empata com Luan Chagas

Serginho Moraes tinha uma tarefa que não parecia das mais perigosas na segunda luta do card preliminar. Parecia. Diante do invicto Luan Chagas, estreante no Ultimate, o finalista da primeira edição do TUF Brasil 1, no entanto, sofreu no primeiro round e chegou perto de ser nocauteado.

Chagas não mostrou ter sentido o peso da estreia e fez uma apresentação consistente diante dos três vezes campeão mundial de jiu-jitsu. Acertando bons chutes e trabalhando bem a distância, Luan não permitiu que Serginho conseguisse colocá-lo para baixo em nenhuma oportunidade no primeiro round. No entanto, na curta distância, Serginho revidou os ataques do oponente com um bom uppercut na metade do assalto, respondido com um chute limpo que entrou em cheio no rosto do paulistano, golpeado no chão por Luan, mas que não quis saber de ir pro chão com Moraes. 

No final do round, Luan acertou um direto em Serginho que novamente sentiu o golpe e caiu. Em pé, foi novamente acertado por um chute alto de esquerda e acabou com as costas na grade. 

No assalto seguinte, Serginho voltou melhor e acertou um overhand de direita em cheio em Chagas, seguido de um cruzado de esquerda. As ações foram equilibradas pelo curitibano ao retomar os chutes no corpo e nas pernas de Serginho, com boas combinações de cruzado em cima. O maior volume de golpes, entretanto, cobrou um preço. Na metade do round, Luan sentiu o gás e permitiu que Serginho começasse a impor o jogo. Moraes fintou um cruzado, Chagas baixou a cabeça e foi pego em uma guilhotina. bem defendida.

A luta voltou em pé para um pouco mais de ação. Ao tentar a queda, Serginho foi surpreendido com um giro plástico que o deixou nas costas do adversário. Porém, restando 15 segundos para o final, Moraes raspou e acabou por cima. 

No último round, Serginho refutou a aproximação do oponente com uma joelhada no corpo e, com Luan já cansado, colocou em prática o jiu-jitsu ao quedar o estreante antes do primeiro minuto. Serginho passou a guarda, pegou as costas e tentou colocar os ganchos. Luan atacou a perna para encaixar uma chave e buscou a finalização, mas esbarrou na defesa de Chagas. No final do round, Serginho ainda armou o triângulo porém não havia mais tempo para nada. Para surpresa de ambos, o combate foi declarado empate com pontuação 29-28, 28-29, 28-28.

Renato Moicano consegue vitória apertada sobre russo

Invicto no MMA, Renato Moicano travou um combate parelho contra o russo Zubaira Tukhugov. No primeiro round, após sofrer um soco no olho, o brasileiro caiu de produção, mas se recuperou muito bem do jogo de solo do russo e colocou para valer as defesas de queda e o jiu-jitsu para sair com a 10ª vitória da carreira com pontuação 29-28, 28-29, 29-28.

“Eu levei um soco no olho que me atrapalhou no primeiro round, mas eu consegui me recuperar nos outros. Ele é um campeão mundial de wrestling e sambô, e eu consegui derrubar as quedas dele com jiu-jitu e judô”, disse em entrevista.

UFC 198

Data: 14 de maio de 2016

Local: Arena da Baixada, Curitiba (PR)

CARD PRINCIPAL 

Stipe Miocic derrotou Fabricio Werdum por nocaute (socos) Round 1, 2:47

Ronaldo Jacaré derrotou Vitor Belfort por nocaute técnico (socos) - Round 1, 4:38

Cris Cyborg derrotou Leslie Smith por nocaute técnico (socos) Round 1, 1:21

Mauricio Shogun derrotou Corey Anderson por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28) - Round 3, 5:00

CARD PRELIMINAR 

Demian Maia derrotou Matt Brown por finalização (mata-leão) - Round 3, 4:31

Warlley Alves derrotou Bryan Barberena por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28) - Round 3, 5:00

Thiago Marreta derrotou Nate Marquardt por nocaute (socos) - Round 1, 3:39

ohn Lineker derrotou Rob Font por decisão unânime (30-27, 29-28, 30-26) - Round 3, 5:00

Rogério Minotouro derrotou Patrick Cummins por nocaute técnico (socos) Round 1, 4:52

Francisco Massaranduba derrotou Yancy Medeiros por decisão unânime (29-26, 30-27, 30-26) - Round 3, 5:00

Serginho Moraes empatou com Luan Chaga (29-28, 28-29, 28-28) Round 3, 5:00

Renato Moicano derrotou Zubaira Tukhugov por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28) - Round 3, 5:00



Assista pesagem do UFC 198 aqui

Artur Dantas,

Logo mais às 16h, o UFC transmite a pesagem do UFC 198, realizado na Arena da Baixada, em Curitiba (PR). A luta principal da noite será travada entre o campeão dos pesados Fabrício Werdum vs Stipe Miocic. Ronaldo Jacaré encara Vitor Belfort no co-evento principal da noite, enquanto Cris Cyborg recebe Leslie Smith. Fecham o card principal do evento Maurício Shogun e Corey Anderson.

Veja abaixo a pesagem.


