BB, BNB e CEF apresentam adoções de medidas junto à Fecomércio RN para atender empresários

Airton Bulhões,

  Provocada pela Federação do Comércio do RN junto o Banco do Brasil no Rio Grande do Norte, Banco do Nordeste, além da Caixa Econômica Federal que já tinha se manifestado antes responderam ao presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, sobre a adoção de medidas de apoio à economia do estado, com o objetivo de reduzir os impactos causados pelo Covida-19 no estado potiguar.

 Informações bastante úteis para empresas, clientes mostrando todas as providências tomadas até agora durante a quarentena da Covid-19.

Para o presidente da Fecomércio RN, a justi ficativa para a solicitação que os bancos tomem estas medidas é prestar um apoio financeiro às empresas dos segmentos do Comércio, Serviços e Turismo, que estão enfrentando momentos difíceis com a propagação do Coronavírus.

   As empresas, de todos os portes, passam por uma crise nunca antes vista e toda ajuda é de grande valia para que a recuperação seja o mais breve possível”

VEJA AS MEDIDAS TOMADAS PELAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

Banco do Brasil

  Lançamento de linha "Prorrogação Especial Convid 19", que transfere duas  parcelas para o final do cronograma original, mantendo mesma taxa de juros original e diluídos ao longo do prazo contratado. Opção voltada às operações adimplentes;

 Continuidade da concessão novas e atuais linhas de crédito e de renegociação mesmo com agências fechadas, com aporte de capital do BB em R$ 100 bilhões, sendo R$ 45 bilhões dirigidos ao mercado Pessoa Jurídica, em especial às empresas média e microempresa;

  Linhas de reperfilamento/reescalonamento/renegociação para repactuação de prazo (de 12 a 60 meses), carência (até 120 dias) e garantias (fiança/aval e manutenção das garantias originais);

Prorrogação da validade das Certidões Negativas de Débito (CND) e do Certificado de Regularidade do FGTS (CRF) por 90 dias.

Dispensa de certidão quinzenária para constituição de hipoteca.

Liberação de operação com registro cartorário posterior e sem a apresentação de seu protocolo na liberação (prazo flexibilizado de 120 dias para a efetivação do registro).

Prorrogação do vencimento de operações de Adiantamento Sobre Contrato de Câmbio (ACC) por até 60 dias nos casos de atraso no embarque de mercadoria (Circular BACEN 3691, artigo 99, parágrafo único).

Manutenção do apoio às empresas a partir da concessão de novas operações em giro (crédito novo) com carência até 90 dias, prazo de até 36 meses e juros a partir de 0,76%am.

Banco do Nordeste

 Para as empresas que necessitam de novos recursos, o BNB oferece crédito para capital de giro, com recursos internos, com até 6 meses de carência para o início do pagamento das novas operações;

Com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), o capital de giro, para resguardar o fluxo de caixa das empresas, pode ser concedido com prazo máximo de 36 meses, incluindo até 3 meses de carência;

Quanto às taxas de juros, ressalte-se que a Medida Provisória (MP) nº 812, de 27 de dezembro de 2017, fortaleceu o FNE como um dos principais instrumentos de combate às desigualdades regionais no país, introduzindo em seu cálculo um coeficiente redutor dos juros que oferece condições diferenciadas de financiamento para a região. De modo que, no atual cenário, as taxas praticadas pelo Banco do Nordeste já consistem entre as mais competitivas do mercado.

No que tange à dispensa de comprovação da regularidade fiscal e creditícia para liberação dos recursos, informa-se que algumas exigências são respaldadas em instrumentos legais. As flexibilizações que possam ser admitidas por decisão administrativa serão devidamente avaliadas.

No intuito de simplificar o acesso ao crédito, especialmente para clientes não rurais, o Banco elevou de R$ 50 mil para R$ 100 mil o valor das contratações sem a obrigatoriedade de vinculação de garantias reais, podendo tal garantia ser composta de forma fidejussória (aval e fiança), a partir da análise de suficiência. Paralelamente, reduziu-se o pacote de tarifas para as operações de crédito, com a aplicação de tetos diferenciados de acordo com o porte dos clientes, de modo a adequar e compatibilizar os valores ao faturamento, em especial dos micro e pequenos empreendedores.

Para os microempreendedores urbanos, público do CREDIAMIGO do Banco do Nordeste, adotou-se novas medidas em relação aos processos de contratação e ao volume de recursos a ser liberados. O prazo médio das operações foi ampliado de 5 para 7 meses e serão antecipadas as renovações das operações a vencer entre abril e junho de 2020. Com isso, o Banco espera disponibilizar ao segmento, até setembro do corrente ano, cerca de R$ 8 bilhões.

RENEGOCIAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO JÁ CONTRATADAS

 Sobre a renegociação dos contratos vigentes, impactados pela situação atual, informa-se que será realizada, via solicitação do cliente, concedendo-se 90 ou 180 dias de carência a depender da natureza do crédito.

Pedimos ainda que nossas instituições parceiras orientem os clientes a utilizarem os canais eletrônicos (telefone da agência, Whatsapp dos gestores, e-mail).

O Banco do Nordeste está sensível aos impactos enfrentados pelo setor produtivo do país e aberto às demandas apresentadas pelas entidades de representações de classes.

  A Superintendência Estadual do Rio Grande do Norte fica à disposição para receber as proposições e sugestões do setor empresarial e conta com a parceria estabelecida com a Fecomércio RN para divulgação das medidas neste documento destacadas.

Caixa Econômica Federal

Ações para Pessoas Físicas

Possibilidade de pausa de até 60 dias nas operações parceladas de crédito pessoal;

Ampliação das linhas de crédito consignado, incluindo as linhas para aposentados e pensionistas do INSS com as melhores taxas do mercado;

Redução de taxa de juros nas linhas de crédito pessoal (crédito consignado a partir de 0,99% a.m., penhor a partir de 1,99% a.m. e CDC a partir de 2,17% a.m);

Disponibilização gratuita do cartão virtual de débito Caixa aos correntistas e poupadores, que possibilita compras online nos sites de e-commerce de forma prática e segura. O cliente pode habilitar o uso do cartão diretamente no Internet Banking CAIXA;

Renovação do contrato de penhor diretamente no site da CAIXA e canal Telesserviço, evitando a necessidade de o cliente comparecer à uma agência bancária.

Ações para Empresas

A Caixa dará apoio às micro e pequenas empresas, com redução de juros de até 45% nas linhas de capital de giro, com taxas a partir de 0,57% a.m;

Disponibilização de carência de até 60 dias nas operações parceladas de capital de giro e renegociação;

Disponibilização de linhas de crédito especiais, com até 6 meses de carência, para empresas que atuam nos setores de comércio e prestação de serviços;

Linhas de aquisição de máquinas e equipamentos, com taxas reduzidas e até 60 meses para pagamento.

