Professor Lailson defende indexação dos salários para preservar poder de compra do trabalhador

Diógenes Dantas,
Frankie Marcone/Nominuto
Segundo Lailson de Almeida, há um descompasso hoje entre o aumento da inflação e controle salarial.

O candidato do PSOL ao Senado, professor Lailson de Almeida, disse hoje (28) que defende a indexação dos salários para preservar o poder de compra do trabalhador. Segundo ele, há um descompasso hoje entre o aumento da inflação e controle salarial. "Os preços estão livres e os salários são controlados. Só quem perde é o trabalhador, que precisa lutar permanentemente por reajustes", comentou em entrevista ao Jornal 96, da 96 FM.

Lailson de Almeida defendeu a discussão urgente de uma reforma política. Ele é favorável ao financiamento público exclusivo de campanha, e à mudança na representação dos partidos na propaganda da TV. "O modelo hoje só beneficia os partidos tradicionais, que controlam o Congresso Nacional. Em relação ao financiamento das campanhas, é necessário que ela seja apenas público. O dinheiro que vem das empresas abre a porta da corrupção", declarou.

O professor do PSOL defendeu a Lei da Ficha Limpa, e regras mais claras para ocupação de cargos no serviço público brasileiro.

Lailson é contra a redução da maioridade penal para maiores de 16 anos, como prevê algumas propostas em discussão no Congresso Nacional. "A violência envolvendo menores só vai ser contida com investimentos em educação e melhorias dos indicadores sociais", opinou. Ele defendeu a aplicação dos 10% do PIB na educação, de acordo com proposta já aprovada no legislativo.

lailson_almeida_dd_770

O candidato do PSOL também criticou a proposta de endurecimento da legislação penal para punir os responsáveis por atos violentos em manifestações. "O que ocorre hoje é a criminalização dos manifestantes por parte da mídia e dos setores dos Judiciário e das autoridades da segurança pública. O PSOL é contra a ação de manifestantes violentos, mas é preciso evitar a criminalização de todos", observou Lailson. Ele afirmou que o PSOL não financia grupos radicais.

Lailson de Almeida espera que o Senado discuta um novo pacto federativo. "Do jeito que está não dá. A União fica com a maior parte das receitas. Nós precisamos buscar o equilíbrio entre os entes federados, aumentando os recursos para Estados e municípios", declarou o professor.

Amanhã, eu vou entrevistar professora Ana Célia (PSTU), na série de entrevistas com os candidatos ao Senado da República.

Confira a seguir o áudio da entrevista com Lailson de Almeida:


Manchetes da segunda-feira

Diógenes Dantas,

Nacionais:

veja_28_7_14O Globo: Incentivo a carros teve impacto de 0,02% no PIB

O Estado de São Paulo: Usinas do Rio Madeira têm dívida de mais de R$ 1 bi

Folha de São Paulo: Anac demora 6 anos para julgar queixa de passageiro

Correio Braziliense: Saúde afasta médica e apura morte de paciente

O Povo: Cacege desmata ilegalmente e terá de fazer replantio

A Tarde: Cabos eleitorais famosos influenciam campanha

Jornal do Commercio: Greve de ônibus e alerta de chuvas no Grande Recife


Revistas

Veja: Apagão na diplomacia

Época: Viva mais e melhor

Istoé: Há uma fadiga em relaçnao ao governo"

Carta Capital: Eleições 2014: e o mercado criou o dilmômetro


Minhas entrevistas no RN Acontece da Band Natal; reveja os vídeos

Diógenes Dantas,
Arte/Nominuto
O RN Acontece vai ao ar de segunda a sexta na Band Natal, a partir das 13h10.

Silvio Torquato

O Governo do Estado foi um dos parceiros dos empresários e entidades na elaboração do Mais RN, lançado na última sexta-feira (19), que figura como maior banco de dados sobre a economia do Rio Grande do Norte. No RN Acontece da Band da segunda-feira (21), secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Silvio Torquato comentou o assunto. 

O secretário falou o inicio do Mais RN. “Em março do ano passado, o secretário era Rogério Marinho, e nós concebemos o Mais RN e levamos para a Confederação das Indústrias. Na primeira reunião que tivemos com a Federação de cara o secretário Amaro Sales gostou da ideia. E ele foi mais além. Ele disse que a partir daquele momento seria o elo entre os demais segmentos da sociedade empresarial”. Já em abril do ano passado 12 empresas tinham aderido ao projeto.