UFC 198

14 de maio de 2016, em Curitiba (PR)

CARD PRINCIPAL (a partir de 23h de Brasília):
Peso-pesado: Fabricio Werdum x Stipe Miocic
Peso-médio: Ronaldo Jacaré x Vitor Belfort
Peso-casado (até 63,5kg): Cris Cyborg x Leslie Smith
Peso-meio-pesado: Mauricio Shogun x Corey Anderson


CARD PRELIMINAR (a partir de 19h45 de Brasília):
Peso-meio-médio: Demian Maia x Matt Brown
Peso-meio-médio: Warlley Alves x Bryan Barberena
Peso-médio: Thiago Marreta x Nate Marquardt
Peso-galo: John Lineker x Rob Font
Peso-meio-pesado: Rogério Minotouro x Patrick Cummins
Peso-leve: Francisco Massaranduba x Yancy Medeiros
Peso-meio-médio: Serginho Moraes x Luan Chagas
Peso-pena: Renato Moicano x Zubaira Tukhugov


Anderson Silva está fora do UFC 198 e deverá passar por cirurgia

Artur Dantas,

Foto: Josh Hedges

O ex-campeão dos médios do UFC, Anderson Silva, está fora do card da edição 198 do Ultimate, que ocorre no próximo sábado (14), na Arena da Baixada, em Curitiba (PR). A informação foi confirmada pelo presidente da franquia, Dana White, em entrevista ao Yahoo Sports na noite desta terça-feira (10). O motivo do corte do Spider foi uma dor abdominal que incomodava o brasileiro desde ontem e que pode resultar em uma cirurgia na vesícula biliar. O consultor médico do UFC, Jeff Davidson, disse que Anderson será avaliado ainda hoje por um cirurgião que precisará a real necessidade do procedimento. Silva tinha encontro no octógono contra Uriah Hall, o Homem Ambulância, depois de ser superado nos pontos pelo inglês Michael Bisping, em fevereiro deste ano. 

Ainda ao Yahoo Sports, Dana White garantiu que a luta de Hall não saiu do card, já que ainda busca adversário para tapar o buraco deixado pelo curitibano. Vale lembrar que Anderson Silva não vence um combate no UFC desde 2013, quando foi nocauteado por Chris Weidman. Depois disso, o Spider teve uma séria lesão na perna na revanche contra o norte-americano e passou um longo período afastado para recuperação. Após isso, ele venceu Nick Diaz por decisão unânime, mas o resultado do combate foi alterado para no contest pelas falhas no exame antidoping dos dois lutadores. 

O UFC 198 terá como luta principal o confronto entre Fabrício Werdum e Stipe Miocic pelo cinturão dos pesados, hoje nas mãos do gaúcho. No co-evento principal da noite Ronaldo Jacaré encara Vitor Belfort, na luta que vale a disputa ao cinturão dos médios. Cris Cyborg estreia pelo UFC contra Leslie Smith em peso combinado até 63 quilos e Maurício Shogun abre o card principal contra Corey Anderson, nos meio-pesados. Completam o card Demian Maia, Warlley Alves, Thiago Marreta, John Lineker, Rogério Minotouro, Francisco Massaranduba, Serginho Moraes e Renato Moicano. 

CARD PRINCIPAL

Fabricio Werdum x Stipe Miocic

Ronaldo Jacaré x Vitor Belfort

Cris Cyborg x Leslie Smith

Mauricio Shogun x Corey Anderson

CARD PRELIMINAR

Demian Maia x Matt Brown

Warlley Alves x Bryan Barberena

Thiago Marreta x Nate Marquardt

John Lineker x Rob Font

Rogério Minotouro x Patrick Cummins

Francisco Massaranduba x Yancy Medeiros

Serginho Moraes x Luan Chagas

Renato Moicano x Zubaira Tukhugov



Pezão é nocauteado em 15 segundos e Overeem supera Arlovski por TKO no UFC Holanda

Artur Dantas,

O UFC Holanda, realizado neste domingo (8), não foi bom para os brasileiros. Yan Cabral, Francimar Bodão e Antônio Pezão, os dois últimos lutando no card principal, perderam os combates. Na luta principal da noite, Alistair Overeem ampliou a sequência invicta entre os pesados na organização e chegou a quarta vitória, a terceira por nocaute, contra Andrei Arlovski, no primeiro round. No co-evento principal da noite, Antônio Pezão Silva foi nocauteado pelo atleta da casa Stefan Struve em apenas 15 segundos de luta.

Tão logo começou o combate, Pezão tentou abafar o “Skyscraper”, partiu pra cima e foi acertado por um golpe do holandês. Na grade, Pezão sentiu o soco, tentou cinturar, mas Struve seguiu as instruções do córner para usar as cotoveladas para nocautear o brasileiro. Aliás, o revés diante do gigante holandês acendeu ainda mais o sinal de alerta para o paraibano. Em dez lutas no UFC ele acumula seis derrotas, todas por nocaute, três vitórias e um empate contra Mark Hunt, afastando-se ainda mais do retrospecto positivo entre os pesados, principalmente quando nocauteou Fedor Emilianenko nas quartas de final do GP do extinto Strikeforce, em 2011. 

Na luta principal da noite, Overeem e Arlovski travaram um duelo sem muito tempo para estudos. O bielorusso tentou um chute reto no início do combate, mas passou no vazio. Em seguida, “Pitbull” emendou uma sequência de socos no rosto, levando Alistair à grade, que foi encerrada com um gancho na linha de cintura. No clinch imposto por Alovski, Overeem acertou boas joelhadas no corpo do adversário. Restando pouco mais de um minuto pro final do assalto, o holandês derrubou Andrei e acertou dois bons socos no rosto do oponente, e decidiu voltar o combate em pé já no final do round. 

No segundo assalto, após boa troca de socos, Overeem acertou um chute reto que entrou em cheio no queixo de Arlovski, seguido de um cruzado de esquerda que selou o destino do Pitbull. No chão, “The Demolition Man” conectou mais socos até a intervenção do árbitro central, em 1m12s. 

Ainda no card principal, Gunnar Nelson se recuperou da derrota sofrida para Demian Maia no ano passado e passeou contra Albert Tumenov. Com um jogo sólido em cima, com forte background do karatê aliado com boas quedas, o islandês confundiu o jogo do oponente trocando de base e baixando a guarda, permitindo rápidos ataques ao rosto do adversário. A combinação fez o russo sucumbir no 2R após ter a perna de apoio calçada e ser levado ao solo. No chão, Nelson pegou as costas e encaixou um inapelável mata-leão.