Habitação

Para contratos habitacionais de pessoa física, os clientes poderão solicitar a pausa estendida de até duas prestações pelo APP Habitação CAIXA, sem a necessidade de comparecimento às agências;

Empresas poderão solicitar pausa estendida de até duas prestações em seus contratos habitacionais. 

Caixa Hospitais

Liberação de R$ 3 bilhões em orçamento em linhas destinadas a Santas Casas e Hospitais Filantrópicos que prestam serviço ao SUS, para reestruturação de dívidas e novos recursos;

Taxa de juros de 0,80% a.m. para prazos de até 60 meses (redução de 14%);

Taxa de juros de 0,87% a.m. para prazos de até 120 meses (redução de 23%);

Prazo de pagamento de até 120 meses e carência de até seis meses;

Atendimento aos clientes

Para minimizar os riscos de contaminação e exposição dos nossos clientes ao vírus COVID-19, a CAIXA recomenda a utilização dos canais digitais como Internet Banking, App CAIXA e terminais de autoatendimento.

lOv662r.jpg

PIB da Fundação Getúlio Vargas aponta crescimento da atividade econômica em janeiro

Airton Bulhões,

   Apesar da pandemia do Covid-19 o  Monitor do PIB-FGV (Fundação Getúlio Vargas) aponta, na análise da série dessazonalizada, crescimento de 0,7%, na atividade econômica em janeiro no País em comparação a dezembro e de 0,2% no trimestre móvel findo em janeiro, em comparação ao findo em outubro.

  Na comparação interanual a economia também apresentou crescimento de 1,2% tanto em janeiro quanto no trimestre móvel findo em janeiro.

   Segundo Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIN-FGN a economia inicia 2020 com resultado positivo em janeiro (1,1% na taxa acumulada em 12 meses) na comparação com dezembro evidenciando a continuidade da lenta e medíocre retomada que vinha tendo desde 2017, quando se iniciou o período expansivo após a recessão iniciada em 2014.

  No entanto, mesmo o fraco crescimento econômico deste trimestre móvel findo em janeiro, que foi impulsionado tanto pelo consumo quanto pelo investimento, não se sustentará ao longo do ano frente aos desafios econômicos e sociais que estarão sendo sentidos a partir de março, com a chegada da Pandemia do Covid-19.

  A economia cresceu 0,7% em janeiro, na comparação com dezembro, e 1,2%, na comparação com janeiro de 2019. Tanto na comparação ajustada sazonalmente, quanto na interanual, houve crescimento das três grandes atividades econômicas (agropecuária, indústria e serviços). Pela ótica da demanda, o único componente a apresentar retração nas duas bases de comparação foi à exportação.

ANÁLISE DESAGREGADA DOS COMPONENTES DA DEMANDA

Consumo das famílias

O consumo das famílias cresceu 1,4% no trimestre móvel findo em janeiro, em comparação ao mesmo trimestre do ano anterior.

  Destaca-se, neste resultado, que o consumo de produtos não duráveis (que representa cerca de 30% do consumo das famílias)

Exportação

A exportação apresentou queda de 8,8% no trimestre móvel findo em janeiro, em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. Essa é a maior retração, nesta comparação, desde o quarto trimestre de 2014.

  A exportação está em queda desde o trimestre móvel findo em julho e, no trimestre findo em janeiro, destacam-se as retrações significativas dos bens de capital, produtos agropecuários e bens intermediários. Apenas a exportação dos bens de consumo apresentou crescimento neste trimestre.

Importação

A importação retraiu 2,0% no trimestre móvel findo em janeiro, comparativamente ao mesmo trimestre do ano anterior. Houve retração nas importações de bens de capital e de serviços.

  Houve ainda desaceleração da importação de bens intermediários, que embora tenha crescido no trimestre (2,8%) está entre as taxas menores que as apresentadas em 2019.

3etJWqW.jpg

Malha aérea de voos para as capitais tem redução até final de abril

Airton Bulhões,

   A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) divulgou  a malha aérea essencial para que o país possa continuar conectado, durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

  Serão 1.241 voos semanais para as capitais dos 26 estados mais o Distrito Federal, além de outras 19 cidades, valendo a partir de sábado  até o fim de abril.

Essa operação é 91,6% inferior à malha aérea normalmente operada pelas empresas nacionais no mesmo período de 2019, quando havia 14.781 frequências por semana. Em relação à quantidade de localidades atendidas, a queda é de 56%: de 106 para 46. Abaixo, a lista de voos por região:

Sudeste: 723
Sul: 155
Nordeste: 153
Centro-Oeste: 135
Norte: 75

  “As empresas aéreas estão fazendo um esforço conjunto para manter o país conectado e não deixar nenhum estado brasileiro sem atendimento. As companhias vão continuar queimando dezenas de milhões de reais de caixa, pois mesmo com a redução da malha a ocupação das aeronaves continuará baixa. Por isso, o setor necessita que sejam disponibilizadas linhas de crédito para que as empresas possam suportar os próximos meses”, afirma o presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), Eduardo Sanovicz.

7tYNhqo.jpg

IBGE afirma que área agrícola do RN cresceu 79 quilômetros quadrados em dois anos

Airton Bulhões,

  Segundo o IBGE a área agrícola do Rio Grande do Norte avançou 79 quilômetros quadrados entre 2016 e 2018 é o que mostra o relatório do Monitoramento da Cobertura e Uso da Terra para 2018.

  Em 2016, o estado tinha 2.669 quilômetros quadrados de área agrícola, o que representava 5% do território potiguar. Em 2018, eram 2.748 quilômetros quadrados destinados à atividade econômica, ou 5,2% de todo o estado. Nesse período, o crescimento foi de 2,96% da área agrícola.

Mostra o estudo que a  vegetação campestre (formada natural e predominantemente por arbustos) perdeu 13 quilômetros quadrados, entre 2016 e 2018, para a área agrícola e para área de mosaico de ocupações em área campestre (ocupação mista de área agrícola, composta por pastagem e/ou silvicultura – replantio de vegetação nativa ou exótica para fins comerciais).

  Ao considerar toda a série histórica, do ano 2000 a 2018, a redução da vegetação campestre foi a maior mudança. Em 2000, havia 33.376 quilômetros quadrados desse tipo de vegetação, o que significava 63,23% do território norte-rio-grandense.

 Em 2018, eram 30.797 quilômetros quadrados, 58,35% do território estadual. 