Luciano Ramos

Recentemente o procurador-geral do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do Estado (MP/TCE), Luciano Ramos, entrou com pedido cautelar contra o pagamento do auxílio-moradia de membros do Ministério Público do Rio Grande do Norte. No RN Acontece da Band da terça-feira (22), o procurador comentou o assunto.

De acordo com Luciano, o pagamento é irregular já que se caracteriza como remuneratório e não indenizatório. “Existe uma previsão legal na Lei Orgânica do Ministério Publico Estadual essa previsão desde 1996. De lá para cá o Ministério Público do Estado não tinha procedido a uma regulamentação para efetuar esse pagamento e o fez em maio e os critérios que foram fixados para esse pagamento é que levam a desnaturar esse pagamento. Da maneira como foi estabelecido o critério para o pagamento do auxílio-moradia ao invés de ter caráter indenizatório, ele acaba por ter caráter remuneratório”, explicou.



Marcos Dionísio

O presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos defende a divulgação das informações sobre os casos de hominídeos. “Não é intuito do Conselho semear o pânico e o medo. Nós ocupamos uma vazio que havia no cenário estadual no sentido de oferecer à sociedade conhecimento sobre essa violência”.

Marcos também expôs os dados atualizados da violência na capital potiguar. “Durante todo o ano de 2001 Natal teve 145 homicídios. Esse ano já vamos para 342”.

Os dados do RN também foram destacados no RN Acontece da última quarta-feira (23). “No estado, hoje, já vamos para 1022 casos”.



Andréa Campos

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) está com toda a sua estrutura voltada para as eleições. Com mais de 2 milhões de eleitores para o pleito deste ano, o TRE alerta à população sobre possíveis golpes nesse período eleitoral. Para comentar o assunto, a diretora geral do TRE, Andréa Campos esteve no RN Acontece da Band da quinta-feira (24).

Andréa falou sobre o número de eleitores do RN. “Nós temos 2 milhões e 327 mil eleitores". Ainda de acordo com a diretora o estado registrou queda no número de eleitores em relação ao último pleito. “Houve um decréscimo em torno de 1,2%. Tivemos a revisão biométrica em 35 municípios e isso se deve mais a revisão. Em Natal, por exemplo, tivemos 84% de eleitores revisados, então, tivemos um percentual de 16% que tiveram o título cancelado”, explicou.



Amaro Sales

O programa Mais RN, iniciativa de planejamento estratégico para o desenvolvimento do Rio Grande do Norte, lançado na semana passada, na Casa da Indústria, pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (Fiern) foi destaque do RN Acontece da sexta-feira (25). Para comentar o assunto, o presidente da instituição, o empresário Amaro Sales. 

O presidente da Fiern destacou que um dos principais benefícios do programa é que os dados do estado estão disponíveis para toda a população, além de salientar que o Mais RN não se caracteriza como um plano de governo para gestores.


* O RN Acontece vai ao ar de segunda a sexta na Band Natal, a partir das 13h10.


Manchetes do domingo

Diógenes Dantas,

Locais:

omossoroense_28_7_14Tribuna do Norte: Descontrole, enquanto a reforma não vem

Novo Jornal: A Arena é sua por R$ 1 mil ou R$ 1 milhão

Gazeta do Oeste: Seca prejudica produção de arroz vermelho em Apodi

Jornal de Fato: 85 mil são registrados sem o nome do pai no RN

O Mossoroense: RN supera a marca de 1.000 homicídios em 2014


Nacionais:

O Globo: Candidatos declaram ter R$ 270 milhões 'no colchão'

O Estado de São Paulo: Gastos de campanhas no país crescem 382% em duas décadas

Folha de São Paulo: Servidores da prefeitura dão expediente na sede do PP

Estado de Minas: Corrida milionária ao Palácio Tiradentes

Correio Braziliense: O segredo de emagrecer sem perder a saúde

Zero Hora: Cadu volta a ver o mundo

O Povo: 1ª Guerra Mundial: O mundo ainda não aprendeu

Jornal do Commercio: Um lixão de paisagem

A Tarde: Um motorista é suspenso a cada hora por infrações

Jornal da Paraíba: Água, esgoto e coleta de lixo são desafios na PB


Revistas

Veja: Apagão na diplomacia

Época: Viva mais e melhor

Istoé: Há uma fadiga em relaçnao ao governo"