Pela mesma via, o brasileiro da Nova União, Francimar “Bodão” Barroso foi anulado por Nikita Krylov, que matou as tentativas de queda do faixa-preta de jiu-jitsu. Apesar de superior na trocação, Krylov foi surpreendido por uppercuts do adversário, especialmente no clinch. No segundo round, Bodão conseguiu colocar em jogo a estratégia, derrubando Nikita antes do primeiro minuto de combate. No entanto, o ucraniano foi esperto, levantou rápido, deixando o acreano com as costas no chão. No solo, Bodão buscou tentou por duas oportunidades encaixar o omoplata, chegou a desenhar o triângulo, mas Nikita passou às costas fechando o estrangulamento.

Entre as mulheres, Germain de Randamie fez um monólogo diante da dinamarquesa Ann Elmose. Com maior envergadura, Randamie impôs socos e cotoveladas contundentes, bem como joelhadas. Uma delas, que entrou em cheio no estômago fez Elmose desabar, forçando o encerramento do combate.

Único brasileiro no card preliminar, Yan Cabral mediu forças com Reza Madadi e até começou bem, dominando o rival no chão no minuto final do primeiro assalto e buscando a finalização após derrubar Madadi com um single leg. No segundo round, foi o lutador naturalizado sueco que devolveu a gentileza e, restando 60 segundos, derrubou Cabral, levando vantagem apesar da superioridade de solo do brasileiro. No assalto final, no entanto, Madadi explorou o cansaço de Yan para conectar uma boa combinação de upper, direto e cruzado que levou o atleta versado em jiu-jitsu a nocaute técnico. 

UFC Fight Night 86 (UFC Holanda)

Data: 08/05/2016

Local: Ahoy Roterdã, Roterdã, Holanda

CARD PRINCIPAL 

Alistair Overeem derrotou Andrei Alovski por nocaute técnico (socos) - Round 2, 1:12;

Stefan Struve derrotou Antônio “Pezão” Silva por nocaute técnico (socos) - Round 1, 0:16;

Gunnar Nelson derrotou Albert Tumenov por finalização (mata-leão) - Round 2, 3:15;

Germaine de Randamie derrotou Anna Elmose por nocaute técnico (joelhadas e socos) - Round 1, 3:46;

Nikita Krylov derrotou Francimar Bodão Barroso por finalização (mata-leão) - Round 2, 3:11;

Karolina Kowalkiewicz derrotou Heather Jo Clark por decisão unânime (29-28, 29-28, 30-27) - Round 3, 5:00;

CARD PRELIMINAR 

Rustam Khabilov derrotou Chris Wade por decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28) - Round 3, 5:00;

Magnus Cedenblad derrotou Garreth McLellan por nocaute técnico (chute e socos) - Round 2, 0:47;

Josh Emmett derrotou Jon Tuck por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28) - Round 3, 5:00;

Reza Madadi derrotou Yan Cabral por nocaute técnico (socos) - Round 3, 1:56;

Kyoji Horiguchi derrotou Neil Seery por decisão unânime (30-26, 30-27, 30-27) - Round 3, 5:00;

Leon Edwards derrotou Dominic Waters por decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27) - Round 3, 5:00;

Ulka Sasaki derrotou Willie Gates por finalização (rear-naked choke) - Round 2, 3:30.



Ciro Bad Boy vence e salva RN no 1º Round Combat; Caião finaliza Felipão na luta principal do evento

Artur Dantas,

por Helliny França

A segunda edição do 1º Round Combat não foi como planejado para o Rio Grande do Norte. Dos nove combates envolvendo os atletas da casa contra lutadores de fora, apenas Ciro Bad Boy Rodrigues conseguiu brilhar e derrotou Edilberto “Crocotá”, por decisão unânime dos árbitros, no coevento principal da noite. Caião Alencar, escalado de última hora para substituir o lesionado Fábio Maldonado, fez uma luta intensa com Felipão Dantas (ex-TUF Brasil 3) e saiu com a vitória após finalizar o lutador com armlock O evento foi realizado na noite desta sexta-feira (6), no ginásio Nélio Dias, na zona Norte de Natal. 

Ainda no card principal, Juliana Velasquez reteve o cinturão até 61 quilos do evento após nocautear Elaine Albuquerque no primeiro round. Em uma das melhores lutas do card, Tarciano “Pintinho” fez uma luta bastante movimentada com Felipinho Silva e sofreu com a atuação do atleta da Pitbull Brothers, que não voltou para o segundo round em virtude de um nocaute técnico (interrupção médica), explicado pelas cotoveladas desferidas pelo adversário no final do assalto inicial. 

No card preliminar, o fato estranho ficou por conta do confronto entre Silmar Rodrigo e Sandro Apaga a Luz. No primeiro round, Silmar sinalizou um pedido de tempo e o árbitro central interrompeu o combate, dando vitória ao adversário por desistência. A explicação veio pouco tempo depois. Silmar não se adaptou ao novo protetor bucal, sentiu ânsia de vômito e o combate foi encerrado mais cedo.

Outra situação adversa ocorreu até mesmo antes de uma das lutas mais aguardadas da noite. Tarcísio “Psycho” Pierre fazia o aquecimento no vestiário para o combate contra Yuri “Jason” Mariano, mas escorregou em uma grade de proteção, sofreu um ferimento no dedo e teve que passar por uma sutura, inviabilizando a luta. 

Mas, nem só de problemas foi feito o card. Jefferson Spider Rodrigues fez uma luta sem muitos atrativos com Antônio Pompeu e venceu por decisão unânime dos árbitros, enquanto Maurício “Dedinho” não evitou o jogo estratégico de Alexandre “Macaco”, na categoria até 77 quilos, que durante os três rounds explorou as quedas e teve sucesso em manter o lutador da Pitbull Brothers com as costas no solo durante boa parte da luta. 