  As ocupações em área campestre se destacam com o aumento de 1.791 quilômetros quadrados entre 2000 a 2018: partiu de 10.393 quilômetros quadrados, 19,69% da superfície do RN, e chegou a 12.184 quilômetros quadrados, 23% da terra do estado.

SAIBA MAIS

  O objetivo do trabalho é acompanhar a dinâmica do território, seus processos de ocupação e suas transformações por meio de um monitoramento espacial e quantitativo da cobertura vegetal e do uso da terra em todo o Brasil. 

  Desde 2010, o estudo é feito pelo IBGE a cada dois anos. A análise da série histórica permite observar a evolução e os padrões de ocupação do território brasileiro.

  A metodologia envolve interpretação visual de imagens de satélite, campanhas de campo e consulta a informações complementares. Os dados são divulgados em Grade Estatística, que cobre o território brasileiro com células de 1km². Como produtos, são disponibilizados os mapas, gráficos e tabelas de Contas Físicas. 

--



Plataforma iFood lança programa que beneficia 132 mil estabelecimentos no País

Airton Bulhões,

 iFood lança programa para dar apoio aos estabelecimentos cadastrados em sua plataforma irão beneficiar mais de 132 mil restaurantes em todo o Brasil - atualmente, o app reúne 147 mil estabelecimentos, em meio à pandemia causada pelo Covid-19. 

  Serão destinados mais de R$50 milhões de sua receita em prol dos restaurante a partir de 2 de abril três grandes iniciativas serão implementadas pela iFood.

ANTECIPAÇÃO DE PAGAMENTOS

  A empresa irá antecipar os recebimentos dos restaurantes, sem custo adicional. Dessa forma, todo negócio que optar pelo benefício, receberá seu pagamento 7 dias após as vendas durante os meses de abril e maio. Com isso, a expectativa é investir até R$ 600 milhões no mercado brasileiro em antecipações.

  Restaurantes de todo o Brasil poderão pedir ao iFood a antecipação do repasse utilizando o Portal do Parceiro. O benefício será válido para todos os parceiros com mais de 30 dias na plataforma que realizaram vendas a partir de 01 de março. Para executar a ação o iFood fez uma parceria com o Itaú, que viabilizou através da empresa de meios de pagamento, Rede.

FUNDO DE APOIO PARA PEQUENOS E MÉDIOS ESTABELECIMENTOS

O iFood destinará R$ 50 milhões de sua receita na forma de um fundo de assistência a restaurantes. Com duração inicial de dois meses (até 31 de maio, podendo ser prorrogado), a iniciativa beneficiará restaurantes parceiros de todo o Brasil, em especial pequenos e médios estabelecimentos que estão no iFood ou ainda os que entrarem durante o período.

Os valores do auxílio dependerão do valor de comissão que o restaurante paga atualmente ao iFood. O benefício será calculado com base no valor de cada pedido vendido. A expectativa é que ao menos 100 mil estabelecimentos tenham retorno de 20%, em média, nas taxas de cada compra realizada, gerando assim maior lucro por pedido realizado.

Os restaurantes receberão o benefício de forma automática, ou seja, não precisarão fazer nenhum tipo de solicitação para começar a receber. Além disso, caso um empreendedor tenha mais de um restaurante cadastrado no iFood, ele receberá o auxílio por pedido realizado em cada um de seus restaurantes.

DEVOLUÇÃO DA TAXA ARRECADADA  NO “PRA RETIRAR”

   Com grande parte dos salões fechados por leis estaduais e municipais, o delivery e a retirada da comida no local se tornaram as únicas formas do restaurante operar. Por isso, o valor arrecadado pelo iFood em taxas do serviço ‘Pra Retirar’ (no qual os usuários fazem o pedido via app e retiram diretamente no restaurante) será devolvido integralmente aos restaurantes parceiros. Serão mantidas apenas as taxas de meio de pagamento do pedido.

A iniciativa é válida para parceiros já integrados e estabelecimentos que queiram desenvolver estrutura para instalar a solução ‘Pra Retirar’. Para essa modalidade, o benefício é automático, ou seja, todos os restaurantes que possuem ‘Pra Retirar’ receberão a devolutiva do valor das taxas diretamente no repasse. Atualmente, o recurso está presente em cerca de 120 mil restaurantes localizados em mais de mil cidades em todo o país.

"O delivery tornou-se um importante aliado para a recomendação de isolamento social, mas para que se siga prestando este serviço à sociedade, é fundamental que os restaurantes reúnam condições de manter suas operações abertas, alimentando famílias, gerando empregos e renda. Por esta razão, o iFood vem trabalhando em formas de apoiar o setor", comenta Diego Barreto, VP de estratégia do iFood.



Shoppings fechados pelo Covid-19 chegam a 550 em todo País

Airton Bulhões,

  A paralisação da economia do País é um fato consumado em tempos do Covid-19. Segundo levantamento feito pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), 550 shoppings do Brasil já foram afetados pelos decretos municipais e estaduais que recomendam o fechamento dos estabelecimentos. Imaginem a quantidades de pessoas paradas sem trabalho e com uma interrogação: e os salários?

  O número representa 95% do total de shoppings no país, afetando todos os estados e mais o Distrito Federal.

  Na região Centro-Oeste, 27 shoppings afetados; região Sul, 96; região Sudeste, 280; região Norte, 26 e região Nordeste, 93.

  No Rio Grande do Norte, 11 shoppings nenhum mais com redução de horário.

  Segundo a pesquisa "Perspectivas para os Mercados Imobiliário e Turístico - Impactos do COVID-19" - realizada na última semana pela ADIT Brasil em parceria com o Grupo Prospecta apenas 26% das empresas possui saldo de caixa para cobrir custos fixos por mais de 6 meses a partir de agora. Exatos 54% do mercado possui caixa até 3 meses. Entre os resultados obtidos, 53% dos entrevistados afirmaram acreditar que a recuperação econômica do mercado imobiliário deve levar de 6 a 12 meses.

  Enquanto a politicagem campeia entre o governo federal e as forças de oposição o Covid-19 começa a apresentar sua conta. Em São Vicente (Santos), no litoral paulista o primeiro saque que se tem notícias de um supermercado. Sem salário as pessoas terão que partir para a violência porque ninguém quer morrer de fome.



Federação de Bancos orienta abertura de agências e BB e CEF anunciam novos horários

Airton Bulhões,

A Federação Brasileira de Bancos recomendam a seus clientes e usuários do setor bancário que atendam às orientações das autoridades sanitárias, evitem deslocar-se para as agências bancárias e deem preferência para usar produtos e serviços dos bancos pelos canais digitais destinados à população.

  Por meio do celular e internet, os usuários podem fazer, com segurança, agendamento e pagamento de contas, consulta de saldos e extratos, transferências financeiras, contratação de serviços e empréstimos, entre outros serviços.