Carta Capital: Eleições 2014: e o mercado criou o dilmômetro


Debate da Band com os candidatos ao governo vai ocorrer no Guinza

Diógenes Dantas,

augusto_correia_lima_370O primeiro debate com os candidatos ao Governo do Rio Grande do Norte será realizado pela Band Natal no dia 14 de agosto, no espaço Guinza, a partir das 22h30.

O programa da emissora natalense será retransmitido ao vivo pela 96 FM e pelo portal de notícias Nominuto.com. Todos os candidatos ao governo - Robinson Faria (PSD), Robério Paulino (PSOL), Henrique Alves (PMDB), Simone Dutra (PSTU) e Araken Farias (PSL) - foram convidados.

De acordo com as resoluções do Tribunal Superior Eleitoral, em particular a de nº 23.404, que trata da propaganda eleitoral, a emissora só estaria obrigada a convidar os candidatos de partidos com representação na Câmara dos Deputados. Se fosse cumprir a regra, PSL e PSTU estariam de fora do evento.

Mas em respeito ao espírito democrático do pleito, o diretor da emissora, Augusto Correia (foto), decidiu convidar todos os candidatos a governador.

O programa terá 2h30 de duração e será dividido em seis blocos de perguntas dos jornalistas, dos telespectadores e da Fecomércio (Federação do Comércio do Rio Grande do Norte), parceira do evento jornalístico.


Manchetes do sábado

Diógenes Dantas,

Locais:

estadao_26_7_14Tribuna do Norte: TJ recebe 149 pedidos de auxílio-moradia

Novo Jornal: Educação corta salários de 340 fantasmas

Jornal de Fato: Oiticica é retomada na 2ª, diz governo

Gazeta do Oeste: Agência bancária em Alto do Rodrigues é explodida

O Mossoroense: Policiais plantonistas estão sem crédito alimentação há 20 dias 


Nacionais:

O Globo: Governo insiste em medidas de estímulo ao consumo

O Estado de São Paulo: Após manter juro alto, BC libera R$ 45 bi para crédito

Folha de São Paulo: Governo afrouxa regras para bancos ampliarem crédito

Correio Braziliense: BC libera R$ 45 bilhões para destravar economia

O Povo: Praça do Ferreira vira abrigo de moradores de rua

Jornal do Commercio: Banco Central abre porteira do crédito

A Tarde: Construção de 6 shoppings movimenta R$ 590 milhões

Jornal da Paraíba: Situação precária do Trauma preocupa CRM


Simone Dutra promete 70% da receita para gastos com saúde, educação e segurança

Diógenes Dantas,
Frankie Marcone/Nominuto
Simone Dutra, candidata ao governo pelo PSTU, disse ainda que 1/3 da população do Estado não tem acesso à educação.

A candidata ao governo Simone Dutra (PSTU) disse hoje (25) que vai destinar 70% do orçamento público para as áreas de saúde (25%), educação (30%) e de segurança pública (15%). Os 30% restantes atenderão as demais áreas, acredita a enfermeira e sindicalista da saúde. Ela pretende fechar essa conta aumentando os impostos para grandes empresas que atuam no Estado. Simone Dutra encerrou a rodada de entrevistas com os candidatos ao governo no Jornal 96, da 96 FM.

A candidata do PSTU defende investimentos da ordem de 25% para saúde. Segundo ela, há uma queda no percentual de aplicação de recursos na área da saúde. Em 2007, o governo estadual investiu 16%, e, no ano passado, apenas 12,9%. "O resultado disso são 200 mortes em média por mês no Hospital Walfredo Gurgel. O trabalhador da saúde tem de escolher quem vive e quem morre", declarou. No plano nacional, o PSTU defende 10% do PIB na saúde.

Simone Dutra disse ainda que 1/3 da população do Estado não tem acesso à educação. "O atual governo está fechando escolas públicas. Foram 36 no ano passado e podemos chegar a 86 escolas neste ano", denunciou a candidata. Nas contas de Simone, 30% da receita estadual deve ser destinada à educação.