Já nas categorias mais leves, Mateus “Pitbull” Vasco fez um dos melhores combates da noite contra Daniel Virgínio, que finalizou o adversário com uma guilhotina justa, enquanto Maycon Silva “Boca” não tomou conhecimento de Alan Gomes e conseguiu um nocaute limpo, apagando o potiguar. 

Confira abaixo os relatos das lutas

Abraão Amorim vence Augusto Abdias por decisão unânime 

O primeiro round foi disputado,. Abraão conseguiu ser mais agressivo do que o adversário, conectou uma boa sequencia de golpes. com Abdias respondendo aos ataques do oponente. Abraão ainda conseguiu aplicar um knockdown no primeiro round. Logo no início do segundo round, Abraão consegui  derrubar novamente, passou para as costas de Abdias e tentou encaixar uma guilhotina, desferiu uma sequência no rosto do adversário para tentar liberar o pescoço e encaixar a posição de finalização. Abdias defendeu a investida, e conseguiu ir para guarda do atleta da equipe Primeiro Round Team, passando a trabalhar no ground and pound. Abraão tentou pegar o braço de Abdias, que defendeu o golpe. Na sequência Abraão voltou a castigar o oponente com socos na linha de cintura. O terceiro round começou com Abraão procurando o clinch na grade, na tentativa de levar a luta para o solo. Porém, o lutador da academia Pitbull Brothers surpreendeu e aplicou uma queda, caindo por cima. Amorim conseguiu inverter a posição, a luta ficou amarrada no solo. O juiz interrompeu o combate e mandou seguir em pé. Abdias tentou aplicar uma guilhotina em pé, mas não teve sucesso. Novamente a luta foi para o chão, os lutadores ficaram na luta de solo, trocando golpes pouco efetivos até o fim do combate. Abraão Amorim saiu com a vitória por decisão unânime dos juízes ( triplo 29-28).

Atleta da Nova União “Carlim” bate Amaury Jr por decisão unânime

Os atletas se estudaram nos primeiros segundos de luta e trocaram poucos golpes, Amaury tentou aplicar uma queda, mas seu adversário defendeu. “Carlim” trabalhou chutes na linha da cintura para manter a longa distância. O atleta da BTT Amary Jr voltou a tentar derrubar seu oponente, os dois clincharam na grade, Jr tentou “mochilar” para aplicar uma guilhotina, mas seu oponente defendeu a posição. A luta voltou ao centro do cage, o atleta da Nova União conseguiu derrubar, porém optou por não trabalhar a luta de solo e esperou seu adversário levantar. 

Os atletas começaram o segundo round com cautela, trocaram poucos golpes, até que “Carlim” ganhou confiança no combate e partiu para a trocação, desferiu golpes duros em Amaury. “Carlim” se manteve dominante no confronto por um momento, conseguiu acertar boas sequências no rival, trabalhando os low kicks.  O atleta da BTT respondeu aplicando um knockdown. “Carlim” voltou a soltar chutes, e conseguiu emplacar uma queda. O combate voltou a ficar em pé e foi a vez de Amaury levar a luta para o chão, no solo Amary encaixa  uma chave de calcanhar, porém” Carlim” resistiu. Em pé, “Carlim” continuou a investir em chutes baixos, Amaury aplicou mais uma queda,  e cai por baixo, ficando com as costas no chão do cage. Porém, seu oponente evitou entrar na guarda do adversário. A luta voltou em pé e Amaury acertou uma boa sequência de socos no rival. O combate acaba com os atletas no chão. Carlos Eduardo vence por 29-28, decisão unânime.

Alexandre “Macaco” supera Maurício “Dedinho” e vence por decisão unânime 

Nos primeiros momentos de luta “Macaco” conseguiu derrubar “Dedinho”, e seguiu golpeando o adversário. O atleta da equipe Pitbull Brothers tentou defender segurando as mãos de “Macaco”. “Dedinho” tentou mudar de posição, porém seu adversário segurou o combate no solo, a luta ficou “amarrada” até o final do primeiro round. 

No segundo round o atleta da Black Team de Fortaleza conseguiu aplicar outro knockdown. “Macaco” conectou poucos golpes na linha de cintura do seu adversário. A juíza central interrompeu e pediu para o combate seguir em pé. Os atletas trocaram alguns golpes e voltaram a trabalhar na luta agarrada. “Dedinho” pressionou seu oponente na grade, porém o atleta da Black Team conseguiu derrubar novamente.

No terceiro round “Dedinho” voltou a pressionar na grade, Macaco procurou a luta de chão. “Dedinho” ficou com as costas no solo, e “Macaco” acertou alguns golpes sem contundência. A lutador da Pitbull Brothers tentou usar a grade para tentar levantar. A juíza mandou o combate novamente seguir em pé, os dois partiram para a trocação e mais uma vez “Macaco” aplicou um knockdown. A luta seguiu amarrada no chão até o fim do último round. Alexandre “Macaco” venceu por decisão unânime dos juízes (30-27).

Jefferson “Spider” leva a melhor no embate com Pompeu e sai com a vitória por decisão unânime

Pompeu toma iniciativa de procurar o combate. “Spider” procurou se movimentar para evitar que seu adversário encontre a distância para golpeá-lo. Pompeu encurtou a distancia e foi para o clinch, mas logo os atletas se desvencilharam. Pompeu trabalhou os chutes, os lutadores trocaram alguns golpes, Pompeu tentou aplicar uma queda mas “Spider” defendeu bem a investida. O atleta da equipe Hikari soltou um high kick que jogou “Spider”  em cima das grades. Pompeu levou a luta para o chão, porém o lutador da academia Primeiro Round Team conseguiu rapidamente voltar em pé. Pompeu acusou um golpe baixo e a luta foi interrompida por alguns segundos. Quando o combate retornou, “Spider” passou a conduzir a luta e encurralou Pompeu na grade que reagiu com uma sequência de socos. Os dois partiram para a trocação franca, e o round terminou equilibrado. 