   Nos aplicativos e internet banking, os clientes poderão encontrar ferramentas úteis para todas as necessidades, além de ter acesso a comunicados e canais de atendimento.

Ao evitar voluntariamente ir às agências bancárias, todos colaborarão para que os bancos possam dar prioridade ao atendimento aos grupos mais vulneráveis, protegendo todos, inclusive os bancários, com a redução do fluxo de pessoas necessárias aos esforços contra a disseminação do vírus COVID-19.

Em caso de urgência e necessidade, a rede de autoatendimento (ATMs), com seus 170 mil terminais espalhados em todo o país, também está à disposição da população para saques e depósitos. Para proteger os clientes, foi intensificada a higienização desses terminais, seguindo a orientação de aperfeiçoar e intensificar os protocolos de higienização das instalações bancárias.

NOVOS HORÁRIOS

O Banco do Brasil fará atendimento presencial a partir desta terça-feira no período das 10h às 14h.

  O atendimento presencial será prestado somente em casos essenciais e de forma excepcional, como nas situações de desbloqueio de senha, desbloqueio de cartão, saques de benefícios sociais sem cartão, atendimento referente aos programas sociais destinados a aliviar as consequências econômicas do novo coronavírus e a pessoas com doenças graves.

  O pagamento das aposentadorias do INSS que começa nesta quarta-feira horário diferenciado das 9h às 10h, exclusivamente para os atendimentos essenciais a esse público

O Banco do Brasil também selecionou outro grupo de agências com grande fluxo de beneficiários e viabiliza a abertura de salas de autoatendimento das 06h às 22h. Um grupo de agências com grande fluxo de beneficiários abre suas salas de autoatendimento das 06h às 22h.

   Para os correntistas da Caixa Econômica Federal o horário de atendimento será das 10h às 14h, ficando 1.619 agências antecipando abertura em 1h para atendimento de clientes de risco.



Fecomércio RN pede a rede bancária prorrogação de pagamentos e BNB adia Crediamigo

Airton Bulhões,

   A Fecomércio RN enviou documento ao Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco do Nordeste apoio nesse momento difícil que as empresas passam diante do Covid-19 para que adotem  medidas para minimizar os efeitos da crise econômica e social que está se instalando em todo o país e, em especial, no estado do Rio Grande do Norte

  São solicitadas a  prorrogação para o final dos respectivos contratos, sem encargos moratórios, das parcelas de financiamentos vencidas nos próximos 120 dias; a prorrogação por 120 dias, sem encargos moratórios, dos títulos vencidos nesse período; a concessão de linhas crédito de longo prazo, com carência de 180 dias para início do pagamento, na forma de capital de giro e com taxas de juros reduzidas, para reforço do caixa das empresas, excepcionalmente sem a exigência de comprovação da regularidade fiscal e creditícia.

  Segundo o presidente da Fecomércio, Marcelo Queiroz a iniciativa visa sensibilizar a rede bancária oficial prestando apoio financeiro às empresas dos segmentos do Comércio, Serviços e Turismo, como forma de manter os atuais níveis de emprego.

  As recomendações de isolamento social estão provocando não apenas o cancelamento de eventos, mas a redução das jornadas de trabalho, e agora no fechamento por completo dos shoppings da capital, de forma que irão causar um impacto direto e profundo no faturamento destas empresas, criando um cenário estarrecedor e de extrema preocupação.

  Apresentou a importância dos setores do Comércio, Serviços e Turismo para a economia do estado, já que as empresas destes segmentos respondem por cerca de 65% do Produto Interno Bruto (PIB) potiguar, e empregam, direta e formalmente, quase 310 mil pessoas, o que equivale a aproximadamente 74% de todos os empregos com carteira assinada gerados pelo setor privado no Estado.

  A a massa salarial que gira no Rio Grande do Norte, paga apenas pelas empresas do setor formal desses segmentos, ultrapassa a casa dos R$ 435 milhões mensais.

BANCO DO NORDESTE ADIA PRAZO DE PAGAMENTO DO CREDIAMIGO

  As prestações de clientes do Crediamigo que vencem de 19 de março a 18 de abril de 2020 serão prorrogadas automaticamente pelo prazo de 30 dias. A iniciativa é mais uma medida adotada pelo Banco do Nordeste em apoio ao Plano de Contingência Nacional para Infecção Humana pelo Coronavírus COVID-19. Clientes que não têm interesse na prorrogação devem efetuar o pagamento normalmente.

  As condições excepcionais incluem também carência de 30 dias para início dos pagamentos relativos a novas contratações ou a renovações de financiamentos. O objetivo é possibilitar que todos os clientes permaneçam adimplentes com seus empréstimos, a fim de que possam fazer a renovação nos próximos meses.

Maior programa de microcrédito produtivo orientado da América do Sul, o Crediamigo possui 2,3 milhões de clientes ativos na área de atuação do BNB - os nove estados da região Nordeste e o norte de Minas Gerais e do Espírito Santo. O programa oferece capital de giro e investimento para micros e pequenos empreendedores, com prazos de 2 a 24 meses e taxas que variam de 0,99% a 2,40% ao mês.



Consumidor tem garantia de seus direitos na compra de passagens aéreas segundo termo de compromisso

Airton Bulhões,

  Documento estabelecendo regras para remarcação, cancelamento e reembolso de passagens aéreas entre todas as companhias nacionais foi firmado entre a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), o Ministério Público Federal (MPF) e a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça e Segurança Pública garantem os direitos do consumidor durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19

  O Termo de Ajustamento de Conduta (TAC)  garante os direitos do consumidor durante a pandemia e  estabelece que que o passageiro poderá remarcar, sem custo, sua viagem nacional ou internacional, uma única vez, se tiver adquirido a passagem aérea até a data de assinatura do documento (20/03), para voos entre 1º de março e 30 de junho de 2020, respeitada a mesma origem e destino.

  Para as viagens realizadas por meio de acordos de compartilhamento de voos, operados por companhias que tenham parcerias de planos de milhagem e voo “charter”, os passageiros poderão remarcar a sua viagem para qualquer data, dentro do tempo de validade da passagem aérea, sem taxas de remarcação ou diferença tarifária.

  As passagens aéreas compradas para voos durante a baixa temporada poderão ser remarcadas, sem custo, para viagens durante a mesma época, mas se a escolha for por viagens para a alta temporada (julho, dezembro, janeiro e feriados), haverá cobrança de diferença tarifária.

   Os passageiros que adquiriram bilhetes para a alta temporada poderão remarcá-los, sem ônus, em qualquer época, respeitada a validade do contrato. A troca de destinos é possível, com eventual cobrança de adicional tarifário.