Ela promete atacar o analfabetismo e criar escolas de tempo integral para ocupar o dia dos jovens. "Além do ensino formal, o Estado precisa garantir cultura, esporte e lazer nas unidades da rede estadual", comentou.

simone_radio_estudio_770

Para segurança pública, a candidata promete investir 15% da receita estadual, e defende a unificação das polícias civil e militar. "Nossa polícia é preparada para a guerra. Nós precisamos de uma polícia com caráter civil, voltada para o cidadão. Temos de mudar a mentalidade dos nossos policiais, que são treinados para reprimir e para guerra", declarou Dutra.

Black Block

A candidata do PSTU afirmou que seu partido não financia os grupos radicais nos protestos de rua. "Não só não financiamentos como abrimos uma polêmica com os black blocs. Não somos favoráveis às ações isoladas de manifestantes, e somos contras depredações. Nosso partido quer avançar com o apoio da sociedade, conscientizando o trabalhador", declarou Simone Dutra.

Ela apontou a criminalização dos movimentos sociais ao comentar o indiciamento de 16 ativistas que ocuparam a Câmara Municipal de Natal em outubro de 2013. "Não acho justo. As pessoas têm o direito de protestar e elas estavam ali em defesa do Passe Livre.

Se for eleita, Simone Dutra pretende manter o diálogo com os movimentos sociais e com os manifestantes. "Eu sou uma trabalhadora. Luto por melhores condições de trabalho e por melhores salários. O diálogo com as categorias será permanente", prometeu.

Empresas

Os empresários não terão vida fácil num eventual governo de Simone Dutra. "Nós vamos aumentar os impostos das grandes empresas nesse Estado. Elas terão de pagar mais. Por que eu, como trabalhadora, tenho de pagar 27% de imposto na folha e o empresário tem direito à isenção?".



Manchetes da sexta-feira

Diógenes Dantas,

Locais: 

tn_25_7_14Tribuna do Norte: Polícia indicia 16 por vandalismo na Câmara

Novo Jornal: Licitação dos ônibus, só nas Olímpiadas

Gazeta do Oeste: Polícia Civil em Mossoró está sem viaturas e munições

O Mossoroense: Jovem morre em troca de tiros com policiais militares

Jornal de Fato: Detran reprova 90% dos ônibus escolares


Nacionais:

O Globo: Israel diz que Brasil é irrelevante e criador de problemas

O Estado de São Paulo: Israel diz que Brasil é 'anão diplomático' e governo reage

Folha de São Paulo: Israel reage a crítica e diz que Brasil é 'irrelevante'

Correio Braziliense: Israel e Brasil abrem guerra diplomática

O Povo: Fiscalização das eleições comprometida no Ceará

Jornal do Commercio: "E há de pulsar o amor"

Jornal da Paraíba: Comércio vai exigir ficha criminal de funcionários


Henrique pretende votar "refis" dos clubes de futebol só depois das eleições

Diógenes Dantas,
Frankie Marcone/Nominuto
Se depender de Henrique Alves, o refinanciamento das dívidas dos clubes de futebol só será votada após as eleições.

O deputado federal Henrique Eduardo Alves, candidato ao governo pelo PMDB, defendeu hoje (24) a votação do projeto da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) de refinanciamento das dívidas dos clubes de futebol com a Previdência Social e a Receita Federal. O débito soma R$ 4,7 bilhões, quase a metade da receita anual do Estado do Rio Grande do Norte. "O projeto é amplo, prevê investimentos em vários setores do futebol e faz exigências aos clubes. Não trata apenas do refinanciamento das dívidas, é muito mais amplo", disse o parlamentar em entrevista ao Jornal 96, da 96 FM.

Henrique disse que a proposta não é só do interesse da CBF. Ele informou que foi procurado pelo ministro dos Esportes, Aldo Rebelo (PCdoB), e pelo deputado federal e ex-jogador Romário (PSB), crítico das ações da CBF, para que o projeto seja colocado em discussão da maneira mais rápida possível. Se depender de Henrique Alves, a matéria só será votada após as eleições. "Ela pode ser votada no esforço concentrado da Câmara em agosto ou em setembro, mas eu prefiro que ela seja apreciada após as eleições para não ser contaminada pela paixão política do momento", declarou Henrique.