No terceiro round o atleta da equipe cearense trabalhou os chutes, e manteve a vantagem. Pompeu tentou levar a luta para o solo mas o seu adversário defendeu a queda. “Spider” ditou o ritmo da luta e manteve o controle do cage, Pompeu esperou as para trabalhar no contra golpe. “Spider” acertou um low kick  e o atleta da Hikari sentiu o golpe, os lutadores partiram para a trocação franca no final da luta. Jefferson ”Spider” saiu com a vitória por decisão unânime por 29-28.

Sandro “Apaga Luz” vence Silmar Rodrigo por desistência

Os atletas trocaram alguns golpes sem efetividade no início do combate, Silmar levou seu adversário para o clinch na grade, Sandro da equipe V8 MMA conseguiu aplicar uma queda, mas Silmar defendeu em seguida. Depois foi a vez do atleta da GT Fight pressionar e tentar derrubar o rival, até que Silmar sinalizou para o juiz pedindo um tempo, e o juiz interpretou como desistência e encerrou o combate. Apesar do protesto de Silmar o juiz manteve a decisão. Sandro “Apaga Luz” levou a vitória por desistência do adversário. 

Atleta da Kimura Daniel Virgínio  finaliza  Mateus Vasco ainda no 1° round

O combate começou movimentado. O atleta da Pitbull Brothers, Mateus, acertou um low kick no oponente. Mateus pressionou Daniel no clinch, que conseguiu sair da posição em seguida, e passou a desferir chutes baixos. Os dois seguiram trocando, até que Mateus tentou entrar nas pernas de Daniel para aplicar o double leg. Daniel aproveitou para encaixar uma guilhotina, em seguida levou a luta para o solo e ajustou posição, obrigando Mateus a bater, e desistir do combate.

Maycom “Boca" é efetivo e nocauteia Alan Gomes no 1° round 

A luta começou com Alan desferindo chutes baixos, até que “Boca” acertou um direto em cheio no rosto do oponente. O lutador da Team Nogueira sentiu o golpe e caiu no cage. O atleta da Nova União aproveitou para desferir uma dura sequência no rosto do adversário que ficou desacordado, em seguida o juiz interrompeu o combate.

Juliana Velasquez bate Elaine Albuquerque e mantém título

Elaine trabalhou os chutes no início do combate, Juliana respondeu também com um chute, a lutadora da Team Nogueira procurou encurtar a distância. Juliana manteve o domínio do cage. A atleta da Kimura optou por trabalhar no contra golpe, apostou nos lows kicks para minar as pernas de sua adversária. Juliana sentiu os golpes e diminuiu a movimentação, até acertar um soco no queixo de Elaine que caiu na grade. Velaquez aproveitou para golpear duramente a rival no chão, até a juíza interromper a luta. Juliana Velasquez venceu por nocaute técnico e manteve o titulo da categoria feminina dos galos.

Tarciano “Pintinho” sai com a vitória por nocaute técnico em cima de Felipe Silva  

Felipe começou demonstrando mais agressividade na luta,  indo para cima do adversário. “Pintinho” respondeu com um cruzado, e “Felipinho” sente o golpe. Felipe acerta uma sequência no oponente que cai na grade, o atleta da Pitbull Brothers continuou desferindo golpes duros, porém o lutador da equipe Primeiro Round Team absorveu bem os golpes e resistiu. Felipe levou a luta para o solo e encaixou um mata-leão, “Pintinho” defendeu o golpe, mas continuou em desvantagem no chão. “Felipinho” pressionou nas costas do adversário que defendeu, raspou e foi para a guarda do oponente. ”Pintinho” acertou uma cotovelada no rosto do rival, o golpe abriu um corte na testa de Felipe. O juiz encerrou a luta devido ao ferimento do lutador da Pitbull Brothers. Tarciano “Pintinho” saiu com a vitória por nocaute técnico, e levou o cinturão da categoria peso-mosca para casa.

Edilberto "Crocotá" vs Ciro "Bad Boy" Os atletas se provocam no início do combate, “Crocotá” acertou um direto e Ciro respondeu com um chute. O lutador da Kimura Nova União conectou um soco e “Crocotá” sentiu o golpe e caiu no chão. “Bad Boy” foi para a guarda do adversário. Edilberto procurou segurar as mãos do oponente. A luta ficou amarrada no chão até o fim do round. “Bad Boy” acertou um high kick no início do segundo round, “Crocotá” respondeu com uma sequência de socos. Ciro aplicou um double leg, levando a luta para o solo. Ciro desferiu alguns socos na linha de cintura do oponente, “Crocotá” se defendeu segurando as mãos de “Bad Boy”, e a luta voltou a ficar amarrada. O juiz interrompeu e retornou o combate em pé. Ciro voltou a derrubar no terceiro round. O cenário do round anterior se repete, a luta fica amarrada no solo, poucos golpes foram trocados. Ciro se desvencilhou do rival e desferiu uns diretos no rosto do adversário, sem muita contundência. A luta volta ao chão e “Crocotá” conseguiu inverter a posição, ficando na guarda de Ciro. “Crocotá” tentou aplicar um triângulo de mão, tentou ajustar o golpe mas e “Bad Boy” resistiu. Ciro “Bad Boy” venceu por decisão unânime dos juízes.

“Caião” Alencar finaliza “Felipão” Dantas com um armlock 

A principal luta da noite começou com “Caião” trabalhando chutes, “Felipão” se defendeu com uma sequência de socos, o atleta da Kimura respondeu da mesma forma, e levou o oponente para a grade, passou a aplicar joelhadas. O atleta da Evolução Thai/Kioto acusou um golpe baixo e o juíz interrompeu o combate. Quando o combate voltou, “Caião” conseguiu derrubar, ficando na meia guarda, e desferiu golpes na linha da cintura. O lutador da Kimura tentou pegar o braço de Felipe, que por sua vez conseguiu voltar em pé, porém por pouco tempo, até que “Caião” aplicou novamente um knockdown. Alencar conseguiu pegar o braço de Felipe e encaixou um armlock, depois ajustou a posição, até Felipe bater, decretando o fim do combate aos 3 minutos e 56 segundos de luta.