SAIBA MAIS

  Os passageiros que compraram passagens aéreas com data até a assinatura do TAC (20/03) poderão cancelar sua viagem nacional ou internacional entre 1º de março e 30 de junho de 2020, sem custos adicionais.

  Neste caso, o valor pago será mantido como crédito pelo período de um ano, a partir da data do voo. A remarcação do bilhete poderá resultar na cobrança de eventuais valores ou tarifas, mas sem incidência de multas ou taxas contratuais. Se a opção for pelo reembolso, o prazo será de até 12 meses, sem correção monetária ou multas, a partir do dia da solicitação.

  O acordo assinado entre a ABEAR, o MPF e a Senacon também estabelece que atrasos ou cancelamentos de voos decorrentes do fechamento de fronteiras não resultarão, por parte da companhia aérea, no fornecimento de assistência material como alimentação, hospedagem e traslado, conforme prevê a Resolução 400 da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

  Neste caso, as empresas auxiliarão o Ministério das Relações Exteriores a localizar e trazer brasileiros que estejam no exterior.

  Todas as alterações de voos realizadas de forma programada pelas companhias aéreas nacionais, como horários e itinerários, serão informadas aos passageiros dentro do prazo de 24 horas.

WdWSODO.jpg

Lideranças empresariais do comércio fazem reivindicações para minimizar efeitos do coronavírus

Airton Bulhões,

   Presidente de entidades do comércio setores que juntos respondem por cerca de 65% do PIB do estado; movimentam R$ 42,3 bilhões todos anos; e empregam, direta e formalmente, quase 310 mil pessoas, o que equivale a quase 74% de todos os empregos com carteira assinada gerados pelo setor privado no Rio Grande do Norte fizeram entrega de documento ao secretário estadual de Tributação,  Carlos Eduardo Xavier para ser encaminhado a governadora Fátima Bezerra.

   Entre as sugestões estão: incluir a parcela estadual de tributos incidentes sobre as empresas optantes pelo Simples no diferimento de pagamento pelo prazo mínimo de três meses; instituir o diferimento, por um período mínimo de três meses, do recolhimento do ICMS devido pelas empresas do segmento; redobrar os esforços para manter em dia o pagamento dos salários e benefícios dos servidores públicos; reativar a redução do ICMS incidente sobre a energia elétrica dos empreendimentos turísticos; entre outros.

  “Solicitamos o apoio do Governo do Estado para que possamos juntos atravessar esta tormenta que nos aflige com o menor impacto possível em nossa economia”, ressaltou o presidente da Federação do Comércio do RN, Marcelo Queiroz.

  Segundo a Fecomércio as recomendações de isolamento social, que têm impacto direto na realização de eventos e no movimento do comércio; a redução de jornadas de trabalho e o cancelamento de aulas e cursos são medidas necessárias, mas que impactam direta e profundamente no faturamento de nossas empresas e criam um cenário aterrador. Mesmo entendendo a extrema necessidade de muitas destas medidas.

  O  chefe do Gabinete Civil do RN, Raimundo Alves Júnior, elogiou a iniciativa das entidades, mas lembrou a difícil situação financeira pela qual o estado vem passando, e que é de amplo conhecimento de todos. “. Nós nos comprometemos a estudar todos os pontos e dar um retorno do que pode ser feito o quanto antes”, afirmou ele.

k8Vqy3O.jpg

Ministério da Educação prorroga período da lista de espera para o ProUni e Fies

Airton Bulhões,

  O Ministério da Educação prorrogou por tempo indeterminado o período das listas de espera do Programa Universidade para Todos (ProUni) e do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) para minimizar os efeitos da pandemia de coronavírus.. As mudanças foram publicadas na edição desta quarta-feira, 18, do Diário Oficial da União (DOU).

  “O ministério está tomando uma série de medidas e uma delas é a flexibilização dos calendários dos nossos programas. Para não permitir que qualquer estudante seja prejudicado, dado que muitas instituições de ensino estão fechadas, o MEC prorrogou os prazos da lista de espera do Prouni e do Fies”, explicou o coordenador-geral de Programas de Ensino Superior do MEC, Thiago Leitão.

  De acordo com o edital publicado hoje, “os estudantes que manifestaram interesse em participar da lista de espera não têm prazo final para entregar a documentação na instituição. Haverá tempo para que eles estreguem a documentação assim que as atividades acadêmicas retornarem à normalidade”, informou Leitão.

  ProUni A lista de espera é mais uma oportunidade para candidatos que não foram pré-selecionados na primeira e segunda chamadas conseguirem uma bolsa pelo programa. Os estudantes são classificados por curso e turno, seguindo as notas obtidas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019.

O ProUni é o programa que oferece bolsas integrais e parciais em instituições particulares de educação superior. A oferta de 252.534 bolsas neste ano é recorde para um primeiro semestre. O sistema registrou mais de 1,5 milhão de inscrições.

O Fies  também  prorroga a convocação da lista de espera por tempo indeterminado. “Com isso, os estudantes terão prorrogados os prazos de cada etapa para a concretização do financiamento”, afirmou o coordenador-geral.

Os estudantes pré-selecionados na lista de espera do Fies devem complementar seus dados na página do programa na internet. Os candidatos precisam informar dados bancários, do fiador e do seguro para pagamento da dívida em caso de morte.

As informações prestadas no portal devem ser validadas junto à Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) da instituição de ensino na qual o candidato fará o curso. Podem ser solicitados mais documentos ou, em caso de tudo estar correto, o candidato recebe o Documento de Regularidade de Inscrição (DRI), que serve para formalizar a contratação do financiamento.

De acordo com o edital publicado hoje, “os estudantes que manifestaram interesse em participar da lista de espera não têm prazo final para entregar a documentação na instituição. Haverá tempo para que eles estreguem a documentação assim que as atividades acadêmicas retornarem à normalidade”, informou Leitão.



Hoteleiros alertam governo sobre quebradeira, aéreas reduzem voos e ABAV estimula adiar viagens

Airton Bulhões,

      As associações hoteleiras e de parques do Brasil, Resorts Brasil, ABIH, FOHB, FBHA, BLTA, Sindepat, Adibra e Unedestinos, responsáveis por mais de um milhão de empregos diretos e indiretos não vão suportar o impacto financeiro caso não haja uma intervenção do governo federal para garantir a continuidade das empresas e a manutenção dos empregos de seus colaboradores.

  Em carta aberta ao governo federal os setores de hotéis, parques e entretenimento estão em alertando para o estado de emergência que o setor começa a enfrentar com a pandemia do Coronavírus trouxe o risco real de fechamento de várias empresas.