O candidato do PMDB disse que vai usar todo seu poder de articulação política e a experiências de ex-governadores como José Agripino (DEM), Garibaldi Alves Filho (PMDB) e Wilma de Faria (PSB) para livrar o RN do caos financeiro e institucional no qual se encontra hoje. "Eu sou um privilegiado de contar com o apoio dos ex-governadores, coisa que outros candidatos não contam. Eles vão poder dizer: 'Henrique, por aí não que eu já tentei e não consegui'. Eu não vou governar olhando para o retrovisor. Nós temos de olhar para frente. Eventuais mágoas e divergências políticas ficaram no passado. Elas precisam ficar no passado", declarou.

HA_microfones_770

Henrique Eduardo Alves falou que vai ampliar o sistema de adutoras do Estado, iniciado na gestão do primo e ex-governador Garibaldi Filho. "Já estamos cuidado de uma solução para o abastecimento d'água em Currais Novos. Falei com o ministro da Integração Nacional (Francisco José Teixeira) para agilizar a implantação de uma adutora de engate rápido, trazendo água da barragem Armando Ribeiro Gonçalves", informou o candidato.

O candidato do PMDB disse que o RN possui uma rede de 27 hospitais regionais que precisa de reestruturação urgente. "Proporcionalmente, o nosso Estado é um dos que possui maior número de hospitais. Pode até ser um exagero. Não vamos fechar hospitais, mas é preciso reestruturar toda rede para garantir médico, enfermeiro, medicamento e o pleno funcionamento", comentou.

Segundo dados repassados pelo secretário estadual de saúde, Luiz Roberto Fonseca, o Estado precisa de R$ 40 milhões mensais para custear a saúde, dos quais R$ 10 milhões para pagar dívidas e R$ 30 milhões para bancar os custos da máquina. "Hoje, o Estado não está repassando os R$ 30 milhões. Está repassando R$ 16 milhões", informou.

Henrique Eduardo Alves falou também sobre as propostas para educação e segurança pública.


Manchetes da quinta-feira

Diógenes Dantas,

Locais: 

jc_24_7_14Tribuna do Norte: MPE calcula gastar R$ 379 mil com auxílio este mês

Novo Jornal: R$ 0,15 por 50 ônibus novos

Jornal de Fato: Francisco José terá de provar filiação

Gazeta do Oeste: MP não abre mão de vagas para deficientes

Ariano Suassuna: "Tudo o que é vivo morre"


Nacionais:

O Globo: TCU isenta Dilma e culpa ex-diretores da Petrobras

O Estado de São Paulo: TCU responsabiliza Gabrielli e mais 10 por perda de Pasadena

Folha de São Paulo: TCU condena 11 executivos da Petrobras por refinaria

Correio Braziliense: O Quixote brasileiro

O Povo: Fortaleza: Seis avenidas vão ganhar faixa exclusiva até outubro

Jornal do Commercio: Ariano Suassuna: Só sei que foi assim

A Tarde: Tribunal condena 11 diretores da Petrobras

Jornal da Paraíba: Acabou-se o grilo mais inteligente do mundo


Robério Paulino diz que não vai reprimir manifestações num eventual governo

Diógenes Dantas,
Frankie Marcone/Nominuto
Robério Paulino disse que vai trabalhar em parceria com os sindicatos e que não teme as paralisações.

O candidato do PSOL ao governo estadual, Robério Paulino, disse hoje (23) que prefere ser "deposto" a ter de reprimir os movimentos sociais em manifestações caso seja eleito governador. Ele disse que vai governar em parceria com os movimentos e que a melhoria dos indicadores sociais vai diminuir a raiva dos jovens que estão na rua.

Paulino garantiu que seu partido, o PSOL, não financia a ação de grupos radicais e que não concorda com a ação violenta dos 'black blocs'. "Sou a favor das manifestações, mas é preciso atentar para criminalização dos movimentos sociais por parte da grande mídia e de setores do judiciário", declarou Robério Paulino em entrevista a mim no Jornal 96, da 96 FM.