Técnico de McGregor zomba da luta contra Mayweather

Artur Dantas,

por Eduardo Cruz, do Por Dentro da Arena

John Kavanagh, treinador do campeão peso pena do UFC, Conor McGregor, zombou da notícia publicada pelo site do jornal inglês “The Sun” sobre o combate entre seu atleta e Floyd Mayweather nas regras do boxe.

- Ouvi falar que Conor McGregor x Nate Diaz x holograma do Bruce Lee é possível para o [card do] UFC 300. Agora vocês já sabem que nós estamos apenas inventando histórias hoje -, escreveu no twitter.

Kavanagh esta semana também publicou que a volta de McGregor ao UFC deverá ser anunciada o quanto antes e o anúncio é esperado para as edições 201 ou 202, depois que ele foi cortado do UFC 200 por ter lutado contra a organização para não cumprir todos os eventos promocionais do espetáculo do dia 9 de julho.



Talvez eu seja o único limpo dos médios”, diz Bisping

Artur Dantas,

Foto: reprodução Youtube

Polêmico em suas declarações, Michael Bisping voltou a atacar os colegas da divisão até 84 quilos do UFC. Em entrevista ao MMA Junkie, o inglês criticou os recorrentes casos de doping descobertos por Comissões Atléticas dos Estados Unidos e aproveitou para reiterar que nunca precisou do artifício para melhorar a performance nos treinos ou em lutas e alfinetou os adversários.

“Quanto mais o tempo passa mais eu acho que eu sou o único da divisão dos médios completamente limpos, e eu fiz isso durante minha carreira toda. Deus sabe quantos testes de drogas eu tenho feito, cada um deles, e não houve sequer um indício de suspeita em qualquer um dos meus testes. E a gente apenas vê essas lendas caindo, à esquerda, à direita, no centro”.

Bisping completou. “Não quero ser o cara que vai ficar falando sobre isso o tempo todo. Eu sei que soa como um disco quebrado. Sei que as pessoas provavelmente estão cansadas de me ouvir falar sobre isso. Eu não quero chutar alguém que está caído, não é assim que eu me satisfaço. Só quero ser eu mesmo e cuidar o melhor que puder da minha família”, disse.

Entram na lista de atletas que falharam nos exames antidoping Anderson Silva, Lyoto Machida, Yoel Romero, além de Vitor Belfort, Chael Sonnen e Dan Henderson, adeptos da polêmica terapia de reposição de testosterona, já banida do UFC.




Poliana Botelho festeja contrato com o UFC e projeta descida tranquila ao peso-palha

Artur Dantas,

Foto: Felipe Fiorito

Quando começou a praticar muay thai para cuidar do corpo, em 2012, a ideia de se tornar uma lutadora de MMA ainda passava longe da cabeça de Poliana Botelho. Ser contratada pelo UFC, então, era algo praticamente inimaginável. Nesta terça-feira, dia 3 de maio, a mineira de Muriaé alcançou o sonho máximo de muitos, e assinou contrato com o UFC, coroando uma curta e bem-sucedida carreira, iniciada profissionalmente há menos de três anos. Poliana passa a integrar a divisão peso-palha (até 52,6kg) do Ultimate, uma grande mudança, já que sempre atuou como peso-mosca (até 57,1kg), ou seja, uma diferença de quase cinco quilos.


Para se adaptar à mudança, Poli já está em regime de corte de peso e se testará no camp da companheira de treinos Claudia Gadelha. A amiga disputará o cinturão peso-palha do UFC diante da campeã Joanna Jedrzejczyk, dia 8 de julho, em Las Vegas.

De Muriaé para o mundo, uma das principais revelações do MMA

Em 2013, Poliana Botelho decidiu dar passos maiores do que apenas o treino básico de muay thai. Após duas lutas amadoras, foi aconselhada pelo conterrâneo Yan Cabral, hoje também atleta do UFC, a viajar para o Rio de Janeiro e treinar na Nova União. Na academia de André Pederneiras, agradou e foi acolhida pelos companheiros para fazer parte da equipe. Mas dois nomes em especial mudaram sua vida: o treinador Rafael Vinicius e a lutadora Claudia Gadelha.

Apadrinhada por Rafael, que enxergou a possibilidade de lapidar o enorme talento daquela menina do interior e respaldada pelo aprendizado diário ao lado de Gadelha, multicampeã no jiu-jitsu e uma das principais lutadoras de MMA na sua categoria, Poliana iniciou sua carreira profissional. Em dois anos, disputou seis lutas, venceu cinco - todas por nocaute ou nocaute técnico - e conquistou tanto o torneio quanto o cinturão do XFC na categoria peso-mosca. As grandes atuações chamaram a atenção do UFC.

"Estou muito feliz e realizada. Quando comecei nunca imaginei chegar até aqui em tão pouco tempo. Essa sensação é indescritível. Mas estou vendo essa nova fase como um início de uma caminhada, cheguei no maior evento do mundo e agora é a hora de mostrar realmente meu valor. Dentro do octógono é sempre igual, sou eu contra minha adversária e garanto que minha gana e minha vontade de chegar ao topo só aumentam a partir de agora. Vou mostrar mais, querer mais e vou chegar mais preparada do que em qualquer luta que já fiz", afirma Poliana Botelho.

Um dos fatores que contribuíram para seu ingresso no Ultimate foi o fato de ter estado na casa do TUF 23, gravado em fevereiro, em Las Vegas, para ser a treinadora particular de Claudinha Gadelha. A companheira de Nova União lidera as equipes ao lado de Joanna Jedrzejczyk. Nesse período, Poli também treinou na Xtreme Couture MMA, onde ajudou no camp de Miesha Tate, que viria a conquistar o cinturão peso-galo, destronando Holly Holm. Toda essa experiência e a chance de conhecer o matchmaker Sean Shelby e o presidente Dana White deixam a mineira mais à vontade para seu ingresso na organização.