  Segundo as entidades relacionadas a Medida Provisória anunciada nesta terça-feira (16) pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, não representa uma solução para o setor mais duramente afetado por esta crise.

  Os índices de cancelamento de eventos, de hospedagens corporativas e de lazer estão na ordem de 75%-100%, além de acentuada queda na visitação dos parques, coloca em xeque a sobrevivência destes empreendimentos no país.

  A situação é caótica e, em um espaço curtíssimo de tempo, o setor de turismo estará irremediavelmente comprometido, sob pena de suprimir da economia R﹩ 31,3 bilhões e quatrocentos mil postos de trabalho.

  Ressaltam que não se trata de prejuízo pontual e imediato, mas sim da desarticulação e falência da cadeia turística nacional que poderá causar consequências permanentes para a economia do país.

  RECUO DE VOOS DOMÉSTICOS E INTERNACIONAL

  Segundo a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR)  já se registra em média, queda de 50% na demanda por voos domésticos e redução de 85% nas viagens internacionais, em relação ao mesmo período do ano passado, por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19).


  Com o fechamento de fronteiras de diversos países e as restrições de viagens aéreas, GOL e Grupo LATAM comunicaram reduções de capacidade para poderem enfrentar a maior crise da história da aviação comercial. Seguem abaixo as medidas anunciadas:

GOL
- Suspende voos internacionais de 23 de março a 30 de junho
- Anuncia redução de malha doméstica entre 50% e 60%

GRUPO LATAM Airlines

- Redução de 90% dos voos internacionais
- Redução de 40% dos voos domésticos.

  CAMPANHA ESTIMULA ADIAR PLANOS DE VIAGENS

  A Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV) e a @Vertebratta – empresa de marketing que atua no setor de turismo há 19 anos, uniram-se para criar uma campanha “Adia” para todo país de todos e para todos que dependem que consumidores adiem seus planos de viagens para se protegerem do COVID-19.

A campanha é uma ação de apoio à sustentabilidade econômica de todos os setores da economia que dependem do adiamento. A nível local a presidente da ABAV/RN, Michelle Pereira que a proposta é que todos adiem suas viagens e optem pelo reagendamento  sem cancelar a viagens.

  Segundo a presidente nacional da ABAV, Magda Nassar as agências de viagens e operadoras de turismo têm sido incansáveis no atendimento aos clientes que, com toda razão, não se sentem seguros em viajar neste momento.

  “Vamos vencer o Coronavírus e ultrapassar essa crise, como já fizemos tantas outras vezes. Ela vai passar, com certeza, e vamos seguir saudáveis e realizando sonhos”



Coronavírus afeta a saúde mundial e mexe com a estrutura econômica segundo analistas

Airton Bulhões,

    A grande incógnita mundial o coronavírus abalou a estrutura a saúde das pessoas em todo mundo e a estrutura econômica mundial fazendo com que nos próximos dias o clima seja de guerra.

  As pessoas se perguntam: esse coronavírus que tem na China seu berço surgiu do nada, nem os cientistas explicam a origem dessa praga. Foi do vento? O que se tem de concreto é que o estrago vai ser grande, ninguém a uma altura dessas sabe nem dimensionar o que restará a não ser no momento lutar pela preservação da saúde da população.

  O governo brasileiro anunciou medidas para a economia não paralisar totalmente e provocar o caos, o ministro da Economia, Paulo Guedes confirma a liberação de R$ 147,3 bilhões nos próximos três meses, distribuídos em medidas para atender aos setores da economia (matéria prima, indústria, e venda de bens imateriais e serviços), prover a manutenção de empregos (R$ 59,4 bilhões) e dar suporte aos grupos de cidadãos mais vulneráveis, que ficarão com a maior fatia de R$ 83,4 bilhões, incluindo o cadastro de um milhão de novas famílias no Bolsa Família.
 
  Medidas fiscais como o adiamento do pagamento do Simples Nacional, interrupção do depósito do FGTS no período e redução de 50% nas contribuições do Sistema S, também foram anunciadas e deixam clara a intenção de gerar caixa e aumentar o fôlego dos setores econômicos e, consequentemente, da população.

  Mas o que dizem os especialistas econômicos sobre esse estrago na nossa economia

O advogado tributarista e especialista no mercado financeiro, Eliézer Marins acredita que é preciso se adequar e buscar meios de seguir em frente:0IFdR52.jpg

 "O desconhecido e o medo de suas consequências caiu cedo demais sobre a economia global e por causa deste inesperado fato o mundo está sem chão, sem um ponto de referência. O coronavírus se tornou muito pior para a economia mundial do que guerra comercial entre Estados Unidos e China e pode nos arrastar a um Crash igual ou até mesmo de maiores proporções que o da grande depressão de 1929 da Bolsa de Nova York. O impacto é sequencial como se fosse um dominó, da China ao Irã e à Coreia do Sul e agora toda a Europa ocidental, que virou o epicentro da epidemia e está paralisada frente ao desconhecido, e tudo isto é algo nunca vi, nem a maioria de nós”.

  A especialista em crédito e consultora Yasmin Melo,criadora do projeto Gigantes do Consignado,acredita que este é o momento em que os governos vão precisar intervir e os bancos terão de fomentar o crédito ao empreendedor para amenizar os efeitos pós crise. 

   Eliézer Marins questiona quem pagará a conta por estes incentivos: “algo que já é perceptível é que as pessoas já não estão mais consumindo ou saindo como antigamente”.

   Já tínhamos no Brasil um cenário de recuperação lenta de uma recessão econômica, ainda mais agora com o coronavírus, que obrigará muitos destes estabelecimentos comerciais a estarem fechados, acumulando prejuízos.

  Mediante a essa retração do consumo, que reflete diretamente no lucro dos empresários, eu pergunto quem vai pagar essa conta. Será que os governos irão aliviar a carga tributária ou adiar o recolhimento dos impostos de empresários que foram afetados por essa paralisação causada pelo vírus até que a situação se realize? Os impostos sobre os salários vão ser pagos?

 
E DÓLAR COMO FICA ?