Sobre as greves num eventual governo, Robério Paulino disse que vai trabalhar em parceria com os sindicatos e que não teme as paralisações. O candidato do PSOL estará em permanente negociação com as categorias dos servidores estaduais.

roberio_dd_radio_770

O professor disse que o combate à violência depende mais de investimentos nas áreas sociais. O foco do PSOL será na área de educação e investimentos em cultura e esportes. Ele pretende melhorar as condições salariais dos policiais militares e civis. "O PSOL, ao lado do PSTU, tem marcado presença nas lutas salariais das categorias militares", ressaltou.

Robério Paulino prometeu acabar com o analfabetismo em quatro anos. "Eu sou o único que mostrei no programa de governo como fazer isso (atacar o analfabetismo). O senhor Henrique Alves ouviu a minha proposta e está falando a mesma coisa, mas ele apoiou os governos passados e não mudou este cenário", atacou Robério.

O candidato do PSOL disse que uma de suas maiores preocupações é o combate à seca. Ele acredita que as experiências de países como Israel podem ser adaptadas ao Rio Grande do Norte. A ideia dele é espalhar cisternas em todas as residências do semi-árido.

Além do programa de combate à seca, Robério Paulino defende a duplicação da BR 304.

Confira a entrevista com Robério Paulino. Amanhã (24), eu vou entrevistar Henrique Eduardo Alves (PMDB), e na sexta-feira (25), Simone Dutra (PSTU).


Manchetes da quarta-feira

Diógenes Dantas,

Locais: 

folha_23_7_14Tribuna do Norte: Empresas já fecharam 22 linhas intermunicipais

Novo Jornal: Câmara Federal tem disputa de doze por 1 no RN

Gazeta do Oeste: Suspeito de assaltar bancos são presos em Mossoró

O Mossoroense: Jovem preso com um quilo de cocaína

Jornal de Fato: Terrenos do distrito deverão ser devolvidos


Nacionais:

O Globo: Mais brasileiros trocam de emprego em até 1 ano

O Estado de São Paulo: Ibope aponta quadro estável; Dilma lidera no 1º e 2º turnos

Folha de São Paulo: Deputado relata propina por apoio a aliado de Campos

Estado de Minas: Outra alça do viaduto tem alto risco de cair

Correio Braziliense: Cargo de deputado no DF é o mais cobiçado do país

O Povo: Vítimas da violência: A história de quem não consegue ter seu caso investigado

Jornal do Commercio: Tubarões vigiados online

A Tarde: Programa beneficiará 53 mil crianças

Jornal da Paraíba: Dom Aldo alerta para uso eleitoral da Igreja


Robinson Faria diz que não vai rejeitar o voto de Rosalba Ciarlini

Diógenes Dantas,
G.Lima/Nominuto
Robinson falou na instalação de um novo porto no litoral do Estado, mas revelou que não está convencido sobre a localização em Porto do Mangue.

O candidato do PSD ao governo, Robinson Faria, disse hoje (22) que não vai rejeitar o voto da governadora Rosalba Ciarlini nas eleições deste ano. "Rosalba é uma cidadã, é uma mulher. Ela, ou Maria, ou Marisa ou qualquer pessoa tem o livre arbítrio para votar em quem quiser. Eu não sou prepotente ou arrogante para rejeitar o voto de ninguém", disse o candidato em entrevista a mim no Jornal 96.

Robinson Faria lembrou que emprestou seu capital político para eleger Rosalba em 2010 e saiu do governo por divergir. "O candidato do acordão não votou em Rosalba, aderiu e indicou nomes para 7 secretarias do governo. Passou quatro anos no governo e, de maneira oportunista, rompeu para apresentar um discurso de oposição", alfinetou o candidato.

Na entrevista que me concedeu hoje, Robinson Faria falou sobre suas propostas para segurança pública, educação e saúde. "Vou criar um serviço de entrega de medicamentos, via correio, para idosos e portadores de doenças que não podem enfrentar as longas filas da Unicat", prometeu.

Robinson Faria prometeu dar prioridade ao turismo norte-rio-grandense. "Vou baixar a alíquota do querosene de aviação para atrair novos voos para o Estado, como fizeram estados vizinhos", também prometeu.

robinson_radio_microfone_770

O candidato do PSD falou na instalação de um novo porto no litoral do Estado, mas revelou que não está convencido sobre a localização em Porto do Mangue. Robinson Faria quer dar atenção especial aos investimentos no setor de energia eólica.

