Plano Diretor de Natal ou salta para a modernidade ou Natal vira uma Coréia do Norte

Airton Bulhões,

O atual Plano Diretor de Natal que está em fase de atualização foi condenado durante a realização do “DesEnvolve Natal” realizado pela Fecomércio e IAB RN, com apoio do Crea que reuniu especialistas, empresários e autoridades nesta segunda, no Hotel Senac Barreira Roxa nesta segunda-feira.

  “Ultrapassado” -  esta é a palavra que define nosso atual Plano Diretor e que trouxe  10 anos de atraso para Natal, caçar culpados não adianta mais agora é olhar pra frente.

  Se os ecochatos de plantão que querem deixar Natal igual a Coréia do Norte que parou no tempo e não atrapalharem poderemos ter boas surpresas com o novo Plano Diretor que depois de ser debatido por vários segmentos da sociedade natalense vai para a Câmara Municipal.

  Ali é que reside o perigo: não vai ser fácil ser fácil botar na cabeça desses vereadores do contra que do jeito que está Natal não se tornará moderna, condenada a ser a pior capital do Nordeste onde o desenvolvimento parou no tempo.

,  O professor, mestre e doutor pela FAU-USP, urbanista Carlos Leite falou sobre “Planos Diretores Espacializados: Instrumentos Inovadores, Mobilidade e Urbanismo”.

   Carlos Leite falou durante o evento “DesEnvolve Natal” sobre “Planos Diretores Espacializados: Instrumentos Inovadores, Mobilidade e Urbanismo”. Ele foi o mais enfático ao abordar a necessidade de uma visão mais desenvolvimentista para os planos diretores.

  “Estimular a vida nas cidades deve ser o foco de todo o conjunto de leis que regem a ocupação urbana. E trazer as pessoas para perto de onde elas trabalham e onde há infraestrutura é o primeiro passo para isso. Enquanto as pessoas viverem entre muros e saírem destes muros para dentro de shoppings e o fizerem de carro, as cidades estarão morrendo um pouco mais a cada dia” disse ele.

  Carlos Leite também destacou o fato de que o índice de adensamento de uma cidade diz muito sobre o quanto ela está sendo ocupado pelas pessoas e, por consequência, o quanto de vida elas têm.

   “Natal tem hoje uma taxa média de adensamento de 48 a 50 pessoas por hectare quadrado. No mundo todo, os principais órgãos classificam como aceitável um índice de adensamento de 200 pessoas por hectare. Uma cidade com este índice de Natal já está com a luz amarela acesa. Precisa de mudanças urgentes”, disse o especialista.

   Para o prefeito de Natal, Álvaro disse que o plano diretor atual penaliza muito a cidade de Natal, e ele está contribuindo para que Natal perca habitantes. As restrições que ele impõe estão fazendo com que as cidades ao redor ganhem população e Natal perca.

  “O bairro de Nova Parnamirim, por exemplo, só existe por causa das restrições impostas pelo plano diretor de Natal. Lá vemos ruas modernas, bonitas, com prédios e um comércio pujante. Esse é o tipo de coisa que está sendo limitada em Natal por causa do plano diretor atual”, disse o prefeito.

  O presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz enalteceu a importância de promover encontros focados em definir soluções e melhorias na revisão do referido Projeto. “Realizamos este evento buscando consolidar um conjunto de sugestões que levam a uma cidade inclusiva e melhor para todos. Nossa ideia é nos aprofundarmos sobre este tema que, a meu ver, é um dos assuntos mais importantes do momento na capital potiguar”.

HUajulM.jpg

A+ A-