Quanto ao valor do dólar, os motivos pelos quais a cotação oficial tem estado em valores cada vez mais altos têm a ver com diversos outros fatores além da pandemia:

“O dólar está alto não apenas por causa da derrubada das bolsas, que influencia sim na cotação, mas por uma conjuntura de fatores. Com a Selic historicamente baixa em 4,25%, que é irreal frente ao cenário de pânico global, tem havido enorme fuga de capital do Brasil, em busca de investimentos mais rentáveis, e como consequência temos a alta do dólar. A política econômica atual é a maior responsável pelo dólar disparar, mais do que a baixa do barril de petróleo e até mais que o coronavírus e os índices das bolsas despencando no Brasil e no mundo”, acrescentou Yasmin Melo.

uP8JjbY.jpg

Bancos anunciam medidas contra coronavírus e Feira de Turismo (Femptur) é adiada

Airton Bulhões,

   Através de nota enviada à imprensa a  Federação Brasileira de Bancos - Febraban - e seus bancos associados atestam que sensíveis ao momento de preocupação dos brasileiros com a doença provocada pelo novo coronavírus, vêm discutindo propostas para amenizar os efeitos negativos dessa pandemia no emprego e na renda. Entendem que se trata de um choque profundo, mas de natureza essencialmente transitória.

  Os cinco maiores bancos associados estão abertos e comprometidos em atender pedidos de prorrogação, por 60 dias, dos vencimentos de dívidas de Clientes Pessoas Físicas e Micro e Pequenas empresas para os contratos vigentes em dia e limitados aos valores já utilizados.

  A rede bancária e seus canais de atendimento ficarão à disposição do público e prontos para apoiar todos os que estejam enfrentando dificuldades momentâneas em função do atual contexto.

  Os bancos estão engajados em continuar colaborando com o País com medidas de estímulo à economia.

foto:domtotal.com

  FEIRA DE TURISMO É ADIADA

  Considerada a maior ação de interiorização do Turismo no Estado, a 6ª Feira dos Municípios e Produtos Turísticos do RN (Femptur) e o 11º Fórum de Turismo do RN, que aconteceriam entre os dias 03 e 04 de abril, no Centro de Convenções de Natal, estão adiados.

  Como e precaução e sensibilizada com a atual situação da saúde pública mundial, a Argus Eventos optou por adiar a realização do evento até que tudo volte à normalidade.



Gel com ação anti-inflamatória com plantas da Caatinga são patenteadas por pesquisadores da UFRN

Airton Bulhões,

   Pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) confirmam o resultado de um produto em  Gel para tratamento de inflamações de uma forma geral a partir de novas formulações farmacêuticas com folhas das espécies Kalanchoe laciniata e Bryophyllum pinnatum, ambas cultivadas na Caatinga.

  Além do uso em humanos, a nova medicação pode ser utilizada no tratamento veterinário de equinos, bovinos e caprinos. Uma das cientistas envolvidas, a professora do Departamento de Farmácia da UFRN, Silvana Maria Zucolotto Langassner, colocou que a invenção foi testada frente a modelos experimentais de inflamação aguda em seres vivos, momentos nos quais foi observada a redução dos inchaços provenientes das irritações.

  Segundo  a pesquisadora as plantas têm um uso popular já disseminado, pois as pessoas identificaram esse possível efeito cicatrizante.

  “Nos dez anos em que nós do Grupo de Pesquisa de Produtos Naturais Bioativos trabalhamos com essas plantas, vários estudos de doutorado, mestrado e iniciação científica foram desenvolvidos. Um dos aspectos interessantes dessas espécies é que são de pequeno porte, com matéria-prima abundante e, muito importante, são nativas”, afirmou a docente. Silvana Langassner

  Ela ressaltou ainda que a nova tecnologia está de acordo com a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicas, que visa promover o uso sustentável da biodiversidade, o desenvolvimento da cadeia produtiva e da indústria nacional. 


  O Gel produto resultante da pesquisa é fruto do estudo de Edilane Rodrigues Dantas de Araújo no mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas (PPGCF) e contou com a parceria da equipe do Laboratório de Tecnologia e Biotecnologia Farmacêutica. Segundo ela, a conclusão é que os “sucos” das duas espécies apresentaram atividade gastroprotetora e anti-inflamatória tópica em modelos in vivo, resultados que justificam a utilização popular das espécies.


  Denominado "Formulações farmacêuticas contendo insumos ativos de Kalanchoe laciniata e Bryophyllum pinnatum e sua atividade anti-inflamatória”, o depósito da patente junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) tem como autores também os pesquisadores Arnóbio Antônio da Silva Júnior, Edilane Rodrigues Dantas de Araújo, Gerlane Coelho Bernardo Guerra, Jacinthia Beatriz Xavier dos Santos, Júlia Morais Fernandes, Juliana Felix da Silva e Matheus de Freitas Fernandes Pedrosa.

K5gWan5.jpg

Páscoa e Dia das Mães incrementam contratação de trabalhadores temporários

Airton Bulhões,

   Segundo a Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem) a Páscoa, com a produção e vendas de ovos de chocolate e produtos típicos da época e o Dia das Mães vão impactar positivamente o mercado de trabalho temporário no Brasil.

  As duas datas devem gerar um incremento de 7,8% nesse tipo de contratação formal entre os meses de março, abril e maio deste ano, em comparação com o mesmo período de 2019.

  No período de março e maio devem ser abertas 351.963 vagas, sendo que o estado de São Paulo se destaca por concentrar 67,1% do total estimado de contratações, ao gerar 236.053 vagas de trabalho temporário.

  O Paraná aparece em segundo lugar, com a perspectiva de concentrar 6,7% das vagas (23.427); seguido por Minas Gerais, com a oferta de 5% das vagas (17.577); Santa Catarina, com 4,9% (17.294); e Rio de Janeiro, com 3,8% (13.394).

  O avanço da demanda nas lojas incentiva os comerciantes e empresários em geral a aumentarem a sua linha de produção e, consequentemente, o número de trabalhadores. "E o Trabalho Temporário é uma modalidade flexível, uma opção formal de contratação e que garante segurança econômica e jurídica para atender a essa demanda complementar de serviços", afirma a presidente da Asserttem,

  Segundo a Asserttem, os números confirmam as perspectivas positivas para a modalidade em 2020, puxados pelo novo decreto do Trabalho Temporário (10.060/19) e pela decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que amplia o mercado de trabalho das mulheres, inclusive das gestantes.

"O país está voltando a compreender melhor a natureza deste regime especial de contratação, que é o Trabalho Temporário, e que é intermediado por uma agência devidamente autorizada pelo governo. Com certeza, teremos resultados positivos na geração de trabalho formal e renda no Brasil, aumentando o número de oportunidades nas vagas temporárias em todos os setores da economia", reforça.

SAIBA MAIS

O mercado de trabalho temporário, protegido pela Lei Federal 6.019/74, cresceu 16% em 2019, na comparação com 2018, gerando mais de 1,48 milhão de vagas, segundo os estudos realizados pela Assserttem. O volume equivale a uma média de 4.070 contratações por dia.