Faria disse que não se arrepende de ter apoiado a aprovação de quase 30 planos de cargos e salários do serviço público estadual. "Vou governar em sintonia com o servidor público", disse. Robinson prometeu aumentar os efetivos das polícias militar e civil.


Manchetes da terça-feira

Diógenes Dantas,

Locais: 

tn_22_7_14Tribuna do Norte: TCE/RN convoca procurador geral para explicar auxílio

Novo Jornal: Só falta o turista

Jornal de Fato: RN supera a marca dos mil assassinatos

Gazeta do Oeste: Comerciante pode ter sido assassinado por ato de vingança

O Mossoroense: Mandante da morte de Roberto do Detran é assassinado em Grossos


Nacionais:

O Globo: Governo já vê economia brasileira em recessão

O Estado de São Paulo: Hamas e Israel rejeitam trégua; 600 já morreram

Folha de São Paulo: Projeção do PIB cai, e governo não prevê melhora até eleição

Estado de Minas: Sonhos adiados

Correio Braziliense: Projeção indica que país crescerá apenas 0,97%

O Povo: Seleção Brasileira: O que esperar de uma segunda era Dunga

Jornal do Commercio: Inflação já sufoca classe C

A Tarde: Preço do litro de gasolina tem variação de 28% em Salvador

Jornal da Paraíba: Após tarifa de R$ 2,35, AECT quer novo reajuste


Contribuinte vai pagar dívida bilionária dos clubes de futebol com aval de Henrique

Diógenes Dantas,
Reprodução/Época
Programa de refinanciamento das dívidas dos clubes de futebol vai custar R$ 4,7 bilhões ao bolso do contribuinte.

No dia 16 de maio, eu postei aqui neste espaço a seguinte notícia:

O deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB), presidente da Câmara dos Deputados, se reuniu hoje (16) com dirigentes da Confederação Brasileira de Futebol, em São Paulo. O técnico da Seleção Brasileira, Luiz Felipe Scolari, participou do encontro.

O parlamentar discutiu a proposta de refinanciamento das dívidas dos clubes. O chamado "Proforte", projeto de reestruturação dos times brasileiros, pretende gerar renda, empregos e qualificar jovens atletas.

O assunto será levado ao ministro da Fazenda, Guido Mantega.

ha_cbf_770

Pois bem. O tal do Proforte, programa de refinanciamento das dívidas dos clubes de futebol com a Previdência e a Receita Federal, tem um número, informa o jornalista Felipe Patury, em sua prestigiada coluna em Época. Aliás, um baita número: R$ 4,7 bilhões.

Só para o caro leitor ter uma ideia, trata-se de quase a metade dos R$ 10,7 bilhões da receita anual estimada para o Estado do Rio Grande do Norte, conforme valores aprovados recentemente na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2015.

A renegociação conta com o aval do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves. Segundo Patury, o parlamentar potiguar pretende colocar o refinanciamento das dívidas dos clubes na pauta ainda em agosto.

É bom lembrar que a conta do refinanciamento vai pesar no bolso do contribuinte brasileiro. O futebol no Brasil é negócio privado - rende milhões aos cofres das CBF, da maioria das federações e de alguns clubes, mas as dívidas dos clubes é partilhada pelo cidadão brasileiro. Isso é um tremenda injustiça, para não dizer sacanagem.


Araken Farias promete hospital de trauma na região central do Estado

Diógenes Dantas,
G.Lima/Nominuto
Na saúde, Araken Farias falou que pretende construir um hospital de traumas na região central, provavelmente no vale do Assu.

Eu comecei hoje (21) uma série de entrevistas com os candidatos ao governo estadual no Jornal 96, da 96 FM. Meu primeiro convidado foi o advogado Araken Farias, candidato do PSL - Partido Social Liberal.

A legenda de Araken tem apenas 28 diretórios municipais no Estado. Mesmo assim, ele acredita que tem boas chances de levar as propostas do PSL aos recantos do Rio Grande do Norte.

O ex-diretor estadual do Procon falou sobre sua experiência no Governo Rosalba. Araken destacou que economizou no custeio do órgão para investir na melhoria do atendimento ao público.

Ele aposta numa reforma administrativa para melhorar a eficiência do serviço público, valorizando as carreiras dos servidores. Araken Farias prometeu pagar a folha dos servidores em dia e também a de fornecedores do Estado.