"Foi muito bom esse período nos EUA, pude conhecer os executivos do UFC, além de participar do ambiente vivido por eles. Os treinos na Xtreme foram muito proveitosos e pude ampliar meus conhecimentos sobre todas as artes marciais. Chego pronta para mostrar meu talento no UFC, e mesmo ciente que ainda tenho muito a evoluir, estou confiante em conquistar meu espaço. Não posso deixar de agradecer a Claudinha, que me ajudou muito desde que cheguei na academia, ao Rafael, que é mais que um professor, é um irmão, e ao Dedé, que não mediu esforços para me ajudar quando precisei e conseguiu essa chance no UFC", destaca. 

Descida ao peso-palha não preocupa

Campeã mundial do XFC pela divisão dos moscas, Poliana vai precisar descer de categoria para ingressar no UFC, já que a divisão até 56,7kg não foi aberta oficialmente pela organização. Ciente da dificuldade do processo, a mineira já iniciou uma rigorosa dieta e garante que não vai ter problemas para atingir a marca de 52,6kg, limite do peso-palha. 

"Não tenho previsão de luta, mas já estou em processo de redução de peso. Já faço dieta e preparação física forte para quando me chamarem já estar pronta. Vai ser um trabalho diferente, porque que nunca bati 52kg. Mesmo assim, creio que se fizer tudo direitinho, seguindo as recomendações, não terei maiores problemas", encerra a lutadora.

Sobre a MKS

A MKS Combat Gear atua há 20 anos no mercado, oferecendo equipamentos de alta qualidade para prática de artes marciais, para amadores e profissionais. A empresa foi construída baseada em princípios de disciplina e honra, que deram vida à campanha #LUTECOMHONRA, bandeira carregada pelos atletas que fazem parte do Time MKS, formado por Thomas Almeida e Thales Leites, do UFC, pela campeã mundial do XFC e nova contratada do UFC Poliana Botelho, pelo promissor Allan Puro Osso e pelo campeão do WGP Kickboxing Emerson Falcão.

Fonte: Assessoria de imprensa

Natal Shopping recebe pesagem oficial do 1º Round Combat nesta quinta-feira

Artur Dantas,

Foto: Augusto César

Está chegando a hora! Falta muito pouco para a segunda edição do 1º Round Combat e os lutadores já estão em Natal para sentir o clima do evento que está marcado para sexta-feira, às 19h, no ginásio Nélio Dias. Nesta quarta-feira, alguns deles participaram do treino aberto realizado na área externa do estacionamento do Natal Shopping e chamaram atenção de quem passou pelo local ou pela passarela da BR-101. A pesagem oficial está marcada para quinta-feira, às 19h, também no Natal Shopping, e é aberta ao público.

Com um cartel de nove lutas e nove vitórias, o potiguar Felipão Dantas encara o conterrâneo Caião Alencar no evento principal. Atleta da Evolução Thai, de Curitiba, ele disse que precisou refazer a estratégia para a superluta devido à mudança de adversário - Fábio Maldonado, ex-UFC, alegou uma lesão na lombar no fim de semana e saiu do card.

"Eu quero dar um show. Estou bem treinado. Treinei para enfrentar o Fábio Maldonado em cinco rounds e espero dar o meu melhor assim como em todas as lutas que fiz. O Caião é um cara do jiu-jitsu. Ele vai querer me agarrar. Não vai querer trocar porrada. Eu acredito que seja assim. Como treinei muita porrada para o Fábio Maldonado, minha estratégia mudou totalmente. Vou ter que defender mais a queda e tentar a luta em pé", conta Felipão.

Felipe Silva, da Pitbull Brothers, quer o primeiro cinturão da carreira. Especialista de jiu-jitsu, ele enfrenta o cearense Tarciano "Pintinho" x Felipe Silva pelo título dos pesos-mosca (até 57 kg). O potiguar afirmou estar "200% melhor do que em 2013, quando lutei pelo cinturão de outro evento e perdi".

"A preparação está bem melhor do que a última luta que fiz, há 25 dias. Entrei no card do 1º Round Combat há uma semana e estou preparado para o cinturão ficar em Natal. Meu adversário tem um muay thai bom, defende bem queda. Eu sou do jiu-jitsu, mas vou para a trocação", declarou o lutador de 26 anos.

Força feminina

A pernambucana Elaine Albuquerque, da Kimura Nova União de Alagoas, luta MMA há quatro anos, mas já tem bastante experiência. Ela se disse pronta para tomar o cinturão das pesos-galo (até 61 kg) da carioca Juliana Velasquez, da Team Nogueira. Presente ao treino aberto, Elaine ainda revelou que não teve dificuldade para superar a briga com a balança. "Estou me sentindo muito bem fisicamente e psicologicamente. Tenho me preparado bastante para essa luta e quero tomar este cinturão. O peso está tranquilo porque eu venho perdendo há alguns dias. Com relação a isso, estou sem sofrer", falou.

A atleta de 30 anos revelou que não costuma ver as lutas da adversária e deixa essa missão para os treinadores. "Normalmente, eu não olho a adversária. Eu passo os vídeos para os meus corners, eles avaliam, passam a estratégia e eu vou seguindo", completou.

A venda de ingressos está sendo feita na rede de fast-food Pittsburg (Ponta Negra, Natal Shopping, Partage Norte Shopping e Prudente de Morais), além do site Bilhete Certo (www.bilhetecerto.com.br). Os preços são: R$ 30 (arquibancada - cadeira azul), R$ 50 (arquibancada - cadeira branca) e R$ 70 (quadra - cadeira vip). Mais informações pelo telefone (84) 99654-7719.

