1973 - o ano de reinventou a MPB

Nicolau Frederico,


"Nas vitrolas rolava todo tipo de som. Do experimentalismo de Caetano Veloso e Walter Franco a música popular e romântica de Odair José e Antônio Marcos. Da força percussiva de Naná Vasconcelos aos rebolados dos Secos & Molhados. O ano de 1973 foi assim. O 1973 é assim.  Assim é o ano que reinventou a MPB. Quando os críticos mais vorazes da música popular brasileira afirmavam que ela estava morrendo, notadamente com o final da era dos festivais> Mas, ao contrário ela simplesmente se reinventa."

Assim, o jornalista e produtor Célio Albuquerque  abre a introdução do seu projeto do livro "1973 - o ano que reinventou a MPB", lançado pela Editora Sonora. Ele mesmo assinala que "trinta e um dos cerca de 50 autores marcaram presença. Mas, como identificar tantos autores? Foram criados crachás. Sem filas, cada leitor procurava seu autor conhecido e dele coletava assinatura. E os próprios autores coletavam assinaturas de seus pares. Alguns artistas como obras retratadas no livro como João Donato, Moraes Moreira (Novos Baianos), Fagner, Ednardo (Pessoal do Ceará) e Roberto Menescal (produtor atuante em 1973 e em todos anos 70, em especial) marcaram presença no lançamento. E também deram seus autógrafos."

Célio narra que "em 1973, algo enigmático faz com que a música brasileira produza uma quantidade incomum de discos que teimariam em resistir ao tempo, não só por sua alta dose de inovação, mas também pela quantidade generosa de estreantes que os assinam. Sem nenhuma pretensão de destronar seu maior rival, 1968 (“o ano que não terminou”), este livro aponta para a eternidade particular de 1973, ao reunir olhares individuais de cinquenta escritores para 50 álbuns no ano em que 1973 completa 40 anos."

Prossegue ele, afirmando que "jornalistas, artistas e outros notáveis enriquecem a leitura com seus pontos de vista e percepções particulares, acrescendo dinamismo e refinando ainda mais seu conteúdo. Contudo, tanto o idealizador do livro como os autores não pretendem fornecer explicações para um fenômeno inexplicável em sua própria essência, apenas ratificam a certeza absoluta do mistério que envolverá para sempre 1973 – o ano que reinventou a MPB."

"1973 - o ano que reinventou a MPB" é uma leitura obrigatória para quem gosta da música popular brasileira, seus compositores, suas canções e sua história.

Neste vídeo, o jornalista e produtor Célio Albuquerque dá mais detalhes sobre o seu projeto do livro coletivo.

http://youtu.be/8GkMQX7Egbo

Com informações de Célio Albuquerque e do Canal YouTube

Tags: Bossa Nova Célio Albuquerque Editora Sonora MPB Rio de Janeiro Samba YouTube
A+ A-