Na saúde, Araken falou que pretende construir um hospital de traumas na região central, provavelmente no vale do Assu. Se for eleito, ele pretende também criar um hospital exclusivo para idosos, a exemplo do que ocorre para mulheres.

Araken Farias discorreu também suas propostas para eduação, energias renováveis e segurança pública. O candidato do PSL falou na criação de um novo ramal ferroviário ligando as principais cidades do RN, e prometeu um porto seco. Ele acha importante a duplicação da BR-304. "Há candidato dizendo que essa obra já começou. Ainda não começou. Nem a presidente Dilma assinou a ordem de serviço", comentou.

Araken Farias falou por 25 minutos, mesmo tempo que será concedido aos demais candidatos ao governo. Amanhã (22) será a vez de Robinson Faria (PSD); na quarta-feira (23), Robério Paulino (PSOL); Henrique Eduardo Alves (PMDB) na quinta-feira (24); e Simone Dutra (PSTU) na sexta-feira (25).


Manchetes da segunda-feira

Diógenes Dantas,

Nacionais:

veja_21_7_14O Globo: Indústria reduz produção e vende energia

O Estado de São Paulo: PT e PMDB são adversários em Estados com 75% dos eleitores

Folha de São Paulo: Conflito na faixa de Gaza cresce e tem o dia mais violento

Estado de Minas: Álcool e drogas estão matando mais em BH

Zero Hora: Muitos planos, pouco dinheiro

O Povo: Fortaleza: O que você pode fazer para tornar sua cidade melhor

A Tarde: Licitação reduzirá trajeto das linhas de ônibus

Jornal do Commercio: Família é resgatada, mas bebê morre


Revistas:

Veja: A culpa de Putin

Época: Quem sairá bem na foto?

Istoé: Os limites da rivalidade

Carta Capital: Gaza: Tensão no limite


Araken Farias e Silvio Torquato são meus entrevistados na segunda-feira

Diógenes Dantas,

Meus entrevistados na segunda-feira (21): o candidato ao governo pelo PSL, Araken Farias, iniciando a série de entrevistas com os governadoráveis no Jornal 96. O programa começa às 7h30, na 96 FM.

Na Band, meu convidado é o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Silvio Torquato. O RN Acontece começa às 13h10, na Band Natal.

Eu conto com sua audiência.


Candidato do PMDB se aborrece com cerimonial do Mais RN

Diógenes Dantas,

MaisRN_henrique_370Quem viu a cena não entendeu bem. Ao chegar na solenidade do Mais RN na Fiern, sexta-feira (18), o deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB) pediu ao cerimonial do evento que fosse apresentado apenas como presidente da Câmara dos Deputados. Nada de candidato ao governo.

Na hora da apresentação, o cerimonialista esqueceu o combinado e sapecou o "candidato ao governo pelo PMDB" na hora de apresentar Henrique Alves.

O deputado olhou com cara de poucos amigos para o palco e para o presidente da Fiern, Amaro Sales. Resultado: Henrique não demorou 15 minutos na cerimônia. 

O engenheiro Jaime Mariz ficou encarregado de receber os dados do Mais RN em nome do candidato do PMDB.


Henrique Eduardo Alves conta sua trajetória em vídeos da campanha

Diógenes Dantas,
Diulgação
Henrique Alves conta momentos de sua vida pública em mini-documentários disponíveis no site de campanha.

Histórias, curiosidades e momentos marcantes da vida pública e pessoal do candidato do PMDB ao governo são contados no programa ‘Henrique por ele mesmo’, uma série de mini-documentários disponíveis no site www.henriquegovernador.com.br.

Orgulhoso, Henrique se gaba da época em que foi campeão de futebol de salão pelo Aeroclube. Saudoso, relembra a figura do pai dedicado à política e da mãe que lhe deu força nos momentos difíceis. Emocionado, relata o comício que não esqueceu.

Os filmes misturam o depoimento de Henrique, apresentado sempre de forma descontraída, algumas vezes com emoção, e imagens antigas e recentes dos fatos relacionados ao tema exibido. A série já conta com seis episódios.

Mais programas serão exibidos ao longo da campanha.

1-20 de 2114