1º Round Combat - 2ª edição

Local: Ginásio Nélio Dias (Natal, Rio Grande do Norte)

Data: 6 de maio de 2016

Horário: 19h (de Brasília)

Transmissão: Combate (ao vivo)


Card principal

Caio Alencar "Caião" x Felipão Dantas - acima de 93 kg (superluta)

Edilberto "Crocotá" x Ciro "Bad Boy" - até 77 kg (superluta)

Juliana Velasquez x Elaine Albuquerque - até 61 kg (cinturão)

Tarciano "Pintinho" x Felipe Silva - até 57 kg (cinturão)

Card preliminar

Ilara Joanne x Maria "Doida" Mendes - até 63 kg

Abraão Amorim x Augusto Matias Abdias - até 77 kg

Tarcisio "Psycho" Pierre x Yuri "Jason" Mariano - até 66 kg

Alexandre "Macaco" x Maurício "Dedinho" - até 77 kg

Alan Gomes x Maycon Silvan "Boca" - até 57 kg

Amaury Jr. Mossoró x Carlos Eduardo "Carlim" - até 61 kg

Mateus "Pitbull" Vasco x Daniel Virgínio - até 61 kg

Jefferson "Spider" Rodrigues x Antônio Pompeu - até 70 kg

Silmar Rodrigo x Sandro "Apaga a Luz" da Silva - acima de 93 kg

Fonte: Assessoria de imprensa

Treino aberto e pesagem oficial do 1º Round Combat serão no Natal Shopping

Artur Dantas,

Em sua segunda edição, o 1º Round Combat convida a imprensa e os fãs de MMA para o treino aberto que será realizado na área externa do estacionamento do Natal Shopping (próxima à BR-101), nesta quarta-feira, às 10h. Os oito lutadores envolvidos no card principal estarão disponíveis para entrevista. Também comunicamos que a pesagem oficial e as encaradas acontecerão na quinta-feira, às 19h, no mesmo local. Os dois eventos são abertos para o público em geral.


Treino aberto

Quarta-feira, às 10h, na área externa do estacionamento do Natal Shopping


Pesagem

Quinta-feira, às 19h, na área externa do estacionamento do Natal Shopping


1º Round Combat - 2ª edição

Local: Ginásio Nélio Dias (Natal, Rio Grande do Norte)

Data: 6 de maio de 2016

Horário: 19h (de Brasília)

Transmissão: Combate (ao vivo)


Card principal

Caio Alencar "Caião" x Felipão Dantas - acima de 93 kg (superluta)

Edilberto "Crocotá" x Ciro "Bad Boy" - até 77 kg (superluta)

Juliana Velasquez x Elaine Albuquerque - até 61 kg (cinturão)

Tarciano "Pintinho" x Felipe Silva - até 57 kg (cinturão)


Card preliminar

Ilara Joanne x Maria "Doida" Mendes - até 63 kg

Abraão Amorim x Augusto Matias Abdias - até 77 kg

Tarcisio "Psycho" Pierre x Yuri "Jason" Mariano - até 66 kg

Alexandre "Macaco" x Maurício "Dedinho" - até 77 kg

Alan Gomes x Maycon Silvan "Boca" - até 57 kg

Amaury Jr. Mossoró x Carlos Eduardo "Carlim" - até 61 kg

Mateus "Pitbull" Vasco x Daniel Virgínio - até 61 kg

Jefferson "Spider" Rodrigues x Antônio Pompeu - até 70 kg

Silmar Rodrigo x Sandro "Apaga a Luz" da Silva - acima de 93 kg

Fonte: Assessoria de imprensa

Maldonado acusa lesão na lombar antes de combate contra Fedor

Artur Dantas,
César Augusto
Caipira de Aço durante combate com Gian Villante, no UFC Natal (2014).

Fábio Maldonado tem um problema pela frente que pode atrapalhar sua preparação para o combate contra Fedor Emilianenko no próximo dia 17 de junho, pelo evento Fight Nights Global 50, em São Petersburgo, na Rússia. O brasileiro acusou uma lesão na lombar, fato que fez cair a luta contra Felipão Dantas (ex-TUF Brasil 3) na segunda edição do evento 1º Round Combat, que será realizada em Natal (RN) no próximo dia 6 de maio.

Na semana passada, ele esteve no foco de uma polêmica após afirmar que começaria a tomar a substância DHEA, vetada pelas comissões atléticas e pela Agência Mundial Antidoping. O “Caipira de Aço” chegou a comentar: "Sou eu contra ele [Fedor] só. Todo mundo entende dessas coisas (doping). Não vou dar uma de coitadinho aqui, né? Todo mundo entende e sabe do que tomar e não tomar. O que eu posso dizer é que eu não tomo essas coisas, mas, por exemplo, quando eu estava na minha reta final do UFC e tinha exame surpresa, eu fazia o uso de DHEA, porque o médico disse que para homem depois dos 32 anos isso ajuda a pele, os hormônios… Enfim, mas isso nem bomba era. Eu não estou tomando ainda, mas acredito que semana que vem eu vou começar a usar”, disparou.

A declaração não foi bem aceita no mundo do MMA e logo Maldonado tratou de colocar panos quentes, ao dizer que havia feito uma “brincadeira” e usou o Instagram para se justificar. "Falei a várias reportagens sobre minha próxima luta e uma das perguntas foi se eu iria tomar ‘bomba’ ou esteroides, sei lá o quê… ‘Suco’, pra luta contra o Fedor. Eu respondi que ‘ia cheio dos venenos, dos sucos’, mas achei que se tratava de uma brincadeira do repórter e não pensei que fosse ser levado a sério. Disse também que é preciso tomar cuidado hoje em dia com os suplementos, para não cair no antidoping. Se algum fã se decepcionou comigo, peço desculpas. Faço antidoping desde 2003 na minha estreia no boxe nos EUA e estou aberto para exames antidoping, os quais fiz minha vida toda”, escreveu.

41-60 de 888