Em comparação com 2017, o crescimento é de 43,33%, já que naquele ano haviam sido geradas pouco mais de 1 milhão de vagas na modalidade de trabalho temporário.

foto:adelsonmeira.com.br

cdGlQYe.jpg

Nova lei de franquias entra em vigor favorecendo crescimento do setor

Airton Bulhões,

  A atualização da nova Lei de Franquias  sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em dezembro e que entra em vigor no dia 26 de março, segundo a Federação do Comércio de São Paulo revoga a antiga lei n.º 8.955 de 1994, que até então regulava os contratos celebrados entre franqueados e franqueadores. Para a Instituição, a alteração pode trazer mais segurança jurídica e transparência ao sistema de franquias.
 
  A nova legislação traz clareza a determinados temas que eram objetos de demandas judiciais, como o afastamento do vínculo empregatício entre franqueadores e franqueados e entre a empresa franqueadora e os empregados do franqueado, bem como a não aplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor. Isso deixa claro que se trata de uma relação empresarial e não de consumo.
 
  A COF (Circular de Oferta de Franquia) também será mais transparente em relação ao suporte oferecido ao franqueado pelo franqueador, pois passará a conter de forma mais detalhada as condições do negócio, como as regras específicas para sucessão do contrato, as penalidades e multas aplicáveis, as cotas mínimas de compra pelo franqueado junto ao franqueador, os prazos contratuais e condições de renovação do contrato, regras de limitação à concorrência e outros assuntos.
 
“Com essas alterações, a COF ganha um papel de destaque na nova lei, demonstrando a intenção do legislador em exigir mais transparência e boa-fé na celebração dos negócios de franquia, o que fortalece a segurança jurídica dessa relação, preserva a credibilidade do franqueador e oferece mais clareza aos franqueados”, destaca a assessoria jurídica da FecomercioSP.
IboOlmA.jpg
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



Cresce a confiança dos empresários do setor hoteleiro do Nordeste

Airton Bulhões,

   Segundo levantamento realizado pelo Ministério do Turismo os seis primeiros meses de 2020 serão de otimismo para os empresários do setor hoteleiro nordestino.

  42,8% projetam aumento na demanda por serviços ofertados, mais de 7 pontos percentuais acima da expectativa da última pesquisa, promovida em setembro do ano passado. Além disso, 45,8% esperam alta no faturamento de seus empreendimentos.

  O estudo também traz informações sobre o crescimento da procura pelos serviços e de receitas no segmento. Segundo 29,4% dos consultados, o volume de tarefas aumentou, e 31,8% tiveram faturamento maior que no mesmo período de 2018.

  Para os próximos seis meses, a perspectiva é que 27,4% registrem acréscimo no número de funcionários.

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, avalia que 2020 tem tudo para ser um ano de números ainda melhores no setor hoteleiro. “Já começamos bem, com lotações máximas na hotelaria durante o Réveillon e o Carnaval. Nosso intuito é cada vez mais aumentar o número de turistas para esses estabelecimentos, movimentando assim a nossa economia”, enfatiza.

SAIBA MAIS

Esta é a quarta etapa da Sondagem Empresarial do Setor Hoteleiro no Brasil, promovida pela Diretoria de Estudos Econômicos e Pesquisas do Ministério do Turismo. São consultadas empresas de hospedagem de todos os portes, entre hotéis, pousadas, resorts e acampamentos turísticos. O objetivo é apurar as perspectivas quanto ao desempenho dos estabelecimentos e dos destinos onde se localizam.​

9W9UUrT.jpg

Teleférico de Santa Cruz está sendo embarcado de Zurique para Natal

Airton Bulhões,

    Para o turismo potiguar temos uma boa notícia: o teleférico de Santa Cruz que vai ligar a estátua de Santa Rita de Cássia a igreja matriz de Santa Cruz está sendo embarcado hoje da Suíça para Natal, de onde seguirá para aquele município da região do Trairi.QOffTYi.jpg

   O prefeito de Santa Cruz, Ivanildo Ferreira, e o padre Vicente Fernandes, pároco da Igreja de Santa Rita de Cássia, viajaram para a cidade suíça de Zurique, de onde  acompanham os procedimentos de embarque das seis cabines (bondinhos), motores, roldanas e demais componentes do equipamento, que envolve cerca de 40 toneladas, distribuídas em vários container.

“Essa é uma boa notícia para Santa Cruz e o turismo do Rio Grande do Norte”, comemora o deputado estadual Tomba Farias que idealizou este projeto lembrando que o teleférico, que envolve um investimento de cerca de R$ 13 milhões, irá consolidar o turismo religioso de Santa Cruz, que atualmente, segundo o parlamentar, está entre os sete principais destinos religiosos do País, segundo o ranking dos destinos religiosos da CVC.

  A expectativa é que até o próximo dia 15 o equipamento seja despachado via marítima para Natal, trajeto que deverá cerca de 30 dias. Tomba lembra que a inauguração do teleférico deverá ocorrer até o início de 2021 e que a parte de infraestrutura de engenharia que se encontra pronta em Santa Cruz, assim como as estações de passageiros em condições de entrar em funcionamento.



Recife vai reunir 80 franquias em congresso e é oportunidade para interessados abrir seu próprio negócio

Airton Bulhões,

   A Associação Brasileira de Franchising (ABF) promove o Congresso de Franquias e Varejo Norte Nordeste com especialistas do mercado que trarão debates durante os dias 12 e 13 de março sobre as oportunidades, desafios, as tendências em tecnologia, gestão e investimentos no setor.

O congresso será realizado no RioMar Shopping com patrocínio ouro do Bradesco, apoio da ABF - Associação Brasileira de Franchising, do Sebrae-PE e RioMar Shopping com realização da Insight Feiras & Negócios.

  Destinada a empreendedores interessados em abrir o seu próprio negócio e conhecer mais sobre as características deste mercado, A Expo Franquias Nordeste 2020 espera gerar R﹩85 milhões em negócios.

  O evento deve receber este ano cerca de 5 mil visitantes qualificados, dispostos a investir em franquias de diversos segmentos, cujo aporte inicial pode variar entre R﹩20 mil e R﹩800 mil.

  A feira apresentará cerca de 80 marcas expositoras, nas áreas de alimentação, conveniência, calçados, vestuário, bebidas, beleza, saúde, educação, lazer, turismo, hotelaria e decoração.

SAIBA MAIS

  O segmento de franquias é um dos que mais cresce no Brasil. Somente no ano de 2019, o setor atingiu um faturamento de mais de R$185 bilhões e já o total de empregos diretos do setor subiu 4,8%, chegando a cerca de 1,34 milhão.

  A distribuição regional deste resultado, destaca a representatividade das regiões Norte e Nordeste que somam cerca de 20% da receita da indústria do franchising. 

grbZ7gT.jpg
1-20 de 2026